PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 19 ANOS

PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 19 ANOS

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

PENSANDO O PATRIMÔNIO CULTURAL

PENSANDO O PATRIMÔNIO CULTURAL

A preservação do patrimônio cultural, sempre foi a luta desesperada do ser humano em se fazer lembrar e se lembrar.
Os bens eleitos como culturais nos vários momentos históricos, são suportes da memória, do que se quer preservar e lembrar.
São poderosos ressuscitadores do que foi ou do que se imagina que foi.
Despertadores/receptáculos de glórias reais e imaginárias criadas ou recriadas ao longo de séculos.
Os bens culturais permitem leituras diversas como são diversos os seres humanos que os vivenciam.
Mas podem falar essencialmente de forma semelhante  ou parecida às memórias diversas.
Podem ser reconhecidos e apropriados por esses grupos diversos com sentidos parecidos mas diferentes.
A necessidade de sobreviver e permanecer faz com que o ser humano atribua valores aos bens culturais materiais e imateriais de forma individual e coletiva. Sempre nessa ordem:
- Individual, por que somos indivíduos únicos com memórias e vivências próprias.
- Coletiva, por que somos ao mesmo tempo seres plurais e vivemos em grupos com crenças, objetivos, gestos, maneiras e códigos geralmente em comum ou parecidos.
Cabe ao ser humano individual e coletivamente a atribuição dos valores.
Cabe ao ser humano a tarefa de transformar uma pedra “na Pedra”, uma casa “na Casa”, uma praça “na Praça”, uma festa “na Festa”.
Essa incrível capacidade de valorar, de qualificar, de dar sentido às coisas – materiais e imateriais – não é e nunca foi gratuita.
O ser humano precisa de valores e de atribuir valores às coisas para continuar no mundo.
Para continuar vivendo em grupo. Para lembrar de quem foi, é e será. 
É necessário se acreditar eterno no que pode durar além da vida humana, além da memória humana.
Memórias genéticas, memórias incrustadas em objetos: Casarões, quadros, objetos ritualísticos, templos, rituais, modos de ser e fazer.
Mesmo que sejam memórias relidas, idealizadas, deturpadas, modificadas, inovadas. Ainda assim, memórias que fortalecem a autoestima de um indivíduo e de um grupo.
A continuidade de um grupo e de um indivíduo enquanto parte de um grupo pode depender de um simples objeto ou rito.
A preservação do patrimônio cultural sempre foi a luta desesperada do ser humano em se fazer lembrar e se lembrar. Mesmo que os receptáculos desta memória sejam finitos.
“Mas que sejam eternos enquanto durem”.
E cabe ao ser humano e só a ele fazer com durem.
(Carlos Henrique Rangel).


SINTESE CURRICULAR
Carlos Henrique Rangel
Contratado como Historiador em 02 de maio de 1984 para o Setor de Pesquisa do IEPHA/MG.
- Chefe do Setor de Pesquisa no período de 1989 a 1992.
- Chefe do Setor de Proteção de junho de 1993 a dezembro de 1993.
- Superintendente de Proteção a partir de janeiro de 1994 a 1999.
- Superintendente de Desenvolvimento e Promoção de 2004 a 2007.
- Diretor de Promoção de 2007 a 2010.
Carlos Henrique Rangel é um dos pioneiros em três programas do IEPHA/MG:
 Programa: IPAC – Inventário de Proteção ao Acervo Cultural do Estado de Minas Gerais – Iniciado em 1984. Trabalhou nos inventários dos municípios de São Francisco, São João das Missões, Itacarambi, Montes Claros, Itabira, Rio Pomba e Uberaba.
- Programa: Educação Patrimonial – Projeto Educação, Memória e Patrimônio – Realizado em 1994 nos municípios de Belo Horizonte e Sabará.
- Programa: ICMS Patrimônio Cultural criado em 1995 e ainda hoje atuante.
Sob seu comando foi organizado o ICMS Patrimônio Cultural em 1995 do qual se responsabilizou até o ano de 1999.
Em 2004 retomou o comando deste importante Programa Estadual comandando-o oficialmente até 31 de dezembro de 2010.
Foi conselheiro do CONEP - Conselho Estadual do Patrimônio Cultural - por três mandatos - de 2007 a 2009 a 2011 e 2017 a 2019.
Em 13 de dezembro de 2010 foi homenageado pelo 12ª Premiação de Arquitetura do IAB – Instituto de Arquitetos do Brasil – MG como servidor do IEPHA-MG, incansável na luta pela preservação do Patrimônio Cultural Estadual.
Atualmente encontra-se aposentado do IEPHA/MG Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais.
Ministra cursos e palestras sobre Patrimônio Cultural e Educação Patrimonial.


terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

CONTOS DO PATRIMÔNIO - CASAS E PRÉDIOS -

CASAS E PRÉDIOS

Houve um dia, em que eu e minha filha ficamos presos no trânsito, dentro de um ônibus.
Sem o que fazer começamos a observar a paisagem e os prédios.
A menina, em seus seis anos me perguntou:
- Pai, como nascem os prédios? – Sorri com a pergunta da criança.
- Os prédios, minha filha, nascem como casas bem cuidadas e amadas e com o tempo, a medida que envelhecem passam a ser desprezadas e esquecidas. Então, elas crescem e viram prédios.
- Isso acontece com todas as casas? – Perguntou a menina. Pensei um pouco e respondi:
- Em alguns lugares onde os homens, mulheres e crianças aprenderam a ouvir as casas e a conviverem com elas como se fossem parte da comunidade, as casas nunca se transformam em prédios.
Com o passar dos anos ficam mais ricas de memórias e sempre jovens. São como livros cheios de histórias das pessoas do lugar. São admiradas e respeitadas.
- Que lindo... Mas por que aqui na nossa cidade isso não aconteceu? – Perguntou a curiosa criança.
- ah, filha, aqui alguns homens gananciosos fizeram com que as pessoas esquecessem a língua das casas. As pessoas estão surdas para as historias e lembranças das casas. Então, elas são abandonadas. Envelhecem tristes e em um piscar de olhos se transformam em prédios quadrados e feios onde pessoas surdas e cegas passam a viver.
- Ai, que triste pai, a gente não pode fazer nada para que as casas continuem como eram? – Perguntou minha filha lamentando.
Fiquei em silêncio por um tempo e respondi:
- A única forma de manter as casas como eram é fazendo com que as pessoas passem a ouvi-las e enxerga-las. Temos que ensinar as pessoas a ouvir e sentir as casas.
- Mas como podemos fazer isso?
- Contando as histórias das casas e das pessoas que viveram nelas. Dando um óculos para as pessoas enxergarem os detalhes das construções. Fazendo com que as pessoas lembrem de como era viver numa cidade cheia de casas. Dando uso as casas para que elas acumulem novas histórias e se mantenham como parte da cidade. As pessoas mais velhas que lembram como era viver nesse lugar podem contar aos mais jovens tudo que acontecia e como era a vida daquela época. Podemos recuperar fotos antigas da cidade para ajudar na lembrança. Assim, a população como um todo vai voltar a ouvir, enxergar e sentir as casas antigas e elas nunca envelhecerão para se tornarem esses prédios feios.
- Podíamos fazer isso aqui na nossa cidade. – Disse a menina.
Olhei para a paisagem que desfilava pela janela e respondi sério:
- Podíamos.

