PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 19 ANOS

PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 19 ANOS

sábado, 21 de maio de 2011

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL - PROJETOS

PROJETOS DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL




A ESTAÇÃO CENTRAL DO RECIFE NOS TRILHOS DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL:

http://www.eca.usp.br/turismocultural/6.Esta%C3%A7%C3%A3o_Central_Recife_Josilene.pdf






RELATÓRIO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL EM PIRANGUINHO:
http://issuu.com/phcpiranguinho/docs/relatorio-educacao-patrimonial-piranguinho


Programa Regional de Educação Patrimonial da Fronteira Meridional


do RS (Memoriar).


Relatório Final (1ª parte): cidades de Aceguá, Arroio Grande, Bagé, Capão do Leão, Cerrito e Jaguarão:
http://www.ufpel.edu.br/ich/memoriaemrede/wp/wp-content/uploads/2010/09/CERQUEIRA_Fabio.pdf


IDENTIDADE E HISTÓRIA

http://www.posgrap.ufs.br/periodicos/revista_forum_identidades/revistas/ARQ_FORUM_IND_1_2/GT_03.pdf


EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NO CEMITÉRIO:

http://biblioteconomiaepatrimonio.blogspot.com/2008/06/educao-patrimonial-no-cemitrio-da-santa_24.html

quarta-feira, 18 de maio de 2011

PATRIMÔNIO CULTURAL - HOSPITAL DE ENTRE RIOS

HOSPITAL CASSIANO CAMPOLINA



INFORME HISTÓRICO
Autores: Carlos Henrique Rangel, Cristina Pereira Nunes e Lilian Oliveira


Introdução


Desde os primeiros agrupamentos humanos, o cuidado com os doentes sempre foi visto como uma responsabilidade da vida comunitária. Inicialmente as organizações religiosas da antiguidade assumiram para si o cuidado dos enfermos. No entanto o surgimento de instituições médicas especificamente dedicadas ao abrigo e tratamento de doentes aconteceu em Roma, ainda que os motivos fossem econômicos e militares.

Com a ascensão do cristianismo, surgiram os primeiros hospitais de caridade, que combinavam as funções médicas e sociais. Posteriormente as atribuições foram claramente definidas principalmente no século XII, em Constantinopla (Império Romano do Oriente), onde o hospital adquiriu um caráter institucional, apresentando serviço de ambulatório e enfermarias cirúrgicas.
No ocidente , o desenvolvimento do hospital como instituição foi mais lento. A maneira como as ordens monásticas medievais cuidavam de seus irmãos doentes, influenciaram a sociedade , uma vez que estendiam a assistência aos peregrinos e viajantes.
Aos poucos, a iniciativa na criação de estabelecimentos hospitalares foi se diversificando. Reis , rainhas, clérigos poderosos, comerciantes ricos, irmandades e a municipalidade passaram a assumir instituições, visando o atendimento de doentes, pobres, velhos e indigentes sem contudo perder o caráter filantrópico e espiritual característico do período medieval.


Mudanças sociais e a prosperidade das cidades afetaram a organização das instituições. As autoridades municipais passaram a assumir a administração dos hospitais, cabendo à igreja o atendimento aos enfermos.
A partir do século XVII, a concepção do hospital como local para tratamento de doentes foi ampliada, passando a ser utilizado como centro de estudos e ensino de medicina. Nos séculos XVIII e XIX, influências políticas e sociais favoreceram o desenvolvimento de hospitais em toda a Europa e Estados Unidos, principalmente em função do mercantilismo. A questão da saúde passou a ser vista como uma questão nacional de desenvolvimento. Ainda assim, os hospitais fundados neste período não foram empreendimentos governamentais, sendo frutos dos esforços voluntários de cidadãos, doações e subscrições.
No Brasil, durante o período colonial até meados do século XIX, a assistência hospitalar ficou a cargo de instituições como as Santas Casas de Misericórdia e unidades filantrópicas ou militares. A partir da segunda metade dos oitocentos, surgiram as primeiras casas de saúde particulares no Rio de Janeiro com finalidades terapêuticas e até mesmo lucrativas, que influenciam na reorganização das Santas Casas de Misericórdia, devido principalmente à disciplinização do ambiente hospitalar e eficiência do funcionamento .
Neste contexto, se insere o hospital Cassiano Campolina, nascido da visão do grande fazendeiro Cassiano Campolina, que juntamente com seus amigos e colaboradores resgatou o espírito filantrópico e humanitário que permeou a história das instituições hospitalares, aliando-o à medicalização e organização.


O hospital de Entre Rios de Minas, representa juntamente com o antigo Instituto do Radium (Hospital Borges da Costa) em Belo Horizonte, um testemunho da modernização médica mineira nos primeiros anos da década de 20. Sua importância se destaca ainda mais por ser o único em funcionamento, mantendo praticamentente intacto o belo projeto arquitetônico de Edgar Nascentes Coelho.


Cassiano Campolina , o fundador


Filho do Major José Caetano da Silva Campolina e de D. Francisca de Paula Ferreira, Cassiano Antônio da Silva Campolina, nasceu no antigo distrito de São Bras do Suaçuí, em 10 de julho de 1836.
Aficcionado por cavalos e encenações das Cavalhadas, tornou-se conhecido por possuir em sua fazenda do Tanque, os melhores animais da região.

Segundo Sérgio Beck, por ocasião da inauguração da linha férrea de Queluz (Atual município Conselheiro Lafaiete), Cassiano Campolina ficou encarregado da organização e comando do Partido Cristão da Cavalhada realizada para homenagear D. Pedro II, presente ao evento. Neste dia no entanto, a esperada vitória dos cristãos não ocorreu. Os mouros comandados por outros fazendeiros, emocionados com a visita do soberano, venceram a competição. Cassiano assumiu a responsabilidade pela derrota do Partido Cristão, atribuindo-a ao fato de serem seus animais quase exclusivamente de andadura, prometendo obter animais mais fortes para uma desforra no futuro. A partir de então, passou a selecionar cavalos visando não só às competições da Cavalhada, mas ao comércio. Percebeu o mercado para animais de maior porte e agilidade, destinados principalmente à tração e a montaria. Depois de vários anos de percistente trabalho, de seleção através de cruzamentos de várias raças, surgiu na Fazenda do Tanque, o cavalo denominado “Campolina”, nova raça de grande porte, agilidade e força, que atendia as exigências do mercado nacional .


Quando faleceu, em 26 de julho de 1904, Cassiano Campolina era um conceituado fazendeiro, solteiro e sem herdeiros diretos, rico em posses e amigos.


O Testamento


Algum tempo antes de sua morte, na Fazenda do Tanque, Cassiano teria confidenciado a seu amigo Joaquim Pacheco de Resende, que em seu testamento havia constituído a ele e a João Ribeiro , seus herdeiros universais. Surpreso, Joaquim Pacheco pediu a anulação do testamento solicitando outro, no qual os bens estariam destinados à fundação de um hospital em Entre Rios.


Acatando a sugestão do amigo, no dia 22 de fevereiro de 1903, Cassiano fez e assinou novo testamento, deixando a maior parte de seus bens para a construção de um grande hospital que levaria seu nome, destinado a suprir a carência do município e da região.


Conforme o documento, foram nomeados testamenteiros, em primeiro lugar, João Ribeiro de Oliveira e em segundo e terceiro respectivamente, João Baptista de Oliveira e Sousa e o Tenente-Coronel Joaquim Pacheco de Resende. Para a fundação, instalação e patrimônio do Hospital Cassiano Campolina, foram destinados todo o dinheiro em “moeda metálica, papel, apólices do governo e quaesquer outros títulos públicos ou particulares que representem valor pecuniário”, somando 750 : 000 $000. A execução da obra ficaria a cargo da Associação do Pão de Santo Antônio e no caso de sua extinção, o testamenteiro convidaria trinta homens “de reconhecida probidade” para elegerem o Provedor dentre os testamenteiros. Para o orçamento e planta do edifício e suas dependências ficaria reservado em apólice a quantia necessária para o patrimônio que seria inviolável, usando-se os juros para a sua conservação e custeio. A administração seria exercida por seculares eleitos pelo Conselho.


Na visão do benfeitor , o Hospital, sem fins lucrativos, atenderia qualquer enfermidade , inclusive a loucura. Os pobres receberiam tratamento gratuito, tendo preferência na admissão, em primeiro lugar, os do município de Entre Rios, os do Estado de Minas Gerais e por último o de outros Estados da União e os estrangeiros. Os doentes que pudessem pagar teriam acomodações decentes e separadas, a preços módicos.



Quanto a posse da Fazenda do Tanque, sua grande propriedade, Cassiano Campolina resolveu:

“Deixo em legado ao meu testamenteiro o Tenente-Coronel Joaquim Pacheco de Rezende ou a seus filhos, si eu a elle sobreviver, a minha fazenda denominada - Tanque - com os seus retiros e bem-feitoria, moveis, animaes de criar e de trabalho nella existentes, por occasião de meu fallecimento (excepção de alguns objetos, que deixo como lembraça material e que constarão de uma lista que deixo separada deste), como onus delle legatario ou seus successores, entrarem com a quantia de 250:000$000,livres de direitos nacionaes, em 10 prestações eguaes e annuaes, sendo a primeira no primeiro mez de Janeiro, logo depois do meu fallecimento e as demais nos Janeiros seguintes, cujas prestações serão incorporadas ao fundo patrimonial do Hospital, creado por disposição deste testamento; e si o legatario ou seus sucessores não acceitarem o legado assim clausulado, serão os ditos immoveis, moveis e semoventes vendidos em hasta publica, podendo os terrenos e os animaes serem divididos em lotes afim de facilitar a acquisição dos licitantes, e o producto da venda terá o mesmo destino acima indicado, isto é, será incorporado ao fundo patrimonial do Hospital, deixado por disposição deste testamento.”



A Irmandade


Após a sua morte, pouco mais de um ano depois da elaboração do testamento, iniciaram-se os esforços para fazer cumprir os desejos do grande criador de cavalos.
No dia 24 de agosto de 1904, em reunião realizada na casa do testamenteiro João Ribeiro de Oliveira, os irmãos da Associação do Pão de Santo Antônio, votaram pela desistência dos encargos solicitados em testamento por Cassiano Campolina, considerando principalmente que a organização e fundação de um hospital de caráter leigo extrapolava as suas funções estritamente religiosas. Uma vez que o documento previa a nomeação de trinta homens para assumirem as funções em caso de empedimento da associação do Pão de Santo Antônio, ponderaram que não havia prejuízo ao intento humanitário.


Cinco dias depois foi realizada uma nova reunião para a organização da Irmandade encarregada da construção do Hospital Cassiano Campolina. Aurélio Ribeiro de Oliveira apresentou um projeto de Estatutos que após discussão, foi aprovado e transformado em lei pelos vinte e quatro irmãos presentes.
Pelos Estatutos, o futuro Hospital Cassiano Campolina teria como fim, prestar socorros médicos-cirúrgicos aos doentes pobres que o solicitassem, dando preferência em primeiro lugar aos da cidade e município de Entre Rios, em segundo aos de outros pontos do Estado e em terceiro e quarto lugares aos outros Estados e aos estrangeiros. O Hospital prestaria socorros aos doentes que pudessem tratar-se em seus domicílios e àqueles que pudessem pagar e quisessem utilizar os seus serviços mediante pequena remuneração.


O patrimônio da nova instituição hospitalar e tudo sobre ele, ficaria a cargo da Irmandade constituída por trinta homens escolhidos pelo Testamenteiro, com cargo vitalício, perdendo o lugar por morte, renúncia, “condenação em pena infamante” e ou em caso de incapacidade física ou moral. Os novos irmãos seriam eleitos secretamente por maioria absoluta de votos.
O hospital seria administrado por uma diretoria composta de um Provedor, um Secretário, um Tesoureiro e oito irmãos, constituindo a “Mesa Administrativa”. Ao Provedor e Presidente da Mesa caberia dentre outras atribuições, presidir e dirigir as sessões da Irmandade e da Mesa Administrativa, representar a Irmandade em juízo ou fora dele, fiscalizar os encargos do Tesoureiro e Secretário, executar e fazer executar os Estatutos e deliberações da Irmandade.
Esta Mesa Administrativa passaria a se reunir no segundo domingo de cada mês, para discutir assuntos relativos à Administração da Irmandade.


Segundo os Estatutos o patrimônio do Hospital ficou constituído por imóveis que dessem renda e por fundos públicos da União e do Estado de Minas, divididos em duas partes. Uma disponível a juízo da Mesa Administrativa ou da Irmandade e outra denominada patrimônio inviolável, formado por bens imóveis que dessem renda ou por fundos públicos inalienáveis doados ao Hospital pelo fundador e outros. O legado de Cassiano Campolina, seria convertido em apólices inalienáveis do Estado, deduzida a parte necessária para a fundação do Hospital. A receita adviria dos juros de apólices e títulos diversos, alugueis, pensões de doentes, renda da farmácia , donativos, subvenções dos poderes públicos e dinheiro em conta corrente.
Para a construção do Hospital foi criada uma Comissão, composta pelo Provedor, Tesoureiro, Secretário e mais um irmão, que teriam de prestar contas mensalmente à Mesa Administrativa, podendo despender 300:000$000, ( trezentos contos de réis).
Nesta primeira reunião da Irmandade na qual se aprovou os Estatutos, foram eleitos para a Mesa Administrativa o Monsenhor Antônio da Silva Leão como Provedor, Aurélio Ribeiro de Oliveira como Tesoureiro e Alfredo Ribeiro de Oliveira como Secretário. Para compor a Comissão Construtora designaram o Dr. Arthur Ribeiro de Oliveira . Para mesários foram nomeados o Dr. Balbino Ribeiro da Silva, João Ribeiro de Oliveira, João Baptista de Oliveira e Sousa, Tenente-Coronel Joaquim Pacheco Resende, Com. dor Francisco Ribeiro de Oliveira, Coronel, Joaquim Ribeiro de Oliveira, o major Francisco Bernardes de Moura e Esperidião Ribeiro de Oliveira.



A construção do Hospital



Em 3 de janeiro de 1905, a Mesa Administrativa, visando a construção do Hospital, adquiriu por 1:500$ 000, o sobrado e terrenos do irmão João Baptista de Oliveira e Souza, situados na Rua da Batalha. Os terrenos anexos foram comprados mais tarde, a Herculano Pacheco, Mariano Vaz e outros.


Em 26 de dezembro de 1905, a sessão extraordinária da Irmandade aprovou a proposta do mesário Dr. Balbino Ribeiro da Silva para elaboração de um contrato entre a Irmandade e a Câmara Municipal, para trazer a água potável à cidade, necessária para a construção e manutenção do Hospital, despendendo para esse fim a quantia de 60:000$000. Nesta reunião aprovou-se a autorização para que a Comissão Construtora iniciasse a contratação dos serviços para a elaboração da planta e orçamento do Hospital, podendo dispor da quantia máxima de R. 5: 000$000.



O Dr. Arthur Ribeiro , membro da Comissão Construtora, contratou os serviços do renomado arquiteto Edgar Nascentes Coelho para a elaboração do Projeto que foi concluído em 6 de março de 1906, “satisfazendo todos os requisitos da sciencia médico cirúrgica e da hygiene” Visando o início das obras, foi assinado no mês de julho de 1906, um contrato de locação de serviços com Marçal Pacheco de Souza para o fornecimento de oitocentos mil tijolos. A pedra fundamental do edifício foi solenemente lançada em 6 de dezembro do mesmo ano.


