PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL



BLOG VOLTADO PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL - 16 ANOS NO AR

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

VALE DO JEQUITINHONHA - TESES

SOBRE O VALE DO JEQUITINHONHA - TESES

1 - A MESORREGIÃO DO VALE DO MUCURI: CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA E ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO

2 - O presente vivido e o futuro pensado: condição juvenil e estudantil de jovens universitários dos/nos Vales do Mucuri e Jequitinhonha

3 - Política e Cultura no Vale do Jequitinhonha: Um estudo de caso sobre o associativismo comunitário quilombola de Moça Santa/Chapada

4 - DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS E INOVAÇÃO SOCIAL NO ALTO JEQUITINHONHA – MG

5 - O turismo solidário e a redescrição social no Vale do Jequitinhonha-MG

6 - PROJETO VEREDAS: um sonho realizado pelas Professoras do Alto Vale do Jequitinhonha

7 - Os ceramistas do Vale do Jequitinhonha : uma investigação etnomatematica

8 - OS MIGRANTES CORTADORES DE CANA DO VALE DO JEQUITINHONHA: ENTRE A SUPEREXPLORAÇÃO E A RESISTÊNCIA

9 - Diamantes do médio rio Jequitinhonha, Minas Gerais: qualificação gemológica e análise granulométrica

10 – como a vida se refez – os caminhos da reterritorialização de antigidos pela barragem de irapé do Alto Jequitinhonha.


quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

SOBRE PAISAGEM CULTURAL


“As paisagens são fenômenos de cultura, portanto a sua autonomia é sempre relativa. Elas são o que significam. O humano, neste caso, é a paisagem, porque ela não existe antes da significação: ao compartilharmos o mundo com os outros, somos a paisagem, na medida em que configuramos as mesmas, no sentido de figurar junto e de conformá-la de acordo com os anseios e desígnios da sociedade à qual pertencemos. (...).


Numa paisagem patrimonial, convergem a imaterialidade e a materialidade das coisas (a aura/ o mana das coisas associados à materialidade mesma do objeto/artefato), uma vez que reflete as sutilezas dos arranjos sócio-culturais imersas na experiência de viver o lugar de pertencimento ao logo do tempo, relacionada ao gesto técnico (LEROI-GOURHAN, 1965) de conformação do mesmo, bem como nos usos e sentidos atribuídos a eles pelos grupos sociais que o concebem como um elemento paisagístico – o sítio, o museu, o parque – representativo da forma de ser ou das expressões culturais que identificam a pertença a determinada nação – daí ser a paisagem patrimonializável”.  

FONTE: 
(SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu, BEZERRA, Márcia. Educação Patrimonial: Perspectivas e Dilemas, sd,  p. 91).


“Subi a todas as serras e calcorreei todos os vales desta pátria” (1959, p.11), para Torga a paisagem é o espaço dos encontros mas também o abrigo terapêutico da solidão, do eremita que ali se refugia, mais alto, para ler o horizonte, para melhor se conhecer a si próprio. Isto porque só pode refletir a paisagem quem a viu e pisou, só depois da vivência pessoal, de lá se ter estado, se entende a mensagem que cada pedaço da superfície terrestre veicula. Para Torga, a observação é o que cada um vê no espaço geográfico, a resultante de escolhas seletivas, como se olhássemos para isto e não para aquilo, hierarquizando elementos, valorizando uns, escondendo outros, tudo orientado por um trabalho cognitivo que nem sempre descobre o essencial e leva às melhores perspectivas de análise.

É através da paisagem que se regressa ao ponto de partida, à origem ou, nas palavras de Torga, à nascente, marca geográfica que condiciona a identidade de cada um. É pela paisagem que se reconhece o que está longe, não nos é familiar e por vezes se procura num ato turístico que acrescenta lugares ao mapa mental de cada um. É esta paisagem que inscreve as ruínas que nos ligam ao passado das civilizações. É esta espacialidade que denota o dinamismo dos lugares, a sua pujança ou decadência, como a Bruxelas que Torga visitou e na qual sentiu já terem passado os gloriosos dias que se revelam no requinte da Grand Place. Para o escritor, a paisagem é isso mesmo, lugar de extase mas também de angústia pelo que se pode perder, pela capital belga que já não era a mesma mas também pelo Douro que se via emparedado em empreendimentos hidráulicos - um espaço geográfico que as barragens iam alterando sem se saber, assim o vai confessando Torga, qual o sentido da mudança, se esta iria ou não respeitar a identidade telúrica daquela região portuguesa.

FONTE:

PAISAGEM CULTURAL: DE UM ESPAÇO DE RETERRITORIALIZAÇÃO A UM RECURSO TURÍSTICO João Luís Fernandes Departamento de Geografia da Universidade de Coimbra Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT) jfernandes@fl.uc.pt ,p.270.


 MEMÓRIAS
Autor: Carlos Henrique Rangel

Zé lembrava que era Zé, diminutivo do nome José.
Tinha idade e identidade.
Lembrava que tinha nascido e se criado numa cidade com uma pequena praça.
Uma pequena igreja que viu o casamento dos pais e seu batizado.
E seu casamento e as lágrimas do fim.
Zé lembrava dos bancos da praça.
Das árvores, das flores, das bolas jogadas, das moças...
Zé lembrava que um dia foi Zezinho, Garoto bonito, rei dos bailes...
Lembrava da escola que ficava na praça... De novo a praça...
A praça...
O mundo era a praça: Da igreja, da escola, da casa da avó.
A praça das flores, das bolas, das moças...
Zé lembrava do fim das coisas:
Da escola substituída.
Dos jardins modificados.
Da igreja ampliada.
Do asfalto cobrindo as pedras...
Das moças já não tão moças...
Zé lembrava.
O mundo já não era a praça.
O mundo era maior:
Além da praça, além da cidade, além do país.
Mas Zé sabia.
Sabia que o Zé José
Só era Zé José por causa do mundo.
E o mundo do Zé José era a praça da igreja, da escola, da casa da avó,
das flores e moças.
A praça de ontem, a praça da infância, da adolescência, da juventude,
dos cabelos brancos do Zé idoso.
A praça era o mundo.
O mundo do Zé José...


Fim.

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL - VOVÔ CARLOS E RITA - PATRIMÔNIO CULTURAL O QUE É?


EDUCAÇÃO PATRIMONIAL - LEMBRANÇAS

LEMBRANÇAS
Autor: Carlos Henrique Rangel