(Carlos Henrique Rangel).

INSTITUIÇÕES DE PROTEÇÃO E SUAS ALMAS

INSTITUIÇÕES PRECISAM DE ALMA:

 Um órgão de proteção precisa ter técnica mas também alma, espontaneidade, criatividade, vontade e autonomia para ir além e se repensar e reciclar.

Quando a alma se perde, temos uma instituição burocrática, formada por robôs profissionais que são meros fazedores do que vem de cima.
Meros apertadores de parafusos que não se pensam e nem mesmo o trabalho.
São sobreviventes zumbis.

Uma instituição do patrimônio cultural - Nacional, Estadual ou municipal - precisa ter sua própria identidade, dignidade e autonomia para decidir seu programa e atuação respeitando a diversidade cultural do seu povo.
Ouvindo, compartilhando e trabalhando junto com esse povo. (Carlos Henrique Rangel).

sábado, 25 de janeiro de 2020

UNIVERSO PROTEUS


UNIVERSO PROTEUS

Criado e organizado por Carlos Henrique Rangel

INTRODUÇÃO:


O Universo Proteus, uma brincadeira criativa iniciada na adolescência - em meados dos anos 1970 - é uma das minhas várias ilusões inventadas para sobreviver à dura realidade de um jovem.
Adulto, dei continuidade essa brincadeira que só existia em minha cabeça. 
Com o incentivo da minha filha Lara começo aqui a apresentação da minha imitação dos Universos da Marvel e DC, mas com todo um colorido brasileiro e sobretudo mineiro.
Não se esqueçam. É só uma brincadeira.



A – MUTANTES IMORTAIS


1 - ROMANO:

O primeiro mutante surgiu em 54 AC.

Durante uma batalha na Gália, entre romanos e bárbaros.

Uma grande tempestade ocorreu de repente atingindo um único soldado romano.

O primeiro mutante e o primeiro imortal com a força de 5 homens e o poder de lançar qualquer coisa ou homem para longe apenas apontando a palma das mãos.

Em 1941, com a aquisição da espada feita de mutano, pode lançar a arma no inimigo e recebe-la de volta como um bumerangue.


2 – ETERNO:

O Segundo mutante do planeta, surgiu em 1976 após uma tempestade relâmpago.

O Raio atingiu um jovem de 24 anos, que passou a ter a força de 100 homens e o corpo indestrutível.

Eterno, depois de destruir tanques e matar dezenas de soldados, se refugiou na Amazônia tornando-se líder de uma tribo indígena isolada.


3 – IMORTAL:

Imortal surgiu em 1986 durante uma grande tempestade que criou outros 2499 mutantes.

Imortal tem a força de 20 homens e é indestrutível. Se especializou em saltar a grandes distâncias. 


4 – FÊNIX:

Mutante imortal. A garota loura em fase terminal foi atingida pelo raio da tempestade de 1986, no seu leito do hospital e adquiriu o poder de voar e saltar feixes de raios pelos punhos que destroem e matam.

No entanto, após duas horas, tudo que foi destruído se reconstitui voltando em melhor condição. Os mortos ressuscitam e voltam curados de qualquer mal que por ventura tivessem antes de serem atingidos por Fênix.


5 -GLAAL:

Mutante surgida em 1986. Tem o mesmo poder do seu irmão – Galarad e seu namorado Pietro:

São viajantes/prisioneiros do Tempo. Ficam 10 anos em cada tempo do passado ou futuro.

Vencido esse prazo, são enviados para um novo local e tempo pré-definido pelo trio mas nunca o tempo de onde vieram.

Possuem -como todos os mutantes - a força de 5 homens e a partir de 1941, quando fizeram as espadas com o metal mutano, adquiriram mais poder.

Glaal, nesse mesmo ano de 1941, incorporou ao seu corpo o Graal sagrado de Cristo que se encontrava na Espanha e se tornou Imortal com poder de soltar raios focados ou em várias direções utilizando a espada.


6 – VISÃO NEGRA:

Obscuro mutante surgido em 1986.

Salta raios negros pelos olhos e é imortal. Seu corpo, quando destruído, se reconstitui em poucos minutos.

Vive na Amazônia e junto com Eterno, Cipó, Flecha, Iára e Cabelo formam os guardiões da Floresta cada um vivendo em uma região específica da Amazônia.


7 – PODEROSO:

O mutante “Copiador de Poderes” acumulou inúmeros poderes que copiava de outros mutantes. A imortalidade ele adquiriu de Imortal.

Poderes: voa, solta raios pelas mãos, teletransporte, poder de cura, poder de recuperar a natureza.

Sedento de poderes, cometeu o erro de enfrentar dezenas de mutantes da guarda Especial Tigre e foi enlouquecido pelo mutante Ilusão, sendo aprisionado no Castelo Tigre.

Cinquenta anos mais tarde, o “ladrão de Corpos” cansado de ficar pulando de corpos envelhecidos e ciente da situação de “Copiador”, invadiu a prisão se transferindo para o seu corpo  tornando-se o mutante “Poderoso”.

Fugiu da prisão e pouco tempo depois, com o aval de Mantus foi incorporado à Guarda Especial Tigre do Império Tigre.