O contrato com a Câmara Municipal foi lavrado nas notas do Cartório do 1º ofício em 12 de janeiro de 1906, obedecendo as cláusulas contidas na Lei n.º 108 de 15 de janeiro do mesmo ano. Para os serviços de abastecimento d’água, a Câmara contratou Dr. Ludgero Dolabella, que captou a água da Serra do Gambá a 10 250 metros. Os trabalhos iniciados em junho sob a direção do Sr. Marçal Pacheco de Souza, foram concluídos em 10 de outubro de 1906.


Segundo o Sr. Arnaldo de Oliveira Rezende, ex-Provedor do
Quase um ano depois de iniciadas as obras, a Comissão Construtora havia consumido nos esforços para a obra, a quantia total de Rs 175:363$934. A enfermaria geral dos homens estava engradada e pronta para receber o telhado . Todo o edifício, inclusive a fachada principal bastante adiantada, foi travado a ferro. Devido ao eleva o preço do cal e seu grande consumo, iniciou-se a exploração das imediações em busca de jazidas de pedra calcária.
Acatando as observações do médico operador, Dr. Hermenegildo Villaça, a Comissão, em acordo com o mestre de obras Sr. Antônio de Paula Nunes, alterou o projeto original aumentando a altura do pé direito, mudando o lugar da sala de operações e acrescentando dez quartos no espaço das duas áreas centrais.
Em 19 de julho de 1908, o Mestre de Obras, Antônio de Paula Nunes se retirou dos serviços, ficando a direção da obra a cargo de Francisco Santos . Neste ano, os serviços prosseguiam bem, apesar do número insuficiente de operários. O prédio estava todo coberto, “embarrotado e com o guarnecimento e revestimento externo”. A Comissão reclamava das despesas com materiais como telhas, tabuas de cedro, cal e com o transporte deste material considerado caro. Entretanto, apesar das dificuldades, a Comissão conseguiu concluir a construção do grandioso mausoléu para o fundador , Cassiano Campolina, em frente ao Hospital , no cemitério da Matriz. Na década de 60, a Prefeitura Municipal conseguiu junto a Arquidiocese de Mariana, a doação da área do cemitério para construção da atual praça existente em frente ao Hospital. Devido a esse fato a Irmandade pensou em transferir o Mausoléu de Cassiano Campolina para os jardins internos do Hospital ou até mesmo para o outro cemitério. No entanto, foi construído no local um monumento em mármore, com um busto do fundador , sob o qual se encontram seus restos mortais.
No ano de 1909, as dificuldades quanto a mão de obra persistiam, mas a Comissão já previa o funcionamento do Hospital para os primeiros meses do ano seguinte.A Irmandade aprovou para isto, verbas para a manutenção das irmãs Caridade, capelão, médico, enfermeiras, criadas, alimentos, material cirúrgico, utensílios e alfaias para a capela.



O Hospital . Primeiros anos



A inauguração do Hospital aconteceu em 1910. Segundo Antônio Venceslao Dutra, (que trabalhou com o pai José Dutra na olaria fabricando tijolos para sua construção), a festa aconteceu num domingo e contou com a presença de pessoas de todas as localidades vizinhas, como Piracema, São Brás do Suaçui, Lagoinha, Jeceaba, Serra, Desterro e outros.A abertura foi feita pela Banda dos Baêtas , sob a regência do Capitão Severino Salustiano da Silva. Após missa realizada pelo Monsenhor Antônio da Silva Leão, houve uma queima de fogos, e a noite, uma quadrilha encerrou a festa.
Como previsto pela Irmandade, em 1910, iniciou-se um serviço provisório de enfermaria, atendendo-se a 08 doentes. O Dr. Balbino Ribeiro da Silva, foi contratado para os primeiros serviços médicos, recebendo naquele ano 500$000. As obras, no entanto, persistiram. Faltava acabamento das salas de operações e a fachada da Capela e o término das obras da enfermaria das mulheres.


Para a pintura da Capela, foram contratados os serviços do pintor e construtor Francisco Tamietti, especializado em pinturas de marmorizados, estuques, paisagens e retratos , com grande atuação em Belo Horizonte onde já havia realizado trabalhos no Teatro Municipal, no salão nobre da antiga Escola Normal, no forro da sala de sessões do Senado Mineiro, dentre outros. Quanto as pinturas realizadas no hall, refeitório, sala da Provedoria e Tesouraria, não foram encontradas informações sobre autoria.

O contrato para a locação dos serviços das Irmãs Servas do Espírito Santo, foram assinados entre a Irmandade e a Superiora, Irmã Walburgis Semitez em 1º de fevereiro de 1912. Pelo acordado as Irmãs teriam dentro do Hospital, uma área reservada com quartos de dormir e sala de jantar sujeitos a clausura. A Irmã Superiora teria autoridade sobre os empregados subalternos e as Irmãs não tratariam de moléstias sifilíticas ou parturientes, cabendo estes serviços a enfermeiros. Cada Irmã receberia para suas despesas particulares, 40$000 Rs, pagos mensalmente. O capelão apresentado pela Diocese prestaria serviços aos doentes e celebraria missa diária na Capela do Hospital. No dia seguinte á assinatura do contrato, chegou a primeira turma de Irmãs para os serviços.


Em 1913, estava concluída a parte “essencial” do Hospital, faltando pequenos detalhes como a instalação de dois portões que fechavam o quintal , pequenas janelas na parte baixa e o andar térreo. A clínica médica esta sob a responsabilidade do Dr. Balbino Ribeiro da Silva, que contava com o auxílio do estudante do sexto ano, Sebastião Leão e do farmacêutico Francisco Franco.
O serviço interno de atendimento aos doentes, era exercido até outubro de 1913 por três Irmãs Servas do Espírito Santo: A Superiora Ângela, Irmã Servacia e Irmã Theodolina. A partir aquela data contava com os serviços da Irmã Osvina. Assim, sem diminuir o número de atendentes, uma das Irmãs passou a cuidar da Farmácia toda importada da Alemanha, inaugurada em 8 de junho daquele ano. Foram atendido em 1913, 1089 pacientes externos, além de internados 230 doentes. Destes internos, 176 eram do município de Entre Rios e o restante de Suaçui, Serra do Camapuã, Gil, D. Silvério, Conquista, Piedade dos Gerais, Desterro, Santa Ana do Morro do Chapéu, Casa Grande, Bonfim, Rio do Peixe, Diamantina, Passa Tempo, Congonhas, Raposos, S. Gonçalo da Ponte, Itaúna, Contagem, Lagoinha, Conselheiro Lafaiete, Santo Amaro, Paracatu e até mesmo um paciente belga. No ano de 1914 foram 1492 o número de atendidos externamente, tendo sido internados 201 doentes. Devido a falta de segurança, neste ano foram iniciadas a instalações das portas e janelas no pavimento térreo.

Quanto à luz elétrica, tão importante ao funcionamento do Hospital, os estudos do Padre João Luiz Espechit, determinaram que a cachoeira situada em terras do Senador Francisco Ribeiro de Oliveira podia produzir força suficiente para a iluminação de toda cidade. A Mesa Administrativa do Hospital autorizou ,em 28 de março de 1914, o Provedor Cel. Joaquim Ribeiro de Oliveira, a firmar um contrato com a Câmara Municipal para o serviço de instalação da luz pública na cachoeira situada em terras a serem adquiridas ao Senador Francisco Ribeiro.
No dia primeiro de abril de 1914, o Presidente da Câmara Marçal de Oliveira e Souza, foi autorizado a entrar em acordo com o “Hospital Cassiano Campolina para o serviço de iluminação pública e particular à cidade, por meio de energia elétrica”. Segundo a ata de reunião, o Hospital entraria com a quantia de 30:000$000, para os cofres da Câmara Municipal e esta faria o serviço de iluminação a cidade. Pelo acordo, o Hospital teria “sempre direito à luz necessária a serventia da casa, jardins e dependências durante a noite, independente de pagamento ou quaesquer outras obrigações”. O Hospital também teria durante 15 anos, o direito de conceder luz elétrica a particulares e a indústrias (apenas durante o dia). A Câmara teria direito ao excedente da luz fornecida à instituição hospitalar para a iluminação das ruas e prédios públicos e particulares, cabendo-lhe o serviço de construção, manutenção e reparos. Entretanto não foram encontradas informações sobre a realização deste serviço. Somente em março de 1919, o Hospital teria terminada a instalação elétrica em todas as suas dependências.


Apesar de inaugurado em 1910, o prédio ainda não havia sido abençoado. No dia 5 de fevereiro de 1915, ocorreram dois eventos importantes: a benção do prédio pelo Arcebispo Dom Silvério gomes Pimenta e a inauguração , no salão da Irmandade, do retrato do fundador da instituição, Cassiano Campolina, tendo como paraninfos da cerimônia os irmãos Joaquim Ribeiro, Dr. Balbino Ribeiro da Silva e também D. Maria Augusta Ribeiro Rezende.

No ano de 1916, a clinica médica cirúrgica, sob a responsabilidade do Dr. Balbino , passou a contar com os serviços não remunerados do Dr. José Eduardo Resende. Neste ano foram internados 300 doentes e atendidos externamente, 2465 pacientes. Os cômodos do porão foram quase todos cimentados e as paredes revestidas. Neste ano, o Dr. Balbino foi eleito Provedor do Hospital para o quadriênio de 1917-1920.
Os primeiros reparos no prédio aconteceram no ano seguinte (1917), quando foi renovado o pavimento da cozinha, devido ao apodrecimento dos barrotes e assoalhos que sustentavam os ladrilhos. Estes, foram substituídos por cimento armado assentado sobre trilhos de bitola larga.
Em janeiro de 1917, o Dr. José Eduardo Rezende, que vinha prestando serviços gratuitos ao Hospital, foi elevado a médico auxiliar . Este médico ficou no Hospital até 1921, quando se transferiu para Belo Horizonte.

No ano de 1918, o Hospital teve especial importância para a região, prestando serviços aos acometidos pela Gripe Espanhola e aos sobreviventes de um grande acidente de trem ocorrido na Estrada de Ferro do Cocuruto. Vale salientar que, no caso da Gripe Espanhola, dos 1000 casos da cidade, foram internados 70 doentes no Hospital , tendo falecido apenas 02 destes. Em todo o município o número de óbitos chegou a 270.
Com relação as questões que permeavam o seu pleno funcionamento, destaca-se a energia elétrica, vital para suas atividades. A iluminação do Hospital continuava a ser um grande problema . Em 1918, o Provedor , Dr. Balbino Ribeiro reclamava que a instituição vinha despendendo anualmente uma boa quantia para “não ter luz de espécie alguma”. Depois de tentar várias possibilidades, o Dr. Balbino conseguiu com o Senador Ribeiro de Oliveira, o aproveitamento da queda do Rio Camapuã por ele oferecida para a captação da energia elétrica “de maior vulto, bem mais dispendiosa e pouco remunerada para o capital nella empregado”, conseguindo por fim melhorar a iluminação do Hospital. Antes dependente de lâmpadas de “gaz acetylene” ou lampiões de querosene, a iluminação foi inaugurada em 1º de março de de 1919, quando foram terminados os serviços em todas as dependências graças aos esforços do padre Agostinho Yaensch da Sociedade do Verbo Divino, auxiliado pelo padre Leopoldo Pfad. Em 16 de fevereiro de 1920, com a instalação de uma nova turbina, ocorreu uma significativa melhora na iluminação do Hospital.
Quanto ao atendimento, em 1919 o Hospital auxiliou no tratamento das vítimas da epidemia da Gripe Espanhola no distrito do Rio do Peixe, enviando medicamentos elaborados em sua farmácia. Cuidou também, dos casos de varíola que irromperam na cidade de Entre Rios, , isolando os doentes em suas casas.


A Consolidação do Hospital



O Dr. Balbino foi reeleito Provedor em 26 de dezembro de 1920, para o quadriênio 1921-1924. Neste ano, empreendeu pequenos reparos de conservação do Hospital e reconstruiu a cobertura destinada ao depósito de lenha que se encontrava danificada. Outras obras ocorreram no ano de 1921 : foram reconstruídos os dois alpendres das enfermarias cujas cobertas de madeira foram substituídas por outras feitas de ferro galvanizado. O assoalho da sala de jantar foi consertado, sendo abertos novos respiradouros . O canal de cimento passou a ser de manilhas.
Em 28 de novembro de 1925, a diretoria clínica foi assumida por Gastão Ribeiro de Oliveira, que substituiu o Dr. Balbino após 15 anos a frente dos serviços médicos, continuando porém, a trabalhar sem ônus para o Hospital . Em 1929 o Dr. Balbino transferiu-se para Belo Horizonte.
As obras no prédio dignas de registro no final da década de 20 foram : a construção de uma pequena dependência para fins comuns e reparos no muro do pomar e aviário ocorridas em 1927, pinturas e reparos nas 131 venezianas, pinturas e envernizamento do altar, portas da capela; colocação de dobradiças em todas as bandeirolas das janelas da capela, corredores e quartos; reparadas todas as ramificações de esgotos; construção do portão e cobertura que dá acesso para coberta de lenha; abertura de uma porta e diversos arcos no porão ocorridas em 1929. O aparelho de raio ultravioleta de propriedade do Dr. Gastão foi instalado em março de 1929 de acordo com o contrato com o Hospital.
A década de 30 foi marcada pela realização de um grande melhoramento no Hospital: a construção do laboratório para exames e de uma nova sala de operações, uma vez que a existente fora condenada por cirurgiões visitantes e pelos médicos da casa. Com recursos de 20:000$000 emprestados por Dr. Gastão Ribeiro, e planta do engenheiro Luiz Gonzaga Ribeiro de Oliveira, a sala foi construída por José de Azevedo Laranjeira, sendo concluída em 25 de dezembro de 1932 . Segundo o médico João Rezende Alves, que iniciou sua vida profissional no Hospital em 1932, a iniciativa para a construção da nova sala, que deveria ser toda de vidro para facilitar a entrada de luz, fora sua.

Ainda em 1932, foram substituídos os engradamentos de madeira das platibandas por outros feitos de cimento armado. Os cômodos do andar térreo, foram adaptados para depósito. Porém a situação econômica do Hospital impedia a realização de reformas das enfermarias e sala de jantar. As subvenções Estaduais e federais eram insuficientes , assim como os donativos.


Em 11 de agosto de 1935, o Dr. Gastão e seu auxiliar, Dr. João Baptista de Rezende Alves, foram substituídos pelos doutores José Dias Baptista e Décio Guanabarino. O último ficou até novembro deste ano, sendo substituído pelo Dr. Otavio Augusto de Avellar.O movimento do serviço interno neste período foi de 322 novas internações, somadas a 33 que existiam do ano anterior. Deste total, 300 saíram com alta ,falecendo 30. Permaneceram 1936, 26 doentes.