8 – CRISTAL:

Sem dúvida, o mais poderoso dos mutantes.

Imortal surgido em 1986, Cristal tem o poder de voar, teletransportar, paralisar e - o mais importante - anular e retirar o poder dos outros mutantes.

Cristal – ser consciente e iluminado ligado a Mantus - evita intervir nas lutas dos homens e dos mutantes.

Mas em casos extremos que ameaçam o grande Plano traçado pelo Avatar da Terra – Mantus – ele intervém sempre para o lado do bem.


9 – LEÃO BRANCO:

Não é um mutante como os outros. Descendente de Faixa, recebeu o poder mágico da transformação no grande e imortal Leão Branco (de 4 metros) pelas mão do último Mago Animal, no ano de 443 da Era Tigre. Esse poder de transformação lhe deu a imortalidade, tornando-se o último  e nono imortal.


B – OS MUTANTES:

A maioria dos mutantes surgiram em 1986 durante uma grande tempestade. Todos – excetuando Eterno e Imortal – possuem força de 5 homens. Todos os mutantes imortais ou não, mantem a aparência que tinham na época da transformação.


1       1 - PROTETOR:

Protetor não é um mutante das tempestades.

Seu poder vem de um bastão de mutano encontrado em um terreno baldio que lhe deu a força dos mutantes e conhecimento de artes marciais diversas.

O Bastão é uma arma bumerangue e é o seu diferencial.

A arma se aloja em sua coxa direita e quando solicitada reaparece em luz azulada.

Protetor se dedica a proteger uma comunidade de uma favela onde mora. Compõe com Faixa e Sombra os principais expoentes dos “Mutantes do Bem”.


2 – FAIXA:

O jovem hippie atingido pelo raio em 1986, teve sua camisa sua bolsa e todas as suas 35 faixas, transmutadas em uma variante do elemento mutano e passaram a serem uma extensão do corpo do jovem, adquirindo  movimentos. A camiseta virou uma segunda pele protetora que lhe protege o tórax de qualquer arma ou perigo.

Faixa, ao longo dos anos vai se tornando um ativo mutante em defesa dos seres humanos, se envolvendo em guerras e situações que vão lhe render tantos amigos quanto inimigos.

Terá grande papel nas duas Guerras da Amazônia ao lado dos mutantes do bem e dos Guardiões da Floresta e na Guerra do Fim do Mundo – da qual restarão apenas 6 milhões de indivíduos em todo o Planeta.

No pós- Fim do Mundo e na Era Tigre, será o principal aliado de Tigre na construção do Império.


3 – SOMBRA:

Grande amigo de Faixa, esse mutante tem o poder de aderir a toda superfície: chão, paredes, muros, desaparecendo aos olhos dos inimigos.

Salta raios pelos punhos, poder adquirido numa briga com Copiador e Anjo.

A mutação lhe deu grande sensibilidade ao tempo e está sempre com frio.

Usa roupas escuras, um sobretudo e chapéu.


4 – PRATO:

Prato recebeu seus poderes de um mutante doador que transformava pessoas normais em mutantes. Usa sempre branco. Pode voar, e solta raios em forma de pratos prateados  que surgem entre os indicadores e o polegar.



5 – FADAS:

São cinco garotas de vinte anos que foram atingidas juntas pelo raio em 1986. Todas receberam os mesmos poderes de se transformarem em fadas com asas de libélula e luzes próprias e coloridas. Conseguem, com seus raios / campo de força, levantar carros, barcos, pessoas e lançarem a grande distância. São as Fadas, azul, verde, vermelha, amarela e laranja.

Ao longo dos anos, se separam e algumas partiram para o crime. A única membro dos “Mutantes do Bem” é a Fada Verde.


6 – VENTAR

O poderoso mutante Ventar é um homem que aparenta ter 40 anos. Consegue voar por meio do vento que cria em seus membros. É capaz de criar uma ventaria que pode lançar dezenas de carros a vários metros.

Utiliza o seu poder para assaltar bancos e estabelecimentos detentores de riquezas.


7 – SANTO:

O quase iluminado mutante SANTO, tem o poder de criar qualquer máquina, veículo, joias, frutos, sementes excetuando plantas vivas e seres animais.

O seu poder é idêntico ao de “Cinza” poderoso mutante que cria sua armadura cinza que lhe dá o nome.

Santo, que se veste sempre de branco, lidera uma comunidade em uma das favelas onde montou uma escola e ajuda os moradores fornecendo alimentos e objetos.


8 – CRIADOR:

Mutante que tem o poder de criar qualquer tipo de animal e até mesmo animais fantasiosos como dragões e unicórnios.


9 – CIPÓ OU VERDE:

O mutante conhecido por alguns como Cipó e por outros como VERDE é indígena e vive na Amazônia onde usa o seu poder de se transformar em uma grande massa de cipó e folhas. Voando, ataca caçadores, mineradores e fazendeiros invasores da Floresta.

Compõe os Guardiões da Floresta.


10 – TRANSPORTADOR:

Tem o poder de transportar qualquer coisa ou pessoa para qualquer parte do mundo ou do espaço entre a Terra e a Lua. 


11 – SALTADOR:

É um mutante que consegue se teletransportar para qualquer lugar ou parte do mundo.


12 – MEDUSA:

Medusa é uma mutante que consegue fazer seus cabelos crescerem e os utiliza para agarrar coisas e pessoas. Grande inimiga de Faixa.


13 – MEDUSA FAIXA:

Filha de Faixa, Medusa faixa surge 300 anos após a primeira Medusa, mas ao contrário da primeira, seus cabelos são indestrutíveis, compostos de camadas do metal mutano.


14 – FÊNIX PRATEADA:

Filha de Fênix com Tupã Faixa, tem poder de transformar seu corpo no metal mutano prateado como o seu pai.

Recebeu deste o poder se transformar em águia prateada.


15 – TUPÃ FAIXA:

Bisneto de Faixa, Tupã é um índio Maxacali e como um Mago Animal, pode se transformar em tigre, urso, águia e cavalo além de ter o poder de transformar seu corpo em metal mutano prateado.

Foi casado com Fênix por 50 anos e teve apenas uma filha.