O GINÁSIO



Com o objetivo de ampliar os seus serviços de assistência social, o Hospital Cassiano Campolina resolveu criar um ginásio, que funcionaria como instituição paralela e autônoma, sem fins lucrativos. O Edifício para abrigar o educandário seria construído com empréstimo de Cr$ 300.000,00 em apólices de Cr$1.000,000, amortizáveis em 15 anos pelo sistema Price, em terreno próprio da Irmandade, situado avenida da Batalha.
O lançamento da pedra fundamental do Ginásio denominado Nossa Senhora das Brotas, ocorreu em abril de 1947, com a presença do Cônego Galdino Malta, do Dr. Manoel Maria Paiva de Vilhena, Juiz de Direito e diretor do Ginásio, do Prefeito José Lob Sobrinho, do Promotor de Justiça Dr. Francisco de Paula Ferreira e Costa Neto e de grande número de pessoas da comunidade.
As aulas do curso de adaptação do Ginásio foram instaladas em 14 de julho, no salão da Casa Paroquial, ministradas por Elisa Vilhena e Olga Teixeira de Oliveira. Segundo relatório do Provedor Alberto Ferreira de Resende, o Secretário de Educação colocou a disposição do Ginásio, o “velho prédio” do Grupo Escolar para o seu funcionamento provisório.
Mais tarde, a Comissão encarregada de obter um prédio para o Ginásio, optou por alojá-lo definitivamente no prédio do Grupo. Em 1955, o patrimônio do Hospital foi acrescido com a doação pelo Estado do prédio do Grupo .Em 9 de setembro de 1956, tendo em vista a necessidade de dotar a cidade de Entre Rios de Minas e região de um ginásio oficial, a Irmandade deliberou pela entrega do prédio ao patrimônio do Estado, recebendo uma compensação no valor de Cr$300.000,000.


ANOS DE MUDANÇAS


Na década de 40 , a situação financeira do Hospital se mostrava deficiente. Subvenções e doações não conseguiam suprir o déficit da Instituição. A Lei Municipal de n.º 15 de abril de 1948 foi solução encontrada para minimizar os problemas financeiros uma vez que concedia ao Hospital subvenção anual, de 50% da taxa de água arrecadada na sede do Município. Neste ano o déficit do Hospital foi deCr$23.561,010, que foi complementado com a subvenção federal, para melhoramentos no prédio.
Em 1950 o serviço clínico-cirúrgico do Hospital era dirigido pelo Dr. José Celso Biagioni. O movimento neste ano foi de, 533 doentes internos , dos quais 114 ocupavam quartos particulares. Sob a provedoria de Alberto Ferreira de Resende, foi construído o necrotério e realizados pequenos reparos no prédio.

Segundo o atual Provedor, Jorge de Souza Resende, nos anos 50, Entre Rios era praticamente constituída de uma única rua: a principal. Nascia onde hoje é o Fórum e vinha até o Hospital. Depois do Hospital não havia muitas casas. Dentro dos terrenos do Hospital havia um campo de futebol (cedido ao Ribeiro da Silva Sport Club ). Ainda conforme o relato do Sr. Jorge, o cemitério que existia em frente ao Hospital era o mais antigo e menor preferindo a população um outro maior que existia na cidade.
Em abril de 1958, a Mesa Administrativa aprovou o orçamento para compra de material a ser usado na instalação da energia elétrica da CEMIG, substituindo a energia captada na região. Em junho deste ano, o Arcebispo de Mariana, Dom Oscar de Oliveira, desejando fundar um ginásio na cidade obteve a autorização da Mesa Administrativa para aproveitar o título do ginásio de Nossa Senhora das Brotas que pertencia ao Hospital.
Na década de 60, continuaram os problemas financeiros da Instituição. Em 1966 sua situação delicada era corroborada por fatores como o alto custo dos medicamentos, o aumento da indigência e a falta de solidariedade da população em geral para com as instituições de caridade. Ironicamente neste ano, o Prefeito de Entre Rios, Archimedes de Souza Resende, pelo Decreto n.º 77, instituiu como “Dia do Hospital” a data de 15 de setembro, em reconhecimento ao seu papel para a cidade e região.
Em 1969 a situação financeira foi regularizada devido a multa de atrasados com o INPS ter sido suprimida pelo Governo Federal. Neste ano encaminhou ao Conselho Nacional de Saúde, o pedido de registro e declaração de utilidade pública da Instituição , para a isenção da parte do recolhimento que compete ao empregador. Com o FUNRURAL, foi assinado um convênio para atendimento ao trabalhador rural e seus dependentes que passou a vigorar em maio, beneficiando os municípios de Lagoa Dourada, São Bras do Suaçui, Jeceaba e Desterro. Este convênio rendeu ao Hospital uma lavanderia, concedida pelo fomento hospitalar do FUNRURAL. Outra providência visando a melhoria dos serviços do Hospital, foi o registro na Legião Brasileira de Assistência - LBA, que permitiu a construção de uma maternidade, cujo projeto foi realizado pelo engenheiro Orlando de Andrade Resende. Dotada de instalações adequadas esta obra conseguiu a captação de 50% do custo total da obra.


Na década de 70, os esforços para diminuir as despesas financeiras foram implementados. Os Provedores buscaram convênios entre o Hospital e a Escola de Medicina para conseguir estagiários mediante bolsa e receberam contribuições das cidades vizinhas, da CEMIG, apoio da Cúria Metropolitana de Mariana, Imprensa Oficial, Cooperativa Agropecuária de Entre Rios de Minas e de pessoas físicas diversas. Infelizmente, em 1971, após anos de colaboração, as Irmãs de Caridade saíram do Hospital sendo substituídas por apenas uma enfermeira em caráter de experiência.
A tradicional festa do “Dia do Hospital”, realizada todo o dia 15 de setembro , tornou-se uma fonte de renda para a Instituição através dos seus atrativos como barraquinhas, leilões de gado, missa e procissão.
Entre os anos de 1974/75, foram feitos reparos nos sanitários, substituído o piso comum por concreto armado, rebaixado o forro com lage pré-fabricada, reformada e pintada a parte do prédio destinada às Irmãs.
Em 1976, o engenheiro Afonso Miranda de Resende, concluiu a reforma dos conjuntos sanitários da maternidade e da enfermaria feminina . Neste ano, iniciaram-se os trabalhos de construção de banheiros e sanitários nos quartos da ala masculina. A rede elétrica foi toda reformada com o auxílio do Governador Aureliano Chaves, intermediado por Dom Oscar de Oliveira. O arcebispo de Mariana, grande benfeitor do Hospital foi responsável por parte dos recursos adquiridos pela Instituição, o que possibilitou a melhor conservação do prédio. Em 1979, forma ampliados e totalmente reformados os banheiros da enfermaria masculina; pintados e reformados a Sala de Raio X; os consultórios, a sacristia e os quartos; trocada a instalação hidráulica e renovado todo o telhado.
Nos anos 80, o patrimônio do Hospital foi aumentado com a doação de Dom Oscar de ampla sala no 7º andar do Edifício Amália Tabuada em Belo Horizonte e outra em testamento por Alda Augusta Monteiro de Barros, no Edifício Benjamim Couto, também na capital mineira. Continuaram as reformas no prédio: adaptação de três dependências do porão para almoxarifado, reconstrução total dos banheiros da enfermaria feminina, sala de enfermagem e sala de preparo de material, construção da sala de curetagem, troca da rede de esgoto e das demais instalações das dependências do porão, pintura e troca do telhado do laboratório, reforma do ambulatório e de todo o telhado da enfermaria masculina e substituição dos portões de entrada.
Devido às obras da Ferrovia do Aço e da AÇOMINAS, a população da região aumentou consideravelmente, refletindo no volume de atendimentos do Hospital. Assim, em 1980 tem-se um total de 3.744 internamentos, sendo 1013 pelo FUNRURAL, 1635 pelo INAMPS,88 particulares, 31 pelo IPSEMG e 1517 indigentes. O serviço médico possuía três médicos e o laboratório contava com dois bioquímicos.
Os recursos adquiridos no Dia do Hospital em 1984, através de leilão de mais de 60 cabeças de gado, renderam ao Hospital cerca de 12 milhões de cruzeiros, que foram empregados nas obras do prédio. Em 1985, foi reformado 50% do telhado do prédio principal, com substituição parcial da madeira e troca de telhas em algumas partes. Foram substituídos 400m2 de forro, criada uma cobertura de 24m2 para a instalação de uma serra circular para carpintaria e corte de lenha para cozinha. Dois novos banheiros foram construídos nos corredores para atender ao público.
As pinturas decorativas foram objeto de atenção da Mesa Administrativa que pediu ajuda do IEPHA/MG. Em 1984, técnicos desta Instituição visitaram o Hospital atendendo à solicitação do Provedor , Engenheiro Afonso Miranda Resende, constatando que o estado geralde conservação do prédio era bom. Os forros e pinturas das paredes dos corredores, de influência “arte nouveau” estavam em precário estado de conservação, em franco processo de escamação. Segundo os técnicos Massimiliano Fontana e Reinaldo Guedes Machado, o Provedor solicitou a indicação de pessoal especializado para o trabalho de restauração das pinturas murais e assessoria técnica dos trabalhos. A contração seria a cargo do Hospital.


Uma nova viagem dos técnicos do IEPHA/MG ocorreu quase dois anos depois, em junho de 1986, para retomar os contatos visando a prestação de assessoria técnica para a elaboração do projeto de restauração “integrado às necessidades do Hospital, na melhoria do atendimento público” dos quatros municípios a que servia. Nesta visita, os técnicos apresentaram o projeto de restauração das pinturas decorativas em forros , ornatos e paredes, salientando que não tinha um caráter oficial , por tratar-se de um projeto e orçamento de serviços a serem contratados pelo Hospital.


O técnico M. Fontana encontrou “o Hospital com as obras de pintura interna e externa em fase de conclusão, tendo sido substituídos os forros dos corredores, do refeitório e vestíbulo do 2º pavimento. Para a pintura interna não foram raspadas as pinturas decorativas. Foi aplicada massa corrida, nivelada e pintada a óleo. Esses trabalhos foram executados, sem assistência segundo o Provedor, em virtude da demora da definição solicitada ao IEPHA em novembro de 1984”.


O técnico ainda enfatizou em seu relatório a necessidade de se tombar o prédio e solicitou que não fossem substituído os forros originais restantes para que fosse possível a restauração.
Depois de 12 anos sem os serviços de Irmãs de Caridade, no dia 7 de fevereiro de 1985, o Hospital recebeu três Irmãs Franciscanas de Allegany - EUA, que atenderiam nos serviços internos. O Hospital contava neste ano com 06 médicos. O serviço de enfermagem, graças ao curso de enfermagem ministrado pela Irmã Jeanne Elaine Durkin, iniciado no dia 8 de fevereiro, era formado por 01 enfermeira , 02 técnicos , 17 atendentes e 01 auxiliar. No Laboratório, foram mantidos convênios com os 02 bioquímicos, com o Laboratório Tafuri de Belo Horizonte, que realizava exames complementares e mais específicos. O número de internados em 1985 chegou a 4229 doentes, sendo a maioria do INAMPS(1734) e FUNRURAL (1722).
Em 1987, as instalações do Posto de Saúde foram transformadas em Laboratório de Análises Clínicas e o prédio do antigo Laboratório passou a ser velório, após algumas modificações. As pinturas do hall de entrada foram restauradas.


No mesmo ano o Hospital continuou a receber contribuições das prefeituras de Entre Rios de Minas, Desterro de Entre Rios, de Dom Oscar de Oliveira e da Cooperativa Agropecuária de Entre Rios de Minas, bem como de diversos anônimos. Apesar das transformações ocorridas no sistema previdenciário do país, o Hospital Cassiano Campolina mantinha-se fiel aos seus objetivos, atendendo aos necessitados nas mesmas condições que os pacientes conveniados.


Segundo o Dr. Jorge de Souza Resende, atual Provedor do Hospital, “até 1988 só era atendido pelo INPS quem tivesse carteirinha”. Com a criação do SUS (Sistema Único de Saúde), pela nova Constituição, “a saúde passou a ser dever do Estado e direito de todos”.


Em 1994, tendo em vista a renovação e uma organização mais aprimorada, a Irmandade decidiu conhecer hospitais que pudessem ser modelos de administração e organização a serem seguidos. Inicialmente, procuraram a Fundação Hospitalar Ouro Branco e em seguida, a Associação de Hospitais de Minas Gerais.


Tendo obtido boa acolhida do Dr. Carlos Eduardo Ferreira, Diretor Presidente da Associação de Hospitais, agendaram uma visita do Diretor Executivo daquela Associação, Dr. Luiz Carlos Albernaz ao Hospital Cassiano Campolina, com o objetivo de fazer um levantamento preliminar “da atual situação da instituição, visando corrigir distorções e/ou falhas estruturais e organizacionais de modo a permitir aos órgãos superiores da instituição, formularem em programa de modernização administrativa no que diz respeito a aspectos de estrutura, processos e resultados”.


O relatório da visita realizada em 24 de maio de 1994, levantou várias questões:


- A inexistência de regimento do corpo clínico;

- Problemas a serem analisados no demonstrativo das contas de resultados de 1993;

- Insuficiência de funcionários para o atendimento;

- Falta de uma chefia de nível superior no setor de enfermagem;

- Falta de farmacêutico;

- Necessidade urgente de uma reformulação estrutural/organizacional com implantação de estrutura - rasa;

- Instituição de mecanismos de controle eficazes e outras medidas gerências e normativas;

- Grande evasão de recursos devido a Falta de controle dos gastos com medicamentos, materiais e equipamento, tendo o Hospital grande prejuízos por Falta de controle eficazes;

- Necessidade de um plano diretor de informática para a utilização plena dos equipamentos existentes;

- Implementação de um plano de saúde para a comunidade como forma alternativa de receita;

- Falta a de controle de infecções hospitalares;

- Necessidade de revisão dos serviços de terceiros, contratos e convênios;

- Inexistência administrativa comprometida com os objetivos descritos no Estatuto.
O relatório de L.C. Albernaz, foi lido em Assembléia da Irmandade realizada em 29 de maio de 1994, mas os problemas por ele levantados não foram discutidos. Foram votados no entanto, a taxa sobre os serviços cobrados dos clientes pelos médicos do Hospital. Aprovou-se a taxa de 15% dos serviços prestados a partir de 1 de junho de 1994, para que não ocorresse a evasão dos médicos, passando após seis meses a 20%. Neste ano o Hospital contava com 50 funcionários, número insuficiente para o atendimento aos 78 leitos existentes.
O Hospital atendeu em 1997, 1.482 pacientes internos, sendo 1.251 pelo SUS, 121 particulares, 73 pelo IPSEMG, 27 pela UNIMED, 8 pela FASBEMGE e 2 da PMMG. Neste ano, foi discutida pela Mesa Administrativa a necessidade de transformar o Hospital em patrimônio histórico do Estado. A Mesa se manifestou favorável ao projeto de reforma que previa a manutenção da fachada em sua integridade, sendo sugerido que se procurasse apoio para o tombamento do prédio.
De acordo com as informações do Provedor Jorge de Souza Resende, atualmente os médicos alugam os consultórios do Hospital por R$ 200,00 (duzentos reais) mensais, dando consultas particulares, sendo no entanto obrigados a atender convênios e pacientes do SUS.
Ainda segundo J. S. Resende, o Hospital não tem ambulância e em caso de urgência recorre à Prefeitura. O Raio X é terceirizado de uma firma de São João Del Rei.
Na gestão deste Provedor, realizaram-se reformas na enfermaria feminina. Em 1996, o Banco do Brasil, doou a quantia de R$ 96.544,19, com a qual foram adquiridos, camas, colchões, equipamentos cirúrgicos, maca, dois computadores, geladeira, além de novos equipamentos para a farmácia.

Aos 87 anos de atuação, o Hospital Cassiano Campolina chega no limiar do século XXI como o único remanescente das instituições pioneiras da modernização médica do Estado, preservando sua beleza arquitetônica, sobrevivendo às crises financeiras e às mudanças políticas que transformaram a saúde, adaptando-se a nova realidade, sem contudo perder o caráter asssistencialista idealizado pelos fundadores.

A cidade de Entre Rios de Minas e o Estado de Minas Gerais, muito devem a esta Instituição, símbolo dos mais altos ideais humanos, que no mundo globalizado são cada vez mais raras.


1906

6 /MARÇO - CONCLUSÃO DO PROJETO DE EDGAR NASCENTES COELHO.

6/DEZEMBRO - LANÇAMENTO DA PEDRA FUNDAMENTAL.

1907 - ALTERAÇÃO DA PLANTA ACATANDO AS OBSERVAÇÕES DO MÉDICO

OPERADOR DR. HERMENEGILDO VILLAÇA, EM ACORDO COM O MESTRE DE OBRAS ANTÔNIO DE PAULA NUNES : alterando a planta aumentando o pé de direito, mudando o lugar da sala de operações e acrescentando dez quartos no espaço das duas áreas centrais.


1908 - CONCLUSÃO DO MAUSOLÉU DO FUNDADOR NO CEMITÉRIO MATRIZ, EM FRENTE AO HOSPITAL .
1910 - INAUGURAÇÃO DO HOSPITAL.

PINTURAS NA CAPELA realizadas POR FRANCISCO TAMIETTI.
1913 - CONCLUÍDAS A PARTE ESSENCIAL DO HOSPITAL.


8/JUNHO - INAUGURAÇÃO DA FARMÁCIA IMPORTADA DA ALEMANHA.


1915


5/FEVEREIRO - BENÇÃO DO PRÉDIO POR D. SILVÉRIO GOMES PIMENTA.


1917 M- PRIMEIROS REPAROS NO PRÉDIO : TROCA DOS BARRETES E SOALHO QUE SUSTENTAVAM OS LADRILHOS . PAVIMENTO DA COZINHA TODO REMODELADO.: LADRILHOS SUBSTITUÍDOS POR CIMENTO ARMADO., ASSENTADOS SOBRE TRILHOS DE BITOLA LARGA.
1918 -

1/MARÇO INAUGURAÇÃO DA LUZ ELÉTRICA.
1920 - RECONSTRUÇÃO DA COBERTURA DESTINADA A DEPÓSITO DE LENHA QUE SE ENCONTRAVA DANIFICADA., RECONSTRUÇÃO DE DOIS ALPENDRES DAS ENFERMARIAS QUE TIVERAM AS COBERTAS FEITAS DE FERRO GALVANIZADO EM SUBSTITUIÇÃO À MADEIRA COBERTA DE LONA.. REPARADOS OS SOALHOS DA SALA DE JANTAR SENDO ABERTOS NOVOS RESPIRADOUROS.
1927

CONSTRUÇÃO DE UMA PEQUENA DEPENDÊNCIA PARA FINS COMUNS E REPAROS NO MURO DO POMAR.

1929

ABERTURA DE DIVERSOS ARCOS NO PORÃO.

1932

25/DEZEMBRO - CONSTRUÇÃO DA SALA DE OPERAÇÕES LABORATÓRIO . PROJETO DO ENGENHEIRO LUIZ GONZAGA RIBEIRO DE OLIVEIRA.
1974/75 - REFORMA DOS SANITÁRIOS

1976 - CONCLUSÃO DAS REFORMA DOS SANITÁRIOS DA MATERNIDADE E DA ENFERMARIA FEMININA.

1985 - CONSTRUÇÃO DE UMA COBERTURA DE 24 m2. PARA A INSTALAÇÃO DE UMA SERRA CIRCULAR PARA TRABALHOS DE CARPINTARIA E CORTE DE LENHA.
1987

POSTO DE SAÚDE FOI TRANSFORMADO EM LABORATÓRIO DE ANALISE CLINICAS E O LABORATÓRIO TRANSFORMADO EM NECROTÉRIO.

REFERÊNCIAS DOCUMENTAIS

1 - ROSEN,Gedge. Da política médica à medicina social... pgs. 47a 75


2 - Revista Medica de Minas Gerais...jan/mar. 1993. pags. 54 a 57.

3 - História de Cassiano Campolina, 1836-1904.


4 - Historia de Cassiano Campolina. 1836 -1904.

5 - Hospital Cassiano Campolina.n.p.


6 - CARTÓRIO DO 1º Ofício ... 22 de fevereiro de 1903

7 - LIVRO de Atas da Associação do Pão de Santo Antônio ... 24 de novembro de 1906. pags. 25v a 27.


8 - LIVRO de Atas da Irmandade do Hospital ... 4 de novembro de 1906

9 - LIVRO de Atas da Irmandade do Hospital... 4 de novembro de 1906.


10 - HOSPIATAL Cassiano Campolina. Relatório...8 de dezembro de 1906. pag. 3

LIVRO de Atas da Irmandade do Hospital Cassiano Campolina. 26 de dezembro de 1905. pags. 18 a 18v.

HOSPITAL Cassiano Campolina. Relatório ...8 de dezembro de 1906 pags. 4

ENTRE RIOS. Contrato ... 15 de julho de 1906.

Idem nota n.º 12

RESENDE, Arnaldo...24 de março de 1998.

RELATÓRIO ... 8 de dezembro de 1907. pags. 2-3


LIVRO de Atas da Irmandade... 19 de julho de 1908. pags.40v -41.

RELATÓRIO... 8 de dezembro de 1908. pags1 a 3.

LIVRO de Atas ...14 de fevereiro de 1960. pag.13v.

RELATÓRIO... dezembro de 1909.

ARQUIVO Paroquial . Pasta de Jornais e Reportagens Históricas ...julho de 1974.

RELATÓRIO...1910.

RESENDE,Conceição . Entrevista, 26 de março de 1998.


DICIONÁRIO Biográfico...1997.pag.256.

ENTRE RIOS.Contrato de locação de serviços...1 de fevereiro de 1912.

RELATÓRIO...13 de janeiro de 1918. pag.8

RELATÓRIO...1914. pags. 1 a 21.

RELATÓRIO ...24 de janeiro de 1915. pag.3

LIVRO de Atas da Irmandade...4 de março de 1914. pag.67.

LIVRO de Atas da Irmandade ...26 de março de 1914.pags. 66-66v.

LIVRO de Atas da Câmara Municipal...1 de abril de 1914.


LIVRO de atas da Mesa Administrativa...5 de fevereiro de 1915.pags 1-2

RELATÓRIO ...24 de janeiro de 1917.pags 4 a29.

RELATÓRIO ...13 de janeiro de 1918.

REZENDE , Conceição. Entrevista, 26 de março de 1998.

RELATÓRIO ...12 de janeiro de 1919. pags. 5 a 7.

RELATÓRIO...11 de janeiro de 1920.pag.5.

RELATÓRIO...9 de janeiro de 1921. pag.9.


RELATÓRIO ...11 de janeiro de 1920. pag.5

RELATÓRIO ...9 de janeiro de 1921. pag.7 a 9

RELATÓRIO...8 de janeiro de 1922. pag.11.

RELATÓRIO ...10 de janeiro de 1926. pags. 5-6.

RELATÓRIO ...26 de janeiro de 1930. pag.6

RELATÓRIO ... 8 de janeiro de 1928. pag.9

RELATÓRIO ... 26 de janeiro de 1930.pag.6

RELATÓRIO ... 1929-1932.pags. 2 a 4.

ALVES,João Resende. Entrevista, 28 de março de 1998.

RELATÓRIO ... 1929-1932. pags 2 a 4.


RELATÓRIO... 12 de janeiro de 1936. pags. 4 a 10.

RELATÓRIO ...12 de janeiro de 1936. pags. 4 a 10.

ATA da Irmandade...13 de janeiro de 1943.pags 1 a 19v.

RELATÓRIO ...1948. pag. 8.

ATA da Irmandade ...9 de setembro de 1956. pags. 61 a 63.

LEI n.º 15 de abril de 1948. pags. 25,26.


RELATÓRIO...1949. pag. 8.

RELA’TORIO ...1951. pags. 6 a 20.

ATA da irmandade ....1935.pag.56.

ATA da Irmandade.... 3 de abril de 1958.

ATA da Irmandade... 14 de junho de 1959.

RELATÓRIO ... 1966. pag. 1

RELATÓRIO ... 1970 pags.3 a 7.

ATA da Irmandade... dezembro de 1959.

RELATÓRIO ... 1970 pags.3 a 7.



RELATÓRIO ... 1972. pag.3.


ATA da Irmandade ... 12 de dezembro de 1971. pag. 76v.

RELATÓRIO...1975/1976.

RELATÓRIO ...1977.

RELATÓRIO... 1979.

RELATÓRIO ...1980. pag.3

RELATÓRIO ... 1980. pags.3 a 5.

ENTRE RIOS notícias n.º. pag.2


RELATÓRIO...1985. pags. 6 a 9.

IEPHA/MG. Relatório de viagem. 26 de novembro de 1984.

IEPHA/MG. Relatório de viagem. 5 de junho de 1986.

RELATÓRIO ... 1985. pags. 6 a 9.

RELATÓRIO...1987. pags. 6 e 7.


77 - ATA da Irmandade... 1965-1995 pags 83v a 87 v.

 78 - HOSPITAL Cassiano Campolina. Movimento Hospitalar.1997.

PATRIMÔNIO CULTURAL - O TEMPO DE UM BEM CULTURAL

O TEMPO DE UM BEM CULTURAL

Autor: Carlos Henrique Rangel
Quanto tempo precisa ter um bem para ser considerado patrimônio cultural?

Ora, se uma comunidade o reconhece como tal ele o é.

Não serei eu a dizer que não.

A dizer que merece reconhecimento e proteção.

Um bem cultural deve falar a um grupo, comunidade ou nação.

Deve dizer algo que seja parte vital para a sobrevivência e autoestima do grupo, comunidade ou nação.

Não importa quanto tempo tenha e sim quanta motivação há.

Seja ela artística, arquitetônica, histórica, vivencial, sentimental ou outra que possa existir e que seja cara ao grupo, comunidade, nação.
Cabe aos interessados decidirem o que lhes interessa para sua continuação.
Cabe aos órgãos de proteção e seus conselhos respeitarem essa decisão.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

PATRIMÔNIO CULTURAL - SITES INTERESSANTES

Sobre os limites da preservação do patrimônio moderno: duas



polêmicas recentes em Salvador, BA
Priscila Gonçalves Santos
Graduanda na FAU/UFBA. Bolsista de Iniciação Científico
gs.priscila@gmail.com

Marco Aurélio A. de Filgueiras Gomes
Professor Titular da FAU/UFBA
marcoafg@ufba.

http://www.docomomonortenordeste.com.br/artigos/TC_SEC1_9.pdf



PATRIMÔNIO CULTURAL MATERIA E IMATERIAL


PATRIMÔNIO CULTURAL DA NAÇÃO: TANGÍVEL E INTANGÍVEL
Paulo Fernando de Britto Feitoza
http://www.revistas.uea.edu.br/old/abore/artigos/artigos_2/Artigos_Professores/Paulo%20Feitoza.pdf



PATRIMÔNIO CULTURAL E SALA DE AULA

http://www.brejo.com/b8/ler.coluna.php?ArtID=494

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL - PROJETO

Educação Patrimonial “Gincana Cultural – Álbum de Figurinha”


Autor: Carlos Henrique Rangel

I - Apresentação:

“A Educação Patrimonial é um processo permanente e sistemático centrado no patrimônio Cultural, como instrumento de afirmação da cidadania.

Objetiva envolver a comunidade na gestão do Patrimônio, pelo qual ela também é responsável, levando-a a apropriar-se e a usufruir dos bens e valores que o constituem.”(IPHAN).

A Educação Patrimonial é um trabalho permanente de envolvimento de todas as partes que compõem a comunidade, visando a preservação dos marcos e manifestações culturais, compartilhando responsabilidades e esclarecendo dúvidas, conceitos, divulgando trabalhos e seus resultados dos trabalhos.

Este projeto tem como premissa básica a promoção da universalização do conhecimento das questões referentes ao Patrimônio Cultural, assegurando assim às comunidades uma verdadeira participação na construção de sua identidade e na proteção do acervo. Utilizando um espaço cultural reconhecido do povo, pretendemos incentivar o conhecimento dos vários monumentos que compõem o conjunto arquitetônico da cidade.
II – Justificativa:
A escola e o seu ambiente é o principal canal de transmissão de valores e de formação dos novos cidadãos e a utilização desses espaços consagrados permitirá o resgate da autoestima da comunidade que o vivenciam.
Com esse Projeto de Educação Patrimonial, pretendemos valorizar, conhecer ou reconhecer o magnífico espaço cultural representado pela cidade, patrimônio reconhecido da comunidade local.



III – Público-Alvo:
1 – Corpo docente e discente das escolas mineiras.


IV - Objetivos:
O principal objetivo deste trabalho de Educação Patrimonial é o envolvimento dos professores, alunos e comunidade na preservação do acervo cultural representado pelo Conjunto Arquitetônico e urbanístico.

Este Projeto de Educação Patrimonial pretende estabelecer um vínculo efetivo e permanente entre, a prefeitura e a comunidade escolar na valorização deste acervo cultural local, uma vez que, a preservação é responsabilidade de todos aqueles que vivenciam os saberes, fazeres e lugares que formam o rico emaranhado cultural.

O Projeto visa implementar, apoiar e assegurar a continuidade de ações de caráter cultural-educativo na escola voltadas para a identificação, valorização e proteção dos bens culturais, possibilitando experiências que permitam a valorização da cultura e memória da sociedade. A transmissão, apropriação e reflexão crítica dos conteúdos, sobre educação, cidadania, memória e patrimônio cultural material e imaterial, estarão implícitos na transversalidade do currículo escolar.

Desta forma pretendemos:

- Estimular a apropriação e o uso, pelos alunos, professores, pais de alunos e vizinhança, do Patrimônio Cultural que detém e usufruem.

- Estimular o diálogo entre a sociedade e os órgãos responsáveis pela identificação, proteção e promoção do Patrimônio Cultural, propiciando a troca de conhecimento acumulados sobre estes bens culturais.

- Levar as questões relativas à preservação do patrimônio Cultural para dentro da escola cooptando o corpo docente para serem os agentes multiplicadores.

- Estimular a alto estima dos vários segmentos sociais através valorização e reconhecimento de suas produções culturais.

- Propiciar o fortalecimento da identidade cultural individual e coletiva.

- Promover o estudo sobre os bens culturais e seus problemas, buscando soluções.

- Incentivar a participação das comunidades nas decisões referentes à conservação, preservação e revitalização dos marcos culturais.

- Tornar acessível aos indivíduos e aos diferentes grupos sociais, a leitura crítica dos bens culturais em suas diversas formas e significados.

- Experimentar e desenvolver metodologias de Educação Patrimonial, que permitam um processo contínuo de conhecimento e compreensão e avaliação dessas ações.

- Planejar atividades de aproximação e investigação do Patrimônio Cultural que envolvam segmentos das comunidades.
V – Metodologia:
“A educação patrimonial permite à comunidade reapropriar-se de lugares, histórias, objetos, monumentos e tradições que foram ou são importantes do seu ponto de vista. Para que ocorra esta reapropriação, o poder público pode promover propostas de aprendizagem que atraiam a atenção de pessoas de todas as idades, inclusive de aluno desde o ciclo fundamental. De uma forma lúdica e prazerosa, possibilita às pessoas que adquiram e registrem conhecimentos novos. As escolas que adotam este tipo de metodologia conseguem provocar em seus estudantes um interesse grande para o aprendizado. No caso de este trabalho ser desenvolvido com crianças, em geral é feito um repasse destes conhecimentos novos para os outros membros da família”.
Patrícia Laczynski.
O Projeto de Educação Patrimonial “Gincana Cultural - Álbum de figurinha” visa integrar a cultura e educação através dos conteúdos pertinentes, desenvolvendo ações com a comunidade escolar referente ao seu Patrimônio Cultural, tendo como objeto a apropriação do grande espaço de lazer, cultural e político que representa a cidade e seus bens culturais.