16 – FÊNIX ELECTRA:

Fênix Electra é filha de Fênix com Faixa e tem o poder de voar, de criar chicotes de raios com os quais elimina ou aprisiona seus inimigos.


17 – SENHOR DOS SONHOS:

Seu poder é infiltrar e dominar os sonhos das pessoas que escolhe.

Grande sedutor, durante décadas atormentou Fênix, conquistando-a nos seus sonhos e levando-a a lugares como Paris, Veneza e Roma.

Mais tarde irá se casar com Fênix Prateada.


18 – APANHADOR DO TEMPO:

Esse mutante que foi transformado aos 50 anos tem a capacidade de visualizar ambientes de outros tempos e consegue roubar joalherias do passado ou galerias e museus de arte.

Seu poder vai ser muito útil na reconstrução da sociedade nos anos pós fim do mundo.


19 – FOGO:

Mutante que se transforma em tocha humana com capacidade soltar bolas de fogo e de voar. Mutante do mal.


20 – PROTEUS

Mutante que se transforma em um deus marinho com asas de arraia e rabo de golfinho. Possui um tridente que solta raios. Pode voar e quando em terra adquire pernas. Possui a altura de 4 metros. 
Seus descendentes masculinos com a Trineta de Faixa – SEREIA – possuem a sua aparência mas medem apenas 2 metros. 
As mulheres possuem a aparência da mãe, a típica sereia com poderes de paralisar os homens humanos com seus cantos.

Os descendentes de OCEANO com o bisneto de Proteus – Trinos – possuem a aparência de Proteus mas a cor azul.


21 – OCEANO:

A poderosa rainha do mar pode se transformar em qualquer ser marinho do tamanho existente ou não. Com o seu poder destruiu centenas de baleeiras japonesas e vários navios de guerra norte-americano e japoneses.

Junto com Proteus e “Controlador das Águas” transformam o oceano em um lugar limpo de assassinos e destruidores.

Oceano foi a primeira mulher de Faixa sendo substituída por Fênix.

Após a Guerra do Fim do Mundo, os dois voltaram por alguns anos mas o amor pelo mar fez com que a Rainha retornasse para seu reino.

Encontrando Proteus, os dois viveram juntos por 100 anos sem terem filhos.

Separada, um século depois conheceu o bisneto de Proteus  - Trinos - que vivia junto com os subterrâneos na “Grande Caverna Marinha”. Trinos faleceu em uma guerra local e Oceano voltou a vagar pelos mares até encontrar a Aldeia de Proteus onde passou a viver.

Fênix traiu Tupã Faixa com o seu Bisavô e esse drama causou a ruptura que levou Tupã Faixa para junto de sua parente Sereia, na Aldeia de Proteus.

Recebendo a solidariedade de Oceano que ali vivia, os dois solteiros começaram uma relação amorosa.


22 -ALIANÇA:

Mutante norte-americana com o poder de voar e soltar raios por uma aliança na mão esquerda.

No Brasil a jovem mutante se casará com Protetor e será uma importante membro dos “Mutantes do Bem”.


23 – TIGRE:

Tigre não é um mutante das tempestades. Seu poder foi herdado em 1975.

Seu tio, um importante e obscuro cientista, lhe deixou como herança, um relógio-máquina do tempo que lhe permitiu viajar pelo passado e pelo futuro. As viagens no futuro lhe prendiam no local por 20 anos e durante essas idas e vindas por várias épocas do futuro, ele foi construindo a sua fama de deus e consolidando seu império.

Sua força absurda, maior que as dos mutantes e sua eterna juventude foi resultado das dezenas de viagens.

A famosa espada foi construída durante uma destas suas viagens utilizando o metal mutano acumulado em um meteoro que viu cair.

Incentivado por Mantus, faixa e vários mutantes o ajudarão a ampliar cada vez mais esse novo paraíso na Terra.


24 – MANTUS:

O Grande Avatar da Terra está acima de todos os mutantes com poderes além da imaginação. Elevado ao grau de Avatar em 3000 AC, sua grande missão é salvar o Planeta e todos os seres.

Tudo o que acontece faz parte do seu grande plano para o Planeta.

Junto com Jime e outros “Homens de Paz” cria a “cidade de Paz”, baluarte da reconstrução do mundo com 2000 membros iniciais.


25 – MUTANTES ANIMAIS:

São o maior grupo de mutantes com poderes parecidos contando com cerca de 300 membros. Possuem a capacidade se transformarem em animais humanoides. Corpo com características humanas e cabeça de animais.

Acredita-se que o mutante animal se transforma no animal que mais se adequa a suas qualidades: há de todos os tipos: Tigres, leões, hienas, águias, cães, gatos, ratos, etc. Transformados adquirem a altura de 3 metros.

Os mutantes animais só podem ser mortos se atingidos nos olhos.


26 – MÚLTIPLO

Múltiplo é um mutantes que consegue se multiplicar em até 3000 outros. Isso lhe permitiu se espalha e viver com uma consciência coletiva e adquirir conhecimento inimagináveis ao homem comum e mesmos à maioria dos mutantes. Para se proteger,  seu original  se mantem afastado de confusões e com a criação da cidade de Paz se muda definitivamente sendo um dos  professores no Templo de Paz.


27 – PLANTAR:

Plantar, um antigo mendigo antes da tempestade, adquire o poder de reflorestar ou fazer surgir plantações em áreas desertificadas. Um importante mutante para a reconstrução do Planeta.


28 – GAYA:

Poderosa mutante capaz de levantar pedras e terras e atingir seu inimigos. Pode criar pequenos terremotos.


29 – ÁQUA:

Filha de Gaya, consegue juntar toda a umidade ao nosso redor transformando em gigantescas gotas de água que usa como arma ou para apagar incêndios.


30 -  MENTE:

O poderoso mutante Mente, consegue matar com a mente todo o ser vivo que se encontrar em um raio de 50 metros da sua pessoa.


31 – PALAVRA:

O poeta “Palavra” transforma suas palavras em imagens e quando necessário as utiliza como arma. Ao falar a palavra flechas surgem várias flechas prateadas pairando no ar e ele as lança sobre o inimigo.


32 – ATRAVESSADORA:

A mutante consegue atravessar qualquer coisa sólida ou líquida  Seu poder quase lhe confere a qualidade de imortal.