Essa relação vem resgatar e fortalecer a identidade cultural dos indivíduos, valorizando as manifestações da culturais locais. A escola é o pólo de operacionalização deste processo.
Para a alcançarmos os objetivos propostos, as ações serão divididas em duas fases e seis ações especificadas a seguir.
ETAPA I
- Preliminar:

1- Escolha das escolas e comunidades a serem trabalhadas.

- Escolha de uma escola para piloto do projeto por sorteio, utilizando a mídia.

- Definição das atividades e do cronograma.

- Preparação do material didático a ser trabalho: folhetos explicativos, boletins Informativos, Álbum de figurinhas e as figuras.

- Definição dos locais onde serão entregue as figuras. Poderá ser feita em conjunto: Prefeitura, Conselho Municipal e corpo docente.

ETAPA II: Contatos e Divulgação.

Conhecimento e sensibilização

- Envolvimento dos professores, dos alunos e pais.

- Reunião com a direção da escola e com os professores para apresentação da atividade.


ETAPA III: Palestras

Conhecimento e sensibilização

- Oficina para o preparo dos professores quanto a conceitos e a metodologia a ser utilizada e apresentação das atividades a serem realizadas.

Carga horária: 16 horas.

- Divulgação do Projeto: Utilização dos meios de comunicação disponíveis para a divulgação do Projeto em todas as suas etapas.(rádios, televisão, jornais).

- Distribuição de folhetos explicativos, boletins Informativos, etc.



Etapa IV

Abertura e inicio da Gincana

- A gincana terá a duração de uma semana.


Premiação dos três primeiros colocados.

- Serão definidos três prêmios para os ganhadores da Gincana Cultural.



ETAPA V: Organização e Avaliação dos trabalhos.

- Organização e avaliação dos resultados dos trabalhos através dos produtos obtidos, visando à realimentação e continuidade das atividades com escolha de novos bens culturais materiais ou imateriais.

- A gincana poderá ser estendida para atender aos turistas, envolvendo a Secretaria de Turismo local e agencias de viagens com uma abordagem diferenciada.


ETAPA VI: Relatório Final. Documento final

- Produção de Relatório de Avaliação e Conclusão referentes às etapas desenvolvidas, contendo a documentação das atividades.(relatórios, registros fotográficos e audiovisuais)

FASE II

Consolidação - Continuidade do Projeto

- Após a avaliação do Projeto, será definido novo cronograma para a continuidade dos trabalhos.

- Após o piloto, atividade poderá ser permanente, com novas versões do álbum para ser trabalhado com os alunos e os turistas.



Estratégias Metodológicas:



Visando estimular o conhecimento dos Conjunto Arquitetônicos, utilizaremos a construção de um álbum de figuras composto de um mapa do Núcleo Histórico e de 12 fotografias dos prédios e espaços que tenham siginifcados como suporte de bens imateriais com as conseqüentes informações históricas a respeito.

A gincana cultural tem como fim a montagem deste álbum de figuras através de um teste/pesquisa sobre os edifícios e espaços.

Poderão ser utilizadas figuras dos bens culturais materiasi e imateriais mais significativos e mesmo de bens culturais pouco valorizados:



Como funciona a Gincana Cultural:
1 - Cada aluno ou grupo de alunos receberá o pequeno álbum de figuras vazio.

Para sua conclusão, ou seja, sua montagem com as 12 figuras terão que realizar pesquisas para responder perguntas específicas contidas nas próprias figuras.

2 – A primeira pergunta se refere a um bem, por exemplo: a “Igreja” e está contida no próprio álbum no espaço destinado a sua figura. Os alunos terão que responder a pergunta e apresenta-la a uma pessoa definida previamente, localizada no interior do bem cultural.
3 – O próximo passo é responder à pergunta contida na parte posterior da figura da “Igreja” referente a um outro bem cultural, por exemplo, o “Museu”. O aluno terá que pesquisar a resposta e de posse dela deverá se encaminhar até ao Museu e procurar uma pessoa previamente definida. Somente receberá a figura correspondente se a resposta estiver correta.
4 – Esse procedimento se repetirá para todas as figuras até que seja preenchido todo o álbum.

5 – Ganha a gincana, o grupo ou aluno que primeiro concluir o álbum de figuras.


Materiais / Equipamentos Necessários:

A - O material de apoio:

1 – Boletins Informativos, textos, álbum e fotos .

2 – Planta de orientação para os alunos.Que pode está anexada ao album.


B - Equipamentos:

Retro projetor, Projetor de slides, Tela de projeção, tv e vídeo cassete, Datashow, Transparências.



VI - Produtos advindos do trabalho de Educação Patrimonial:

- Montagem do álbum de figuras.

- Relatório de depoimentos de alunos e professores sobre a Gincana Cultural e sobre os bens culturais com sugestões para novas atividades.


Obs: um cronograma deve ser montado conforme metodologia  em voga no Estado de Minas Gerais.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL CONTO - HISTÓRIA DO BRASIL

HISTÓRIA DO BRASIL - A HISTÓRIA DO VOVÔ

Autor: Carlos Henrique Rangel


Paulinho é um menino como tantos outros. Tem um pai trabalhador, uma mãe carinhosa e uma irmã mais nova com quem nem sempre se dá bem...
Durante o dia o pai e a mãe ficam fora trabalhando. Paulinho e Rita, sua irmã, estudam de manhã.
A tarde ficam com os avós.
Somente a noite a família se reuni, assistindo televisão após o jantar.
Nesta noite estavam todos reunidos assistindo novela. Mas uma mudança aconteceu na rotina da família: Em um dos melhores momentos da novela a luz acabou.

- O que foi isto? - Perguntou o Sr. Manuel o pai de Paulinho.
- Deve ser algum fio que rebentou... Vou buscar as velas. – Disse a vovó Maria.
- Que chato, logo agora... – Reclamou Rita.
- Logo, logo volta, você vai ver... – Falou o Vovô Carlos tranqüilizando a menina.
Vovó Maria acendeu uma vela e a sala se iluminou.
- O que vamos fazer agora enquanto a luz não volta? – Perguntou Paulinho.
- Eu vou dormir. – Disse o Senhor Manuel.
- Eu também. – Disse a Vovó.
- Meninos, vocês deveriam fazer o mesmo... – Disse a Mamãe Lúcia.
- Ah mãe, ainda é cedo... – Choramingou Rita.
- Deixa Lúcia, agorinha mesmo a energia volta... Enquanto isso vou contar uma história para os meninos. – Disse o Vovô.
- Uma história? – Perguntou Paulinho.
- Sim.

- Mas que história? – Perguntou Rita.

O vovô Carlos ficou pensativo por alguns segundos...

- Vou contar para vocês a história do Brasil.
- História do Brasil? – Perguntou Rita.
- É, sua boba, a história do nosso país. – Completou Paulinho.
- Isso mesmo... Posso começar? – Perguntou Vovô Carlos.
Os meninos concordaram.
- Bem, no início só existiam aqui nesta terra, as florestas, os animais das florestas e o homem da terra e suas aldeias...
- Homens da terra? – Perguntaram as crianças quase ao mesmo tempo.
- Sim, meninos, as terras do Brasil eram ocupadas por vários povos de pele avermelhada chamados mais tarde de índios. Viviam em aldeias, caçavam os animais das florestas, plantavam seus alimentos...
- Então os índios já viviam aqui? – Perguntou Rita.
- Sim, os índios são os primeiros moradores do Brasil. – Respondeu o Vovô.

- Eu já vi um índio na televisão. Ele não usava roupas, tinha o corpo todo pintado... – Falou Paulinho.

- Esses índios que viviam aqui eram como este que você viu. – Completou o Vovô.
- Existem muitos índios, Vovô? – Perguntou Rita curiosa.
- Existem muitos índios de diferentes tribos. Mas antes existiam muito mais. – Respondeu o avô das crianças.
- Por que não tem mais tantos índios como antes? – Perguntou novamente a menina.
- Vou continuar a história e logo você vai saber... Bem, como eu estava contando, os primeiros moradores foram os índios. Depois... Depois vieram outros homens chamados portugueses. Homens brancos de terras distantes, de um lugar chamado Portugal...
- Portugal? – Perguntou Rita.
- É um país, não é? – Quis saber Paulinho.
- Sim, Portugal é um país que fica do outro lado do Oceano Atlântico. Esses homens brancos, os portugueses, atravessaram o Oceano em barcos grandes, as Caravelas.
- Eu já vi um navio desses em um livro. Tem uns panos grandes com o desenho de uma cruz. – Gritou Paulinho.
- São as velas. Quando o vento bate nelas, empurra o navio para frente... – Falou o Vovô.
- Que legal – Exclamou Rita com os olhos brilhando com o novo conhecimento.
- É sim, Com ajuda dos ventos os portugueses chegaram às praias da nossa terra. Foram recebidos pelos homens da terra a quem deram o nome de índios.
- Foram bem recebidos? – Perguntou Rita.
- Ah, foram sim. No início viraram amigos. O homem branco presenteava os índios com colares de contas e espelhos e estes davam aos portugueses uma madeira vermelha chamada Pau Brasil, que servia para tingir as roupas. – Explicou o velho senhor.
- O nome do nosso país... – Disse Paulinho.
- Isso mesmo. A terra que se chamou Ilha de Vera Cruz, depois Santa Cruz, onde havia Pau Brasil, passou a se chamar Brasil...
- Então no início eles achavam que o Brasil era uma ilha? – Perguntou Paulinho admirado.
- O que é uma ilha? – Perguntou a menina com ares de quem não entendeu nada.
- Ilha é uma terra cercada de água por todos os lados. O Brasil não é uma ilha. – Respondeu Paulinho todo superior.
- Muito bem menino... Bem, continuando a nossa história, na terra onde antes existiam as florestas e aldeias dos índios, surgiram os povoados dos portugueses e as plantações de cana–de-açúcar, e os engenhos para fazer açúcar.
- Os portugueses só faziam açúcar? – Perguntou Paulinho.
- É porque eles gostavam de doce, né Vovô? – Falou Rita se ajeitando no sofá.
Vovô Carlos riu.

- Eles plantavam outras coisas, mas plantavam mais cana –de –açúcar e faziam açúcar para levar lá para o outro lado do Oceano, para os outros países europeus.
- Vovô e o que aconteceu com os índios? – Perguntou a menina lembrando dos primeiros habitantes da terra.

- Ah, os portugueses passaram a obrigar os índios a trabalharem nas plantações de cana – de – açúcar. Os índios viraram escravos dos portugueses.
- O que é um escravo, vovô? – Perguntou a menina franzindo a testa.
- O escravo é uma pessoa que é obrigada a trabalhar de graça para outra.
- Nossa, que ruindade! – Exclamou a menina assustada.
- Era uma coisa muito ruim sim. – Falou o avô das crianças.
- E os índios deixaram? Eu não deixaria. – Disse Paulinho revoltado.
- Os índios não aceitaram não. Brigaram com arcos e flechas, mas os portugueses, mais fortes, com suas armas de fogo, venciam quase sempre. Então os índios fugiam para as matas, para longe do homem branco e suas plantações e seus povoados e suas cidades.
- Então foi isso que aconteceu, os índios morreram nas lutas com os portugueses. – Falou Rita pulando no sofá.

- Muitos morreram nas guerras. A maioria morreu por causa das doenças dos brancos. – Continuou o avô.
- Como? – Perguntaram as crianças.
- Certas doenças que para o homem branco eram quase uma bobagem faziam muito mal aos índios. A gripe, por exemplo.
- Eram fraquinhos né? – Exclamou Rita.
- Estas doenças não existiam na nossa terra, por isso não agüentavam e morriam. – Completou o Vovô Carlos.
- Que coisa triste... - Lamentou Paulinho abaixando a cabeça.
- Mas eles lutaram e fugiram para o interior das matas. Não deixaram as coisas fáceis para os portugueses não... – Falou o Vovô.
- Que povo ruim esses portugueses... Os índios eram seus amigos... Eu também fugiria deles. – Comentou Paulinho.

- Assim os portugueses foram ocupando as terras com suas plantações e cidades...
- Mas se os índios fugiram, quem ficou para trabalhar para os portugueses? – Perguntou Rita.
- Vai ver que criaram vergonha na cara e resolveram trabalhar eles mesmos – Falou Paulinho.

O Vovô Carlos sorriu com a indignação do menino.
- Os portugueses precisavam de gente para trabalhar de graça para eles. O que fizeram? Continuaram a caçar os índios, mas buscaram mais gente para trabalhar... De um lugar chamado África, trouxeram os homens negros, que passaram a trabalhar nas plantações...
- Eu não trabalhava... – Disse Paulinho.
- Se não trabalhasse apanhava de chicote. – Disse o avô.
- Nossa, que covardia... – Gritou Rita.
- Era uma coisa muito feia a tal da escravidão... Bem, por muito tempo viveram os brancos portugueses nas terras perto do mar, onde plantavam suas verduras e legumes e criavam gado.
Das suas cidades saiam de vez em quando para as matas caçando índios, procurando ouro. – Continuou o Vovô Carlos.
- Eles também procuravam ouro? – Perguntaram os meninos.
- Sim, Queriam encontrar ouro e pedras preciosas para enriquecer Portugal. Achavam muitos índios, mas encontravam pouco ouro.

Em um lugar depois da Serra, havia uma vila fundada por padres Jesuítas, chamada São Paulo. Seus moradores, os paulistas gostavam de entrar nas matas para caçar índios. Ficavam muitos meses nas matas procurando as aldeias dos índios. Um dia, um grupo destes bandeirantes paulistas, como eram conhecidos, resolveu parar de caçar índios para procurar pedras preciosas e ouro.

Depois de muito tempo encontraram muito ouro no interior do Brasil.
- Devem ter ficado muito felizes, né? – Disse Rita.
- Ficaram sim. A notícia espalhou e muita gente foi para o interior procurar ouro. Ao redor das minas de ouro, construíram suas casas.
- Minas de ouro? – Perguntou Rita.
- É, são os buracos cavados para retirar o ouro das montanhas. No início os homens lavavam o cascalho da beira dos rios procurando o ouro. – Explicou o atencioso avô.
- Como eu estava dizendo, ao redor das minas surgiram as casas, uma capela pequena, depois uma igreja e nasceu um povoado que virou uma vila e depois uma cidade. Todos queriam vir para as Minas Gerais, como ficou conhecida as terras do interior onde encontraram o ouro. – Continuou Vovô Carlos.

- Minas Gerais é aqui. – Gritou Paulinho espantado.
- Isso mesmo, menino, foi assim que Minas Gerais foi ocupada. Vinha gente de Portugal. Vinha gente das cidades perto do mar...
- É ? E quem trabalhava nas Minas? – Perguntou Rita.
- Quem você acha bobona? ... Claro que eram os escravos. -

Ralhou Paulinho, olhando bravo para a menina.
- Isso mesmo. Os escravos índios e negros. Os brancos buscaram muitos homens negros lá da África para trabalhar nos rios e minas a procura do ouro e depois do diamante.

Muitas cidades nasceram: Ouro Preto, Sabará, Diamantina, Serro, São João Del Rei, Tiradentes e muitas outras.
Muitos homens ficaram ricos. Portugal ficou rico...
Estes homens construíram grandes casarões e igrejas decoradas de ouro e trabalhos bonitos dos artistas mineiros que ainda hoje existem.
- Eu queria conhecer. – Disse Rita.
- Eu também. – Disse Paulinho.
- Ora, vamos fazer o seguinte. No fim de semana vamos fazer uma viagem para uma destas cidades. Que tal? – Perguntou o Vovô.
- Viva! – Disseram os meninos.
- - Bem, assim pouco a pouco o homem branco foi se espalhando pelo interior, plantando, criando gado, procurando tesouros. Junto com os índios e os negros, construíram muitas cidades. Construíram um país chamado Brasil.
- Que legal! – Exclamou Paulinho se levantando do sofá.
- Mas ainda não acabou. Estes homens, mistura das três raças: índios negros e brancos eram brasileiros e conseguiram a independência de Portugal.
- Independência? – Perguntou o Menino.
- È, as terras ainda estavam ligadas a Portugal, aquele país lá do outro lado do mar. Os brasileiros conseguiram ser donos da terra que passou a ser um país livre. – Continuou o Vovô.
- O Brasil se tornou um império. Teve dois imperadores: D. Pedro I e depois seu filho, D. Pedro II.
- Igual aos contos de fadas, com castelo e tudo?
Vovô Carlos sorriu.
- Mais ou menos... Possuíam um palácio... Uma corte com Duques, Viscondes e Condes...

- O país ficou livre, mas e a escravidão dos homens? - Perguntou Paulinho cortando o avô.
- A escravidão acabou um pouco depois, porque nenhum homem deve escravizar outro homem. Depois o Brasil virou uma república...
- Na república quem governa é o presidente, não é Vovô? – Perguntou Paulinho.
- Isso mesmo Paulinho... O país chamado Brasil cresceu, construiu indústrias, recebeu mais gente de outros lugares e de outras raças. Novos brasileiros. O Brasil de hoje é uma grande nação com 500 anos de idade.

- Nossa, é bem velhinho... – Disse Rita.
- Não é não. Para um país é ainda uma criança. Existem países bem mais velhos. O Brasil é uma terra de grandes e lindas cidades, lindas praias, grandes rio, florestas, cerrados, caatingas, onças capivaras, araras... E o mais importante de tudo: Terra de um povo de várias raças, alegre e forte que constrói seus futuro no presente sem esquecer seu passado...
- Nossa terra... – Disse Paulinho.
- Isto mesmo, nossa terra, Paulinho.
- Acabou a história Vovô? – Perguntou Rita.
- Não minha filha, essa história não acaba nunca. Eu ajudei a fazer, seus pais estão fazendo e vocês vão continuar fazendo. Sempre, sempre, para construir uma país melhor, com justiça, trabalho, escola e saúde para todos.
Enquanto o Vovô Carlos falava, a energia voltou, iluminando toda a sala.

Alguém apagou a vela e ligou a televisão.

Vovô levantou e foi se deitar...

FIM

segunda-feira, 2 de maio de 2011

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL - JOGOS

QUEM É O PRESIDENTE DO CONSELHO?
Autor: Carlos Henrique Rangel


EDUCAÇÃO PATRIMONIAL - TEXTOS

SITES DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL



http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/10482/4746/1/Curso%20de%20Educacao%20Patrimonial%20-%20versao%20final%20-%20Nathalie.pdf



http://www.encontro2008.rj.anpuh.org/resources/content/anais/1213054194_ARQUIVO_TEXTO_ANPUH-RIO.pdf




http://muarq.ufms.br/encontro_arqueologia/trabalhos/6.%20Experiencias_da_Pratica_de_EP.pdf



http://www.pe.senac.br/ascom/faculdade/Anais_EncPesqExt/IV/anais/poster/003_2010_poster.pdf



http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/10482/4746/1/Curso%20de%20Educacao%20Patrimonial%20-%20versao%20final%20-%20Nathalie.pdf



http://www.anchietano.unisinos.br/sabsul/V%20-%20SABSul/simposio/social/3.pdf



http://www.institutocidadeviva.org.br/inventarios/txt_passado_Presente.pdf



http://www.cj.uenp.edu.br/ch/anpuh/textos/029.pdf



http://www.ufpa.br/ppgecm/media/Dissertacao_Luiz%20Rocha%20da%20Silva.pdf



http://novo.contagem.mg.gov.br/arquivos/comunicacao/pordentrodahistoria01.pdf



http://www.sigeventos.com.br/jepex/inscricao/resumos/0001/R0152-1.PDF



http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/posteres/GT08-1933--Int.pdf



http://www.historiadesaogoncalo.pro.br/txt_hsg_artigo_07.pdf



http://www.ufjf.br/maea/files/2009/11/monteirooliveira.pdf



http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe4/individuais-coautorais/eixo07/Eliana%20Roda%20Ferreira%20e%20Carolina%20Marielli%20Barreto%20-%20Texto.pdf



http://www.unilasalle.edu.br/museu/mouseion/vol1jun2007p23-25.pdf



http://www.tremdavale.org/novo/historiaoral/files/09.pdf



http://www.usjt.br/biblioteca/mono_disser/mono_diss/024.pdf



http://www.anpuhsp.org.br/downloads/CD%20XVII/Paineis/Fabiano%20Gomes%20da%20Silva.pdf



http://www.ufpel.edu.br/cic/2009/cd/pdf/LA/LA_00536.pdf



http://www.anpap.org.br/anais/2010/pdf/cpcr/alessandra_rosado_2.pdf



http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/3182_1868.pdf

domingo, 1 de maio de 2011

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL - CONTOS - IMAGENS

IMAGENS
Autor: Carlos Henrique Rangel













CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PRAÇA DA ESTAÇÃO DE BELO HORIZONTE

O CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PRAÇA RUI BARBOSA


(Praça da Estação)



Portal do Tempo



Autores: Carlos Henrique Rangel - Historiador

Lílian Oliveira - Historiadora


I – Antecedentes

A – Considerações Preliminares


Desde os primeiros agrupamentos humanos, a escolha de um lugar para se viver temporariamente ou mesmo para se instalar definitivamente obedeciam a alguns pré requisitos básicos: a existência de fontes de água, rios ou lagos e terras férteis e ricas em caça. A medida que o homem foi se fixando e evoluindo tecnologicamente, motivações mais complexas surgiram: terras ricas em metais preciosos, fácil locomoção, entroncamento de estradas, e após a revolução industrial, paradas de trens de ferro.

As primeiras cidades mineiras surgiram em função do ouro e pouco depois do diamante. Os agrupamentos dos aventureiros se formaram ao longo dos rios e lavras acompanhando as curvas dos terrenos e o curso dos rios.

A capital mineira que se pretendia construir em fins do século XIX obedecia a outros critérios, outras motivações. Deveria ser nova, moderna sem traços do passado. Fiel a este signo de modernidade deveria apagar os vestígios visíveis do passado e começar de novo sobre o risco positivista traçado em papel. Tudo novo, como novo deveria ser o elo com o mundo. Nada de caminhos de tropeiros, mas um caminho traçado e definido por trilhos de ferro como a cidade que nascia. Elo de ligação com o mundo, ao mesmo tempo porta de entrada da nova cidade trazendo os materiais para construir, gente para construir e gente para viver.


A estrada de ferro conseqüência direta da Revolução Industrial tornou-se em pouco tempo o melhor meio de transporte, permanecendo incontestável até o advento do automóvel e da aviação. Rápido e eficiente, como deveria ser a construção do novo centro político mineiro.



B – Os Caminhos de Ferro


Com a primeira Revolução industrial iniciada na Inglaterra no século XVIII e a partir do século XIX se estendendo pelo restante da Europa, começou a concentração dos meios de produção em fabricas, substituindo as oficinas caseiras. Está concentração somente foi possível devido às invenções do século XVIII, principalmente o tear mecânico e a máquina a vapor. O aumento da produção acarretado pelas mudanças no sistema de produção levou à necessidade de ampliar os mercados e dinamizar a distribuição dos produtos .

Assim a busca por novos meios de transportes de mercadorias e passageiros começaram a ser esboçados a partir dos primeiros anos do século XIX: Em 1802 surgiu a denominada “dirigência a vapor para estrada” construída pelos ingleses Richard Trevithick e Andrew Vivian; Em 1808 Richard Trevithick apresentou a “Catch me Who Can”. Em 1825 surgiu a primeira linha férrea considerada prática, que ligava Darlington a Stockton.

A partir do concurso promovido pela Estrada de Ferro Liverpool-Manchester em 1829, surgiu a máquina denominada Rocket, construída por Stephenson. Esta máquina vencedora do concurso começou a percorrer o trajeto Liverpool-Manchester somente a partir de 1830.


No Brasil, a necessidade de meios de transporte ágeis e eficientes para o escoamento das produções agrícolas do interior para o litoral foi sentida ainda nas primeiras décadas do século XIX. Já em 1835, o Regente Padre Feijó promulgou uma lei que concedia favores aos interessados em implantar no país, uma estrada de ferro que pudesse ligar o Rio de Janeiro à província de São Paulo e Minas Gerais. Está lei, no entanto, apesar da várias tentativas de alguns interessados, não surtiu efeito concreto .

Somente a partir da segunda metade do século XIX, é que o empresário e futuro Barão e Visconde de Mauá, Irineu Evangelista de Souza, conseguiu construir a primeira estrada de ferro do Brasil. O projeto de Irineu era construir uma estrada que ligasse o Rio ao interior de Minas Gerais a partir de Porto Estrela seguindo inicialmente até Petrópolis.

O projeto do empresário foi aprovado em 27 de abril de 1852. Em agosto do mesmo ano iniciaram as obras contando com a presença do Imperador, vários ministros, conselheiros do Estado e oficiais e grande multidão de populares . A viagem inaugural aconteceu em setembro do ano seguinte. A extensão de 14,5 Km da Estrada de Ferro foi inaugurada com grandes festejos no dia 30 de abril de 1854:


“A agitação tomou conta do lugarejo: bandas de música, coro de meninos, foguetes, bandeirolas coloridas. Quando o barco que trazia o imperador chegou ao porto, formaram-se duas alas de nobres, ministros e funcionários graduados. D Pedro II saudou a todos e, acompanhado por Irineu, o presidente da companhia, dirigiu-se a um armazém onde tinham sido montadas arquibancadas, no centro das quais ficavam as cadeiras do imperador e da imperatriz, além do bispo – que tinha a importante função de batizar as locomotivas da primeira ferrovia brasileira. Terminada a cerimônia, a comitiva embarcou nos vagões especialmente decorados para a viagem de cartoze quilômetros até o vilarejo de Fragoso, feita em pouco mais vinte minutos. Dos dois lados dos trilhos, oficiais da Guarda Nacional ficaram perfilados, enquanto os menos afortunados se espalhavam pelos morros para ver o trem passar. De Fragoso o comboio retornou a Estrela, onde seria servido um banquete na estação.”



A Estrada de Ferro de Irineu Evangelista não vingou. Não chegou a Minas Gerais. O Império, no entanto se envolveu no processo de instalação de Estradas de Ferro. Em 9 de fevereiro de 1855, o Governo Imperial anunciou o contrato de construção da estrada de ferro D. Pedro II, que teria como finalidade unir a província do Rio de Janeiro com a de São Paulo. Os trabalhos foram iniciados em 11 de junho daquele ano .



Em 1864, a D. Pedro II contava com 221 Km de linhas distribuídas por três seções e um ramal . Em 1889, a Estrada de Ferro D. Pedro II era transformada na Estrada de Ferro Central do Brasil. Tornou-se o elo entre o Brasil do interior e sua produção, com o litoral.



Pioneira em Minas Gerais, a Estrada D. Pedro II, uniu a província à Corte.

Os primeiros trilhos na província foram inaugurados em 1º de maio de 1869, com a presença dos ministros da Marinha e da Agricultura . Até Queluz, atual Conselheiro Lafaiete, foi utilizada a bitola larga. A partir desta localidade as linhas foram construídas em bitola métrica prosseguindo para Miguel Burnier, Sabará, General Carneiro, ganhando o rio São Francisco. Assim, a partir de 1869, o território mineiro passou a ser trilhado por várias estradas de ferro, de diversas companhias.


C - A Oeste de Minas


A Estrada de Ferro Oeste de Minas, surgiu do sonho dos bacharéis Luiz Augusto de Oliveira e José Rezende Teixeira, que juntamente com outros membros da comunidade de São João del Rei, constituíram a comissão organizadora da companhia. O ideal do grupo era construir uma estrada de ferro que partindo da Estrada de Ferro D. Pedro II, se estenderia até as margens do rio Grande, no território oeste de Minas Gerais. Através da Lei Provincial n.º 2.398, de 2 de novembro de 1877, o governo concedeu a subvenção quilométrica autorizando a construção da estrada, ligando Sítio (Antônio Carlos) à cidade de São João Del Rei. Em 2 de fevereiro de 1878, foi criada a sociedade anônima com a denominação de Companhia Estrada de Ferro Oeste de Minas. A falta de recursos da nova Companhia definiu a construção de uma linha com bitola de 0,76, que teve o apoio do governo de Minas em 30 de junho de 1879.


A inauguração em 28 de agosto de 1881, do trecho de 100 km de Sítio, atual Antônio Carlos, à São João Del Rei, passando por São José, contou com a presença do Imperador D. Pedro II .A Companhia contava então, com quatro locomotivas, quatro carros de 1ª classe, quatro de 2ª, um de luxo, dois de bagagens e quinze vagões fechados.

Quatro anos após a sua inauguração, em 24 de agosto de 1885, a Companhia Estrada de Ferro Oeste de Minas obteve a concessão para continuar a estrada até a cidade de Oliveira.


D – Uma Nova Capital para uma nova ordem


“Uma cidade é sinfonia
com ásperas
dissonâncias.
(...)
Uma cidade segue o
Ritmo
Ágil ou tosco de homens.
Fala pela voz de criaturas
Imperfeitas e insatisfeitas.
Cresce nas mãos dos
Operários
Canta pelo timbre dos
Poetas
Define-se no porte dos
Guias
Espairece no afã dos
Atletas
Explode na estridência
Das máquinas.
A expressão de uma
Cidade é múltipla.
A beleza de uma cidade é
Instável.
Sua grandeza é Limitada
Á fronteira mesma das
Cousas” (...) ( LISBOA, Henriqueta. 1972. p. 73,74).


Em fins do século XIX, o Estado de Minas Gerais buscando adequar-se à realidade nacional republicana, iniciou os preparativos para a construção de uma nova capital amparado na Lei n.º 3 de 17 de dezembro de 1893, que autorizava a transferência da sede político administrativa, de Ouro Preto para Belo Horizonte.

O sonho de várias décadas de transferir a capital começou a se realizar. A comissão construtora se instalou na região em março de 1894, com o prazo de 4 anos para transformar um pacato arraial em uma capital moderna, revolucionária em suas linhas, sem vínculo com o período colonial ou mesmo com o falido regime imperial .

Um ano depois da instalação da Comissão Construtora no arraial de Belo Horizonte, em 1895, a planta da capital elaborada pelos engenheiros Aarão Reis e Américo Macedo, estava aprovada, dividindo a cidade em zonas urbana, suburbana e rural.

Sobre os escombros da antiga Belo Horizonte desenhou-se o xadrez geometrizante da nova mentalidade da elite brasileira, republicana, progressista e ordeira.