33 – FRAGMENTO:

Esse mutante consegue se fragmentar em pequenos grãos aos quais impõem grande velocidade para atacar seus opositores.


34 – AZUL:

O poderoso Azul só aparece quando seu hospedeiro adormece.

Pode voar e utiliza dois círculos azulados e brilhantes que lança aos alvos.

Pode destruir um avião ou tanque com essas armas.

Só pode ser derrotado se o seu hospedeiro for localizado e assassinado.


35 – FOGO E GELO:

A terrível mutante que tem na metade do corpo o poder de congelar e na outra o poder do fogo é impiedosa defensora do meio ambiente mas não se une aos Guardiões da Floresta.

Com a capacidade de voar, Fogo e Gelo, lança raios de fogo com sua mão direita que transforma em cinzas os seus oponentes. Com a mão esquerda, lança raios congelantes que transformam seus inimigos em estátuas de gelo.


36 – ILUSÃO:

Ilusão tem a capacidade de criar uma grande ilusão envolvendo seus inimigos em uma batalha imaginária contra inimigos imaginários, causando uma grande destruição enquanto comete seus roubos.

Seu poder é tamanho, que séculos mais tarde, derrotará o poderoso mutante “Copiador” prendendo sua mente em uma terrível ilusão.


37 – LEVITA:

A linda levita teve um caso com Faixa quando esse esteve em São Thomé das Letras. Os dois tiveram um filho: Faixa Levita.

Poder: Consegue levitar qualquer objeto de qualquer tamanho ou peso podendo leva-los à estratosfera como se fossem balões.

Em sua luta contra o exército, chegou a levitar tanques a um quilômetro de altura e deixar que caíssem ao solo. 


38 – COLOR

Color era um cientista combatente do crime que usava suas lanternas coloridas  e sua roupa que mudava de cor para afetar as visão dos seus inimigos. 
Atingido pelo raio em 1986, adquiriu o poder que a tecnologia lhe fornecia anteriormente.

Seu corpo passou a emitir as várias colorações capazes de desmaiar, matar ou paralisar os adversários.


39 – NUBLADA:

Nublada consegue se transformar em uma névoa cinza que utiliza para atacar seus opositores e para escapar de prisões.

Em alguns momentos se junta aos Mutantes do Bem.


40 – PICHE:

Piche  é um mutante que solta pelos braços uma massa negra que lembra piche e que usa para grudar seu inimigos em paredes e postes. Pode usar o piche para se locomover no alto dos prédios.


41 – FLECHA:

Mutante filho do Viajante do Tempo Galarad com uma índia Xacriabá nascido em 1685.

Seu poder é de criar flechas de fogo com o seu arco de metal que podem incendiar casas ou pessoas.

Em alguns momentos da história encontrará o seu pai prisioneiro do tempo.

Fugiu de Minas Gerais após ter assassinado o Sertanista Matias Cardoso. Junto com alguns companheiros se fixou na floresta amazônica.


42 – MUSCK:

O rapaz brasileiro criado nos Estados Unidos e sobrinho do cientista Dr. Tempus, se transforma - quando deseja – no gigante Musck, indestrutível guerreiro de armaduras douradas e grande espada dourada de mutano. 
Dr. Tempus foi o único viajante do tempo dos laboratórios da “Times” que conseguiu fugir do  ataque de Tigre e seu amigo Lince.

Desaparecendo com suas pesquisas, alguns anos depois, criou sua poderosa máquina do tempo – uma evolução dos relógios do tempo.

Junto com Musck, criou uma comunidade de 120 membros nas savanas da Etiópia do ano 3500 AC, de onde continuou a fazer sua excursões ao passado, presente e futuro.


43 – TATOO:

Tatoo tem o poder de transformar suas tatuagens em coisas e seres tridimensionais prateada.

A primeira delas, a água em seu peito o salvou de um ataque de seu grande inimigo NAZI.

Mais tarde, cria uma espada no braço esquerdo. Um tigre na perna direita, uma cobra no tornozelo esquerdo e um cavalo alado na coxa esquerda.


44 – SONHADOR:

Esse mutante viajante do tempo, ao dormir consegue transferir sua mente para o corpo de um jovem da sua idade que vive em um tempo e lugar escolhido. Durante uma noite ele vive toda a vida do jovem do passado.

Seu encontro com os Viajantes do Tempo inicia uma grande amizade que vai se consolidando com os encontros no passado ou no futuro, que agendam previamente entre si e com o imortal Romano.


45 – PRATEADO:

Mutante norte-americano de longos cabelos prateados. Tem o poder de voar criando um disco cilíndrico sob os pés e de fazer desaparecer em grãos prateados - apontando as mãos - qualquer elemento ou coisa excetuando objetos feitos de mutano.

Prateado terá um papel decisivo no resgate de Faixa que, sequestrado por mutantes animais ficou aprisionado no Pentágono, onde passou por várias torturas para que revelasse a localização e a identidade dos “Mutantes do Bem”.


46 – BOLHA:

Mutante que cria duas bolhas de energia indestrutíveis de 3 metros de diâmetro, que utiliza para destruir coisas e pessoas. Sempre se protege dentro de uma destas bolhas ovaladas.

É um grande inimigo do “Mutantes do Bem”.


47 - TORRENTE:

Mutante que se transforma em uma torrente de água afogando seus opositores.


48 – FALCÃO:

Mutante que se transforma em um falcão marrom. Somente descobriu seus poderes em 2005.


49 – CURADORA:

Mutante que pode curar qualquer ser com as mãos.


50 – ARTHUR:

Esse mutante adquiriu o seu poder ao encontrar a lendária espada Excalibur que lhe deu poderes parecidos com os dos mutantes das tempestades. Arthur criará um grande reino na África de pós-fim do Mundo.



51 – ATENA:

Filha de Arthur, Atena se transforma em uma guerreira que utiliza um arco que lança flechas capazes de desintegrar pessoas e coisas. 


52 – SIOUX:

O Mutante nativo norte-americano tem o poder de parar o tempo por um minuto e com isso pode matar seus inimigos paralisados.

Seu poder alcança um raio de 100 metros.

Lidera a tribo Sioux que sobreviveu à Guerra do Fim do Mundo.

No futuro, casará com a filha de Sombra e Atravessadora – Transp – que possui os poderes dos pais.