“Belo Horizonte foi planejada e concebida nos parâmetros urbanísticos pré-modernos, teve a missão de simbolizar a ”ordem e progresso” mineiro republicano. Ao longo das suas primeiras décadas de vida, procurou se consolidar como locus da experiência moderna, sendo esta especificamente urbana. Apontar Belo Horizonte como uma cidade moderna significa capacitá-la para a apropriação das principais funções urbanas, que vão transformar a cidade em espaços de representação simbólica. São as suas experiências comercial, industrial e intelectual entrelaçadas que vão transformar a cidade em cultura.”(BELO HORIZONTE: ESPAÇO E TEMPOS EM CONSTRUÇÃO Lemos, Celina Borges. 1994. p. 30).

Esta visão moderna, positivista, “síntese entre Paris e Washington” norteou a construção da capital, pensada para crescer do centro para a periferia.

Na zona urbana delimitada pela Avenida do Contorno, as ruas e avenidas foram projetadas largas, enquanto as ruas das zonas suburbanas destinadas a sítios, chácaras e quintas, apresentavam um traçado menos rigoroso com largura inferior e quarteirões irregulares, muitas vezes acompanhando a topografia do terreno .

“Uma cidade fundada a partir do nada só pode ter uma planta regular; e essa planta , desenhada por um engenheiro geômetra, leva em conta sua prática profissional, respondendo ao ideal de regularização em vigor no meio dos politécnicos progressistas.

Belo Horizonte foi criada num momento de transição, em que se operavam mudanças do discurso urbanístico internacional: o retorno aos traçados serpenteados e a adoção de traçados policêntricos levando em conta as curvas de nível preconizadas por Camillo Sitte, são-lhe de pouco posterior. O traçado adotado, baseado no xadrez, era consagrado para as cidades novas provavelmente devido à facilidade de loteamento; enquanto a superposição de diagonais que obedecia à “lógica dos fluxos”, da aeração e da comunicação, adotadas na Paris haussmanniana, já era comum na tradição americana.”(SALGUEIRO, 1997. P. 155).

Para construir essa cidade de forma ágil e em curto espaço de tempo, era necessário mão de obra, material, e claro, transporte eficiente destes ingredientes imprescindíveis à Comissão Construtora. O Transporte rápido eficiente e moderno como a capital que se pretendia construir, era o trem e seu caminho de ferro.

Desde 1893, quando dos estudos das localidades para a instalação da nova capital, Aarão Reis manifestava “especial atenção à viabilidade de implantação de um sistema geral, estadual e urbano de vias férreas, estudando as conexões possíveis a partir da rede de estradas existentes ou por criar, tomando-se a Capital como centro” .

“O ideal do dr. José de Magalhães e o da maioria dos engenheiros e arquitetos modernos e que consiste em substituir as velhas e pesadas carcaças de pau, encascadas na não menos velha e pesada alvenaria de pedra, pelas elegantes, leves e racionais construções de ferro e tijolo, ainda não pode ter cabida, num lugar distante do litoral em mais de cem léguas e, quando para aproximar essa distância, temos apenas, como recurso, o serviço insuficiente e moroso, da nossa Estrada de Ferro Central do Brasil!” (Minas Gerais,05 dez. 1894. p. 3).

Assim, as primeiras medidas tomadas pela Comissão Construtora foram referentes à implantação do ramal férreo de entroncamento com a Estrada de Ferro Central do Brasil e a estação de General Carneiro, construída nas imediações da nova cidade, em formato singular: um triângulo isósceles. Interessava à Comissão a instalação de linhas urbanas para o transporte rápido e fácil de material para os canteiros de obras dos edifícios em construção em toda área urbana. Este ramal de Belo Horizonte, foi construído a partir da Estação de General Carneiro localizada no quilômetro 590 e inaugurado em 1893. Em seu relatório referente à construção do ramal, o Dr. Francisco Sá, Secretário de Estado dos negócios, informa:

“Foi inaugurado no dia 7 de setembro de 1893 o ramal ferreo que liga a Estrada de Ferro Central do Brasil á nova capital do estado de Minas.

Esse ramal entronca-se na estação de General Carneiro a 8 kilometros de Sabará, na Barra do Ribeirão Arrudas. As condições do entroncamento no kilometro 589 + 700 da E. F. Central são firmadas no accordo auctorisado pelo governo em 31 de agosto de 1894.

A extensão total do ramal inclusive desvios, no qual despendeu-se ate 31 de dezembro (1896) com o competente material rodante, estações, acessórios, etc., a quantia de 2.091:907$379 é de 19.066 metros, 14.780 metros daquelle e 4.286 metros destes.

Impondo-se a necessidade do trafego para transporte de passageiros, bagagens e mercadorias por esse ramal, sobre proposta do engenheiro chefe da Comissão Constructora, de 21 e 27 de setembro de 1895, aprovei a tabella de vencimento provisorios para o pessoal e bem assim e com o mesmo caracter, as respectivas tarifas”.

(Minas Geraes, 20 ago. 1896. P. 6. Relatório do Sr. Dr. Francisco Sá).



II – A ESTAÇÃO CENTRAL DO BRASIL – Portal da modernidade


“A praça é como um vaso aureo, de louça um filtro de antiquissimas essencias...
Na penumbra aromal como balouça
A cabeleira empoada das hortencias”.
Cesar Burnier.


Para a agilizar a construção da capital nada mais certo e evidente que a utilização do mais moderno e rápido meio de transporte da época. O material de construção, operários, construtores e futuros moradores chegaram pela estrada de ferro ao grande canteiro de obras em que se tornou o arraial de Belo Horizonte.

“... era um dos assumptos de maior importância e que devia ser desde logo attendido a construção do ramal ferreo, visto carecer a comissão de importar toda especie de material do trabalho, e para elle convergiam todas as atenções de modo tal que em junho achavam-se e eram approvados todos os seus estudos pelo governo.
Esses estudos comprehendiam não só os projectos das Estações “General Carneiro” e “Minas”, como tambem os planos definitivos do traçado do ramal, que a partir do ponto de entroncamento da central, desenvolve-se á margem esquerda do ribeirão dos Arrudas, sempre em rampa ascendente e pequenos trechos de nível, até seu ponto terminal, não apresentando em toda a sua extensão de 15 kilomentros nenhuma obra d’arte de maior importancia”. (Minas Geraes, 7 set. 1895. p. 4-6).


A área escolhida para a implantação da futura estação da capital, próxima ao rio Arrudas, foi considerada ideal pela Comissão Construtora. Em 1894, foi apresentada a proposta do Sr. Júlio Porta & comp., para a construção da Estação Central em que se obrigavam a fazer a redução de 2% sobre a tabela e a terminar a obra no prazo de 9 meses, depois da chegada do lastro a Belo Horizonte.

Logo depois foram apresentadas outras propostas:

- A do Sr. Antônio Gonçalves de Almeida, de 9 de julho de 1894, para a preparação da parte da esplanada da Estação de Minas e do leito do 1º trecho do ramal;

- a do Sr. Domingos Alves de Oliveira, também de 9 de julho, para o 2º trecho; outra, de 1º de agosto;

- a do Sr. Januário Marques Barbosa, para construção de uma casa para residência e três para turmas;

- a do Sr. Joseph Lynch para a preparação do 3º trecho do canal;

- a de 11 de agosto dos Srs. Francisco Soucasaux, Eduardo Edwards e Alfredo Camarate, para construção da estação do entroncamento;

- outra proposta também dos Srs. Soucasaux, Edwards e Camarate, para a construção de um abrigo para máquinas, oficina e forja, bem como uma casa para residência do Agente da estação do entroncamento .


Sobre a Casa do Agente, os construtores enviaram uma carta comunicando ao engenheiro–chefe a instalação da pedra fundamental:

“Arrudas, 1º de novembro de 1894 – Os abaixo-assinados, empreiteiros da Estação do Entroncamento do Ramal Férreo de Belo Horizonte, têm a honra e satisfação de comunicar ao digno Chefe da Comissão Construtora da Nova Capital de Minas que, no dia 1º de novembro de 1894, foi lançada a primeira pedra nos alicerces de casa da residência erguida junto à mesma estação. Cabe, portanto, à modesta firma Edwards, Camarate & Soucasaux a glória de haver construído o primeiro alicerce da futura capital do Estado de Minas, confiada ao zelo e competência do Dr. Aarão Reis. Os empreiteiros, Edwards, Camarates & Soucasoux”. (BARRETO, 1995. p.61)

As pedras fundamentais das estações de General Carneiro e Minas, ainda não estavam assentadas em novembro daquele ano . Entretanto, no ano seguinte, em 7 de setembro de 1895, inaugurou-se oficialmente o ramal férreo ligando a nova capital em construção com a Estrada de Ferro Central do Brasil. Neste dia assentou-se também as pedras fundamentais dos principais edifícios públicos na cidade .

A planta da Comissão Construtora previa para a área da Estação, uma praça logo em frente ao futuro prédio da estação, cartão de visitas aos forasteiros, visitantes ilustres e quem mais viesse conhecer a capital de Minas Gerais.

“Ocupando o fundo de uma bela praça de 200 por 100 metros, que seria cortada longitudinalmente pelo ribeirão Arrudas, convenientemente canalizado e transposto, bem em frente à Estação por elegante pontilhão já projetada, sendo as ribanceiras taludadas e gramadas. Uma alameda dupla de 20 metros de largura de cada lado acompanharia o ribeirão em todo o seu percurso dentro da futura cidade desde o Parque até o arrabalde do Pinto. A enorme esplanada da lagoinha, que ficava em frente á Estação, seria naturalmente o futuro bairro comercial, para cujo arruamento já estava em estudo um anteprojeto bem combinado. Dá praça da Estação partiria, perpendicularmente a esse importante edifício, a avenida do Comércio, de 50 metros de largura, com passeios de 4 metros junto aos prédios, via dupla para carros e ‘tramways’ , dois renques de árvores frondosas com passeios, e, no centro, estrada areiada, de 8 metros de largura, para cavaleiros. Esta avenida iria terminar numa praça junto ao ribeirão onde ficaria reservado espaço para o futuro teatro”. (BARRETO, 1936. P. 165.)


Para servir de Estação provisória foi construído um barracão de madeira sobre baldrame de pedra seca com 20 metros por 5, com plataforma coberta de zinco, destinada á agência, telégrafo e armazém de mercadorias. Ao seu lado, construiu-se um outro barracão com cerca de 30 metros por 7 metros, para depósito de materiais de construção. Logo essas construções provaram serem insuficientes para o fluxo de 80 carros diários que transitavam pelo ramal já em 1896.

Aarão Reis, em maio de 1895 já havia exposto ao Presidente do Estado, Dr. Crispim Jacques Bias Forte as características do prédio da Estação de Minas a ser construído no local:

“Quanto à Estação Central (Minas) que terá de ser levantada como pórtico, na nova capital, procurei dar-lhe não suntuosidade descabidas nem mesmo luxo artístico dispensável, mas toda a elegância, todo o conforto e todas as comodidades, cujas faltas seriam imperdoáveis na Estação Central de uma cidade do século XX”. (Praça da Estação origem e Destino, 1981. P. 45)

Em outra exposição, agora da Comissão Construtora da Nova Capital, temos a seguinte descrição da Estação a ser construída:

“... A estação Central será, incontestavelmente a melhor, a todos os respeitos, de quantas há nas estradas da América do Sul. Desde a imponente fachada principal, que ocupará o fundo da vasta praça retangular, cortada longitudinalmente pelo ribeirão Arrudas, canalizado, até o vasto armazém que completará, do lado oposto das linhas de trilho o corpo central da estação, tudo concorre, nesta construção para constituí-la uma das melhores obras que se tem construído nas vias férreas brasileiras. Duas amplas plataformas de 7 metros de largura cada uma, dispostas de um e outro lado de leito, que contará nesse ponto 4 linhas de trilhos, sustentarão, por meio de 60 belíssimas colunas de ferro em linhas paralelas, enorme zimbório metálico de imponente e magnífico efeito.
Além do corpo principal terá mais esta estação, um abrigo para máquinas e carros, um girador, carvoeira, residência para agentes, etc., etc.
...A fachada principal da estação Central ocupará, como dissemos, toda a face do fundo de uma grande praça de 200mx100m, cortada, no sentido de maior eixo, pelo ribeirão do Arrudas, convenientemente canalizado com seus barrancos gramados, e atravessado por elegantes pontes das a do centro se denominará “David Campista” em recordação ao ex-secretário da agricultura.”(Arquivo Público Mineiro. Comissão Construtora da Nova Capital - Revista Geral dos Trabalhos. P. 99.)


O primeiro e mais arrojado projeto, para a Estação foi orientado pelo engenheiro Hemilo Alves sob indicações do Engenheiro Chefe, Aarão Reis, contando com a participação do primeiro desenhista Edgar Nascentes Coelho e do desenhista de 1ª classe, José Verdussen. O edifício principal da Estação teria 58 metros de frente e 16 de altura, “até o cimo das balaustradas da platibanda, sendo a parte central coroada por um relógio” . Posteriormente, o projeto da Estação de Minas, foi completamente modificado, agora sob orientação do arquiteto José de Magalhães e contando com a participação dos arquitetos e desenhistas Edgar Nascentes Coelho e José Verdussem. Sofreu modificações “de modo a conter outras disposições, mais de accôrdo como fim a que é destinado”, que reduziram os custos da obra a menos da metade do que se previa. O plano Geral apresentado originalmente pela Comissão Construtora para a Estação e seus arredores, previa a construção da Estação, armazém, residência do Engenheiro (ainda existente), residência do Agente, carvoeira, depósito do material rodante, caixa d’água e área para a instalação de um hotel .

Para suprir a necessidade de situar melhor o armazém de importação, sem contudo prejudicar o espaço da praça, a Comissão modificou o traçado do ramal na chegada à Estação. Já nesta época construiu-se uma linha até a Praça da Liberdade com 2.223 metros, e ramais para a Pedreira de Calcário, para o reservatório do Cercadinho, para o local do “Congresso”, Palácio da Justiça, para a Pedreira de granito no Morro das pedras e para as pedreiras da Viação e Lagoinha, além de servir ás três olarias mais importantes, numa extensão total de 20 quilômetros.

A Estação Central construída, na verdade, muito diferente do ideal projetado, entretanto foi também elogiada pela sua beleza e linhas:


“A Estação de Minas, pela sua belleza e topographia é uma das melhores e primeiras dentre suas congeneres.
Construída em um terreno suavemente inclinado á margem esquerda do ribeirão “Arrudas”, no limite da área destinada à cidade, no fundo de uma bella praça de 200x220 ms. o seu conjunto agrada extraordinariamente.
É um edificio com 2 pavimentos e uma torre de 23 ms. de altura de onde se disfructa um magnifico panorama.
Nesta torre esta collocado um mostrador que muito realce dá ao aspecto geral do edificio que mede 58 ms. de frente e 16 de altura.
Na frente há entradas latteraes, em rampas macadamisaddas para carros, sob um portico.
A “gare” é extensa e grandemente espaçosa.
Ao seu lado está o grande armazem com uma area de 580 m2. O serviço de recepção e entrega de cargas é feito completamente independente do da estação, havendo plata-formas para entrada (de um lado) e sahida (do outro) dessas cargas.” (LIMA, 1900. P. 16-17.)


Um acordo entre a diretoria da Estrada de Ferro Central do Brasil e o engenheiro Chefe da Comissão Construtora, definiu em 2 de dezembro de 1895, o transporte de 2. 400 toneladas de cargas do Rio de Janeiro até a Estação de General Carneiro por um período de um mês, através de 3 locomotivas e 50 vagões fornecidos pelo Estado .