52 - LUNA:

A garota Luna pode voar e soltar raios pelas mãos. Infelizmente, só pode utilizar seus poderes nas noites em que a Lua aparece. Na Lua cheia seu poder alcança o auge. 

Luna se relacionará no futuro com “Palavra” que conhecerá em uma noite na cidade do Rio de Janeiro.


53 – NAZI:

Esse punk racista e agressivo, lidera de uma gangue de mutantes animais é o grande inimigo de Tatoo.

Seu poder: Atira tachas de mutano pontudas de suas luvas que se tornaram permanentemente parte do seu corpo.


54 – NAGUIR:

Naguir é um príncipe alienígena de cor negra que caiu no Brasil com sua nave ao fugir de um golpe no Império Nagô, que assassinou o Imperador - seu irmão.

Sua roupa tecnológica – sua criação - lhe protege o corpo de ataques de raios laser e outras armas e lhe permite voar.

Utiliza um pequeno cartucho que solta raios e que pode se ampliar virando um bastão que ao tocar o adversário, solta descargas fatais.

Naguir será um grande aliando dos “Mutantes do Bem”.

No pós-guerra do fim do Mundo ao enfrentar Snaik, será teletransportado para o Planeta Limbo onde já se encontravam  Prato, Aliança e outros 20 mutantes. Cerca de 500 humanos também foram encaminhados para Limbo pelos raios de Snaik.

O próprio Snaik acreditava que os seus raios desintegravam seus adversários. Morreu sem saber a verdadeira dimensão dos seus poderes.

Limbo fica do outro lado da Galáxia o que impede o retorno dos transportados.





25 de janeiro de 2020.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

CURSOS E PALESTRAS REALIZADOS NOS ANOS 2017,2018,2019

CURSOS E PALESTRAS
REALIZADOS POR CARLOS HENRIQUE RANGEL

CURSOS E PALESTRAS EM 2017




 CURSO E PALESTRAS EM 2019

domingo, 15 de dezembro de 2019

PEÇA TEATRAL "A MATRIZ"


PEÇA TEATRAL


A MATRIZ

Autor: Carlos Henrique Rangel



NARRADOR:

Em uma cidadezinha não muito distante, igual a tantas existentes neste nosso Brasil, vivia uma comunidade pacífica e ordeira, feliz com seus pequenos prazeres: a conversa na calçada, a missa na Matriz, o passeio que se seguia após o culto e é claro, as festas regionais. Praticamente a vida do lugar acontecia na praça da Matriz onde todos se encontravam. A Matriz, com suas duas torres era a presença mais marcante há quase trezentos anos. Símbolo da religiosidade local acompanhava a vida de todos com sua grandiosidade e imponência.

Esse símbolo adorado e reverenciado por todos tinha o seu benfeitor. Na verdade, uma família de benfeitores que há cem anos cuidava da Matriz, trocando telhas quebradas, pintando, limpando. O último membro desta antiga e rica família de comerciantes era o Sr. Israel Ferreira do Amaral Neto, conhecido por todos pelo carinhoso apelido de IFAN. E este rico e respeitado senhor durante cinquenta anos cuidou da Matriz como se fosse um filho que nunca teve. No entanto a riqueza acumulada em décadas pela família Ferreira do Amaral, que parecia inesgotável foi se dissipando em negócios mal feitos e o Sr. IFAN chegou à velhice praticamente pobre.


Essa pobreza seria apenas um drama familiar se não houvesse um grande porém: a Igreja Matriz... Com recursos limitados que mal davam para o sustento de sua casa, o Sr. IFAN não pôde mais cuidar da Igreja. As telhas não eram mais trocadas, a pintura não era renovada, os vidros quebrados continuavam quebrados.

A pacata comunidade assistia à degradação do seu bem mais precioso sem entender o que acontecia.



CENA 1:

Grupo de pessoas olhando a fachada da igreja Matriz.


VELHO MANUEL:

-      Olha, o vidro está quebrado – disse mostrando a janela da fachada principal da Matriz.


D. MARIA:

-      Eh, isso é horrível, Onde está o Sr. IFAN que não resolve este absurdo? – Exclamou Dona Maria escandalizada com a situação do velho templo.

VELHO MANUEL:

-      Está toda se perdendo... Coitada da nossa Igreja... – resmungou o velho Sr. Manuel que passava com uma de suas netas.



PADRE JOSÉ:

O padre José que estava na porta ouviu o comentário e balançou a cabeça triste.



-      O telhado está todo cheio de furos... Quando chove, a igreja vira uma piscina... – Disse olhando para a janela.


PIPOQUEIRO JORGE:

-      Isto não está certo, o Sr. IFAN não podia ter deixado isto acontecer... – Protestou Jorge, o pipoqueiro da Praça.



D. MARIA:

-      Concordo com o senhor... Isto é desleixo. Temos que fazer alguma coisa. – Disse Dona Maria.



VELHO MANUEL:

-      Vamos lá na casa dele agora resolver isto de uma vez por todas. – Disse o Sr. Manuel.



PADRE JOSÉ:

-      Isso mesmo vamos todos nós até a casa dele. – Falou o Padre José se adiantando.



NARRADOR:

E assim o pequeno grupo se dirigiu à mansão dos Ferreira do Amaral para tomar satisfação do solitário Sr. IFAN.

Foram recebidos pela velha criada da família que se assustou com a visita inesperada.



CENA 2 :

Dividida em dois ambientes:

Sala da casa do Sr. IFAN.

No canto do palco cama com o Sr. IFAN deitado.

Grupo formado pelo Padre José, D. Maria, Pipoqueiro Jorge e Velho Manuel recebido pela empregada Tia Nenê.



TIA NENÊ:

-      Padre José, Sr. Manuel, Dona Maria... Já ficaram sabendo? – Espantou-se a Tia Nenê.



PADRE JOSÉ:

-      Sabendo de que mulher? – Perguntou o padre sem entender.



TIA NENÊ:

-      Ih... O Sr. IFAN, coitado, está doente há cinco dias... Não sai da cama... – Disse ela abrindo a porta para que a comitiva entrasse na sala.



VELHO MANUEL:

-      Não sabíamos... A verdade é que viemos por outro motivo. Precisamos falar com ele...



PADRE JOSÉ:

-      Calma Manuel... O pobre homem está doente... – Disse o Padre colocando a mão no ombro do homem.



TIA NENÊ:

-      Olha, se a coisa é urgente, eu vou falar com ele para ver se pode recebê-los. – Disse Tia Nenê aflita.



PADRE JOSÉ:

-      Não sei não... Será que a gente não poderia resolver isto outro dia... – Lamentou o Padre José.



VELHO MANUEL:

-      Não, nada disso. Vamos resolver tudo agora mesmo, ou o senhor esqueceu do estado triste em que está a nossa querida Matriz? – Falou o Sr. Manuel um pouco alterado.



TIA NENÊ:

-      Olha, eu vou falar com ele e volto já. – Disse Tia Nenê saindo rapidamente.



Contexto:

Tia Nenê se dirige à cama onde o Sr. IFAN está deitado. Voltou logo depois pedindo que todos que a acompanhem ao quarto do velho Sr. IFAN.



TIA NENÊ:

- Tudo bem, podem vir.



Contexto:

O grupo encontrou o Sr. IFAN deitado, com o rosto branco como cera e os finos cabelos brancos desgrenhados.



Sr. IFAN:

-      Oh meus amigos, desculpem recebê-los assim... A gripe me derrubou... Nada muito grave... A que devo a honra dessa visita? – Perguntou o polido Sr. IFAN.



PADRE JOSÉ:

-      Olha Sr. IFAN lamentamos muito incomodá-lo neste momento, mas temos algo muito sério para tratar. – Disse o Padre José com o semblante carregado.



Sr. IFAN:

-      Por favor, sentem–se estou doente, mas não estou morrendo. – Falou o Sr. IFAN.



Contexto:

O grupo se acomodou nas cadeiras espalhadas pelo quarto e um pequeno silêncio ocupou o espaço por alguns segundos. Foi Dona Maria que o quebrou.



D. MARIA:

-      É sobre a Matriz... Sabe Sr. IFAN, ela está terrível com furos no telhado, vidros quebrados, imagens com cupim... – Disse ela timidamente.



VELHO MANUEL:

-      É... Ela está horrível, daqui a pouco cai. – Exagerou o Sr. Manuel.



PIPOQUEIRO JORGE:

-      É isto mesmo, está suja quebrada e o que o senhor vai fazer? – Perguntou o Pipoqueiro.



Sr. IFAN:

-      Olha meus amigos, o que eu posso fazer? - disse ele mostrando a cama.



PADRE JOSÉ:

-      O que o senhor pode fazer? Ora Sr. IFAN, o Senhor tem que dar um jeito nisto. – Disse o Padre José.



Sr. IFAN:

-      Eu? Olhem para mim. Olhem para minha casa... Estou velho, velho e pobre. Mal, mal tenho recursos para sustentar-me e a está pobre Tia Nenê... – Lamentou IFAN.



VELHO MANUEL:

-      Mas o senhor sempre cuidou da Igreja. O senhor e toda a sua família... – Rebateu o Sr. Manuel.



Sr. IFAN:

-      Eu sei disso. E olha que é com muito pesar que admito que não tenho condições de cuidar mais dela. – Falou o velho e doente senhor.



VELHO MANUEL:

-      Mas isto não está certo. Tem que cuidar sim senhor – Gritou o Sr. Manuel.



Sr. IFAN:

-      Meu amigo, você mais do que eu, sabe do amor que minha família sempre teve pela igreja, mas ela nunca foi nossa. A Matriz é de toda a cidade. – Disse IFAN.



D. MARIA:

-      A onde o senhor quer chegar? Perguntou Dona Maria.



Sr. IFAN:

-      À verdade. A Matriz é responsabilidade de todos nós, não de uma família...



PADRE JOSÉ:

-      Mas vocês sempre fizeram tudo sozinhos... – Disse o Padre.



SR. IFAN:

-      É verdade, foi um grande erro e só agora nesta situação difícil que percebi isto. – Disse IFAN.



PIPOQUEIRO JORGE:

-      Mas se o senhor não pode cuidar, quem vai cuidar? – Perguntou o pipoqueiro.



Sr. IFAN:

-      Ela não é de todos? Então todos vão cuidar...- Falou o doente com a voz rouca.



VELHO MANUEL:

-      Mas não temos dinheiro... – Falou o Sr. Manuel levantando-se.



Sr. IFAN:

-      É verdade, individualmente somos todos pobres e o conserto da nossa querida Igreja é caro...Mas juntos... Juntos podemos muito. – Disse o Sr. IFAN.


PADRE JOSÉ:

-      Como? Não entendi. – perguntou o Padre José.



Sr. IFAN:

-      É simples, vamos buscar os recursos na comunidade. – Falou IFAN sentando-se na cama.



D. MARIA:

-      Buscar como? – Perguntou Dona Maria.



Sr. IFAN:

-      Ora, vamos criar comissões... O Padre José pode organizar um leilão...



PADRE JOSÉ:

-      Leilão de que Sr. IFAN, a Igreja não tem nada para leiloar... – Riu o Padre.



Sr. IFAN:

-      Leilão das coisas que vamos recolher da comunidade... Um leitão do Sr. Pedro fazendeiro, uma cesta de frutas do pomar da Dona Maria, uma toalha bordada da Dona Rita...



PADRE JOSÉ:

-      Que ótima ideia Sr. IFAN, eu conheço muita gente que pode oferecer coisas interessantes. – Falou radiante o Padre José.



D. MARIA:

-      Podemos fazer barraquinhas... Vender pastéis após a missa. – Disse Dona Maria sorrindo.



VELHO MANUEL:

-      Isso mesmo. Dona Maria fica encarregada de montar a comissão das barraquinhas, Jorge conhece muita gente e pode ficar encarregado de recolher objetos para o leilão junto com o Padre...- Falou o Senhor Manuel.



PADRE JOSÉ:

-      E o senhor, o que vai fazer? – Perguntou Padre José ao velho Manuel.



VELHO MANUEL:

-      Vou procurar os pedreiros e marceneiros e explicar o problema... Pedir o apoio deles. – Falou o Senhor Manuel.



PADRE JOSÉ:

-      Que ótimo. Então vamos logo resolver isto. – Gritou o Padre José levantando-se. Os outros o seguiram radiantes. O grupo se despediu do doente e foi tratar dos assuntos.



NARRADOR:

O Padre José aproveitou a hora da missa para convocar voluntários e o apoio de toda a comunidade. Não demorou muito para que todos contribuíssem com alguma coisa ou com alguma atividade. O Senhor Haroldo da Gráfica fez os convites que foram espalhados por toda parte convocando para o leilão em prol da Matriz e para as barraquinhas na Praça. Em dez dias tudo estava pronto. No domingo de manhã aconteceu o leilão regado à fogos de artifício e balões. À noite as barraquinhas fizeram a festa como nunca havia se visto na cidade. Na Praça toda colorida de bandeirinhas multicores e de toldos brancos das barracas oferecia-se de tudo um pouco: pastéis da Dona Nhonhô, toalhas de renda da Dona Rita, bijuterias da Martinha... E tinha bebidas: refrigerantes e cervejas... Uma festa. Tudo e todos pela Matriz era o lema.

Praticamente todo mundo participou, até mesmo o senhor IFAN, coitado, ainda gripado.

O dinheiro arrecadado não foi muito, mas permitiu o início das obras realizadas por técnicos especializados. Logo alguém teve a ideia de vender santinhos e postais para conseguir mais dinheiro. O Sr. Alfredo do mercado ofereceu camisetas com estampas da igreja, um sucesso. Os pastéis de Dona Nhonhô viraram mania da cidade... Mas ainda era pouco.



CENA 3:

Reunião Semanal da Comissão. Todos reunidos. Cadeiras voltadas para o público.



VELHO MANUEL:

-      Gente do céu! E os santos? Como ficam os santos? - Perguntou na reunião semanal da Comissão.



D. MARIA:

-      É mesmo, a Santa Rita está toda carunchada, coitada! – Disse D. Maria.



PADRE JOSÉ:

-      Não é só ela não, o São José parece um queijo suíço de tão esburacados. – Falou o Padre José.



PIPOQUEIRO JORGE:

-      Oh gente! Está aí a solução. – Falou levantando com os olhos brilhantes de euforia.



PADRE JOSÉ:

-      Que solução? – Perguntou Padre José.



PIPOQUEIRO JORGE:

-      Ora, não estão vendo? Muitas meninas, moças e senhoras chamam-se Rita por causa da Santa Rita...



PADRE JOSÉ:

-      É mesmo. Muitos homens chamam-se José por causa do São José... – Falou o Padre José.



Sr. IFAN:

-      Entendi. Vamos procurar as Ritas e os Josés. – Falou o Sr. IFAN.



NARRADOR:

E assim a Comissão dos santos saiu pelas ruas da cidade visitando as Ritas e os Josés pedindo ajuda para restaurar as imagens. 

CENA 4:

D. Rita pendurando roupas no varal.



D. MARIA:

-      Olá Dona Rita, como vai? – Perguntavam:



D. RITA:

-      Vou bem...



D. MARIA:

-      Sabe Dona Rita, A senhora chama Rita por causa da imagem de Santa Rita, não é?



D. RITA:

-      É sim...



D. MARIA:

-      Pois então, a Coitada da Santa está lá toda cheia de cupim... Precisa ser restaurada. Quanto a senhora pode dar para ajudar a Santa?



NARRADOR:

E assim fizeram com o São José, com o Santo Antônio, com tantos outros santos. Restauraram as imagens com a ajuda das Marias, dos Joãos, das Ritas e dos Josés.

A igreja vivia cheia de gente querendo ajudar ou assistir as obras. Os professores das escolas levavam os alunos para verem os trabalhos em horários pré-determinados e os restauradores prestativos explicavam tudo. Todos ajudavam e aprendiam ajudando.

Mas havia o forro. O belo forro rococó da Matriz fora muito danificado pelos anos de goteira.



CENA 5:

Reunião da Comissão Semanal. Todos sentados em cadeiras voltadas para o público.



VELHO MANUEL:

-      Gente! Agora é o forro, olha só o estado dele. – Disse o Sr. Manuel apontando para o alto.



PIPOQUEIRO JORGE:

-      Agora ficou difícil, não conheço ninguém que se chama forro... – Brincou.



D. MARIA:

-      Engraçadinho. Se não tem ninguém tem todo mundo... – Disse Dona Maria.



PIPOQUEIRO JORGE:

Pensaram um pouco em silêncio e Jorge que fizera a brincadeira teve uma ideia.



-      E se a gente fizesse um desenho do forro e dividisse em pedaços iguais. Podíamos vender os pedaços...

PADRE JOSÉ:

-      Que ideia ótima. – Gritou o Padre José.



NARRADOR:

E isto foi feito. Fizeram o desenho do forro e saíram oferecendo a todos.

Conseguiram restaurar o forro com a ajuda de todos.



CENA 6 - CENA FINAL

Dia da inauguração dentro da Igreja:

No dia da inauguração as pessoas apontavam para certos lugares no forro sorrindo.



VELHO MANUEL:

-      Está vendo aquele pedaço ali, foi eu que ajudei a restaurar. – Disse.



D. MARIA:

-      Grande coisa, aquele outro ali foi eu. – Falou Dona Maria rindo.



NARRADOR:

Foi uma grande festa na cidade quando as obras terminaram. A igreja brilhava de tão bonita. A Praça estava toda enfeitada... Fogos de artifício coloriam o céu. As mulheres vestiram suas melhores roupas. Os homens pareciam noivos de tão elegantes. O Padre José parecia o rei da festa de tão feliz. A pacata cidade que sempre era muito calma e feliz estava mais unida do que nunca. A Igreja que sempre fora adorada por todos, agora era de fato de todos. E este sentimento se espalhou para todos os lugares da cidade. Agora os casarões eram de todos, a praça era de todos, as cachoeiras, as árvores, as festas...Um sentimento comunitário de respeito por tudo imperava.

O Sr. IFAN?

Sarou da gripe e passeava todas as tardes de braços dados com Tia Nenê. Continua muito respeitado por todos.



PADRE JOSÉ:

- VIVA A IGREJA MATRIZ! – Grita o Padre.



TODOS:

- VIVA!

VELHO MANUEL:

- VIVA A COMUNIDADE!


TODOS:

- VIVA!



FIM