Em frente a Estação, além da canalização do Arrudas, a Comissão empreendeu a construção da ponte “David Campista” no centro da futura praça. O projeto esboçado pela 3ª seção foi concluído pela 2ª seção a cargo do Dr. Bernardo Figueiredo.

“Esta ponte – que lembrará os esphorços que, para a mudança da capital, desenvolveu o illustre ex-Secretario da Agricultura, Commercio e Obras Publicas – foi projectada com economia, talvez excessiva, trantando-se de uma obra que se tornará tão saliente pela posição que vai occupar na futura Capital.
Essa economia é, entretanto, justificada, pela emergencia que há em concluir-se aquella ponte pela qual deverá transitar todo o material de construcção, e cargas de toda natureza, que tiverem de se utilizar do ramal ferreo.
A aboboda, os muros lateraes e os parapeitos, deveriam ser de cantaria, si não houvesse essa urgencia; pois, esse trabalho, moroso por sua natureza, exigiria alguns meses para ser concluido, especialmente sendo o primeiro desse genero feito na localidade onde ainda não há pedreiras de granito, ou gneis, em franca exploração, nem o pessoal de canteiros necessario.
Em cerca de 650 metros cubicos, que representam a cubação desta ponte, somente 6 serão de cantaria, devendo ser essa, empregada na ornamentação dos parapeitos.
A aboboda foi projectada com alvenaria de tijolos, e os encontros e os muros das faces, com alvenaria ordinaria de pedra.
Os muros dos parapeitos serão de alvenaria de tijolos com argamassa e reboco de cimento. (Revista Geral dos Trabalhos, abr. 1895, p. 71).

Á época da construção do pontilhão David Campista, vários lotes foram vendidos para construções mistas na área pensada para o bairro comercial na Avenida do Comercio, hoje Santos Dumont, até o mercado, atual Rodoviária.

Antes mesmo da inauguração da Capital, a região nas proximidades da Estação já apresentava quarteirões em formação com restaurantes e edificações novas pertencentes em sua maioria a imigrantes italianos, atraindo ao local, principalmente aos domingos, um movimento regular de transeuntes .

Assim que ficaram preparadas as 7 primeiras seções urbanas e suburbanas contíguas da cidade, compostas por 3 639 lotes, foram doados e vendidos a funcionários públicos 553 lotes. Outros 557 lotes foram doados a proprietários de Ouro Preto e apenas 14 foram adquiridos por ex-proprietários de Belo Horizonte. Dos lotes restantes, 417 ficaram reservados para a Comissão Construtora, sobrando 2 158 lotes destinados à venda.

Na primeira concorrência pública de 10 de agosto de 1895, foram vendidos 135 lotes na área urbana. Nas 6 seções suburbanas foram vendidos em 1 de setembro de 1895, os primeiros 48 lotes a preços mais baixos que os lotes urbanos .

A destruição do lugarejo antigo e a construção da nova cidade exigiu braços e eles vieram de diversas regiões do país e do mundo em busca do sonho. A imigração européia a partir da segunda metade do século XIX veio ocupar o espaço deixado pela mão-de-obra escrava. Na década de 1870 o país recebeu mais de 20 000 italianos, o maior contigente de imigrantes dentre todas as nacionalidades. A partir da década seguinte e até o fim do século, o número anual de imigrantes superaram a casa dos 100 000.

Quando da construção da nova capital mineira em fins do século XIX, a Europa vivenciava problemas econômicos derivados do desenvolvimento do capitalismo, que excluíam milhões de indivíduos. A estes restava a procura de novos mercados, novos lares onde pudessem sobreviver com dignidade. A América aparecia como esse novo eldorado atraindo imigrantes da Itália, Reino Unido, Alemanha, Áustria, Irlanda, Espanha, Portugal e mesmo de países nórdicos. A construção de Belo Horizonte atraiu imigrantes, em sua maioria, naturais da Itália, Portugal e Espanha, política confirmada pelo ofício de 12 de agosto de 1895, do Dr. Francisco Bicalho, Chefe da Comissão Construtora, solicitando ao Secretário da Agricultura providências para aquisição de trabalhadores:

“Tendo os serviços incumbidos a esta Comissão entrado em época de maior desenvolvimento e sendo evidentemente insuficiente o número de trabalhadores que atualmente procuram esta localidade, tomo a liberdade de lembrar a V. Exa. A conveniência de estabelecer aqui uma hospedaria de imigrantes, fazendo a Inspetoria de Terras e Colonização dirigir para ela principalmente imigrantes solteiros, que queiram dedicar-se a serviços por salários, prestando-se esta Comissão a levantar e fornecer o barracão necessário para o primeiro agasalho, logo que tenha recebido as instruções necessárias daquela repartição e aquiescência de V. Exa.”(100 Anos da Indústria. p. 22,23.)

Esse contigentes imigratórios de trabalhadores esperavam de Belo Horizonte a realização do sonho de “fazer a América”. Muitos imigrantes, artesãos especializados e qualificados ocuparam lugar junto à equipes de trabalho da construção, com destaque para os italianos, que em 1912 representavam 67,7% dos estrangeiros . Alguns enriqueceram devido a experiência na área industrial adquirida na Europa. Para a maioria, no entanto, a realidade se mostrou diferente. Nos traços geométricos da nova cidade, não havia espaço para operários e aventureiros. Aos construtores braçais, sobraram as margens do sonho, no limite determinado pela avenida que contornava a área urbana da capital projetada. Assim expulsa da área central a multidão de migrantes e imigrantes que construiu o sonho elitista buscando em suas arestas a oportunidade de um futuro melhor, ocupou as áreas menos nobres das seções suburbanas com suas edificações simplórias de sobrevivência precária.

No alto da Estação ou “favela”, parte do atual bairro Floresta, na altura da rua Sapucaí, se desenvolveu ainda nos primeiros anos, um núcleo populacional de casebres mal alinhados. Já em 1896, com autorização das vendas de lotes suburbanas, o governo tentou ordenar as construções, estipulando o prazo de dois anos para a edificação de imóveis permanentes. A 10 réis por metro quadrado, operários e moradores de cafuas se tornaram a partir de 1898, proprietários de lotes sendo obrigados a construir casas de acordo com os padrões estabelecidos pela prefeitura .

Na região da antiga fazenda da Boa Vista, ex propriedade de João José da Cunha, da qual fazia parte a “Favela”, as primeiras edificações permanentes do Bairro Floresta começaram a surgir. Em agosto de 1896, antes mesmo da inauguração da capital, dinâmico industrial e construtor português, Antônio Teixeira Rodrigues, (o Conde Santa Marinha) construiu à avenida 17 de dezembro, limítrofe com as ruas do Ramal e Januária, o prédio onde instalou uma serraria, uma oficina de cantaria, uma fundição, uma ferraria, uma carpintaria, além de moinhos para cereais e torrefação de café. A sua imponente residência foi construída pouco depois nas imediações do prédio industrial . Ainda neste período foi instalado na subida da Avenida 17 de dezembro, o Hotel Floresta, casa boêmia dos senhores Carlos Monte Verde e Eduardo Spitler que teria emprestado à região o famoso nome .

Nos anos 1899-1902, na gestão do prefeito Bernardo Pinto Monteiro, as 300 cafuas do Alto da Estação e de outros pontos, juntamente com as 600 do leitão, somando uma população de 2000 pessoas, foram removidas para a 8ª seção suburbana onde receberam títulos provisórios para o estabelecimento de suas edificações .

“ No momento actual volve esperançado quem se dispuzer a percorrer a cidade, vendo as obras que a certeza do futuro de Bello Horizonte inspira e emprhende, aquilatando do capital enorme que dia a dia entra e se emprega, apezar da momentosa crise ...
Bairros hontem despovoados surgem hoje ás nossas vistas topetados de edificios solidos e graciosos; ruas inteiras se alindam e pompeiam nos renques pittorescos das suas arvores, por sobre cuja copa corre maior trama larguissima de fios, que levam o telephone e a luz aos pontos mais longinquos; as linhas de postes e os trilhos do bond completam os beneficios que a administração espalha e mantem escrupolosamente, sem uma reclamação que revele afrouxamento no comprimento do dever.
As casas que hotem vimos fechadas reabrem-se e afastadas as suas persianas, notam-se physionomias extranhas, de pessoas que demandam a cidade, cujo o progresso fará o seu definitivo advento, mal se evolem das chaminés as fagulhas e o fumo, silvando os motores das fabricas cuja proficuidade breve verificada sua installação, se estenderá pelos logares visinhos por toda nossa terra” (Minas Geraes 13 maio 1902. Texto não assinado. p.1).

A inauguração da cidade denominada “Cidade de Minas” aconteceu em 12 de dezembro de 1897 através do decreto n.º 1 085. O trem com a comitiva de autoridades: secretários de Estado, Chefe de Polícia, Congressistas Estaduais, diretoria da comissão de festas , representantes da Comissão Construtora e da Guarda Nacional, desembargadores, comandante da Brigada Policial e outros que foram de encontro ao Presidente do Estado chegou a General Carneiro às 11 horas do dia 12 de dezembro. O trem do Presidente chegou a General Carneiro às 12 horas e quarenta minutos. O comboio inaugural composto de 13 carros chegou á Estação de Minas às 14 horas, sendo recebido por bandas de música militares e grande multidão:

“Às 2 horas precisamente, ao silvo prolongado das 2 locomotivas na curva da entrada de Belo Horizonte, por todos os pontos da nova cidade estrugiram girândolas e dinamites, ao passo que, na grande praça da Estação de Minas, dez mil pessoas seguramente aclamaram delirantemente o sr. Presidente do Estado, seus auxiliares de Governo e a Comissão Construtora, enquanto as bandas musicais eletrizavam a multidão com o Hino Nacional. (...)
Mas, como dizia desembarcados o Presidente e sua comitiva, formou-se o grande cortejo, que se pôs em movimento, rumo à praça da Liberdade. Na praça da Estação, o esquadrão de cavalaria, em uniforme de grande gala, depois de prestar continências ao chefe de Estado, segue-lhe os passos prestando guarda de honra. Transposto um alto e vistoso arco triunfal ali elegantemente erguido, já na ponte ‘David Campista’, foi o presidente Bias Fortes saudando pelo advogado dr. Alfredo Guimarães, em nome da Comissão dos festejos populares e do povo de Belo Horizonte, ao qual agradeceu S. Exc. Em eloqüente e emocionado discurso, reivindicando para o Congresso Mineiro e para o conselheiro Affonso Penna a grande parcela de glória atribuída ao Governo do Estado na construção da nova Capital.
Sempre, envolvido pelas mais expressivas demonstrações de regozijo popular, prosseguiu o cortejo, a pé, pela rua dos Caetés”. (Barreto, 1936. p. 724)

Ainda no século XIX, em 2 de julho de 1898, o Governo preocupado em expandir o tráfego ferroviário, concedeu a Joseph De Jeagher, através do decreto n.º 1 152, o privilégio para construir e explorar uma estrada de ferro partindo da capital e indo de encontro a Estrada de Ferro Oeste de Minas na Estação de Gonçalves Ferreira. Os estudos para a efetivação desta estrada foram contratados ao engenheiro Joaquim Domingos Leite de Castro em 9 de agosto daquele ano.

Paralelamente, em 13 de dezembro de 1899 ocorreu oficialmente a encorporação do ramal férreo da capital à Estrada de Ferro Central do Brasil através de termo de recebimento:

“Aos 13 dias do mez de dezembro 1899, presentes na Estação da Capital de Minas os srs David Campista, secretario das Finanças do Estado de Minas Geraes, por parte do governo do mesmo Estado, e dr. Alfredo Eugenio de Almeida Maia, e dr. Da E. de F. C. do Brasil, foi este declarado que, auctorizado por aviso n. 119 de 30 de novembro último, do Ministério da Industria Viação e Obras Publicas, recebeu para ser encorporado à E. F. C. do Brasil, o Ramal Férreo da Capital do Estado de Minas, vendido à União por escriptura lavrada em notas do tabelião Evaristo Valle de Barros, com todos os edificios e dependências, mobilia, material fixo, rodantes e telegraphico, locomotivas, carros e wagons, etc., etc., constantes do inventario apresentado e acceito para a transação effectuada. (...)” (Minas Geraes, 14 dez. 1899. p. 4.)



III – O Novo Século e a nova Capital


Nos primeiros anos do século XX, a cidade de Belo Horizonte obteve um bom crescimento, favorecido principalmente pela política de incentivos do governo, concedendo terrenos, luz elétrica e isenção de impostos às industrias que viessem para a capital . Enquanto em janeiro de 1894, a população da cidade era de 2 600 habitantes, passando a 3 500 no fim deste mesmo ano, em 1900 a população chegou a 13 500, alcançando a casa dos 40 000 em 1912 .


O Prefeito Bernardo Pinto Monteiro iniciou a arborização da Praça da Estação em 1900, dando prosseguimento ao embelezamento da porta de entrada da cidade . Em novembro de 1902, o Prefeito da Capital, Coronel Francisco Bressane, contratou para o ajardinamento da Praça da Estação e da Liberdade, o Sr. Antônio Nunes de Almeida, que já à época, apresentou os projetos para as obras . No entanto os trabalhos só foram iniciados em 1904, tendo como ponto de partida o lado da rua da Bahia . O projeto previa jardins nos dois lados da praça entre as margens do rio Arrudas, com uma fonte a ser implantada entre a rua Caetés e a avenida do Comércio e um coreto nos canteiros entre esta avenida e a rua Guaicurus. Os trabalhos iniciados em julho daquele ano foram concluídos somente em 4 de setembro de 1906 .

“Iniciei a arborização da praça da Estação. Também mandei arborizar o cemitério e os arredores de todas as caixas d’água e de areia, achando-se concluído esse serviço. Tem presidido a escolha das árvores o maior cuidado, se bem que tenha essa Prefeitura encontrado as maiores dificuldades em obter mudas.
As qualidades principais empregadas são: magnolias, terminaleas, accacias, deannospeas, saboeiras, malvaceas, castanheiras, dilenéas, jambolanos, synamomos, tamarinho, ficus benjamim, amoeirras, eucalyptus, palmeiras imperiaes, oytis, sassafraz, flamboian.” (Mensagem ao Conselho Deliberativo da Cidade de Minas, 19/7/1900, prefeito Bernardo Pinto Monteiro).

A Estação cumpria o seu papel de portal de entrada e lugar de recepção de figuras ilustres do Estado e do país, que vinham conhecer as maravilhas arquitetônicas e urbanísticas que se construíam no centro do Brasil. Em 1903 a cidade recebeu Santos Dumont ,“Pai da Aviação”, em acalorada recepção:


“O chamado Pai da Aviação, Alberto Santos Dumont, que acabava de deslumbrar Paris com seus célebres vôos, com que comprovou ser possível dirigir as aeronaves, visitou Belo Horizonte em 21 de de setembro de 1903.
Grande multidão aguardava a chegada do ilustre aviador que desembarcou na Estação da Central pelas 11 horas da manhã. O povo prorrompeu em estrondosas aclamações ao “Herois dos Ares” que, ao sair do vagão, agradecia risonho a todos, tendo na mão seu conhecido e famoso chapéu “Panamá”.
(...)
Recebido com música e entusiasmos, foi pôsto à disposição do Pai da Aviação um landau para conduzi-lo ao centro da cidade. Populares desatrelaram os animais do landau e levaram este, não obstante os protestos de Santos Dumont. (MOURÃO, 1970. P. 65,66.)


Outras visitas ilustres recebiam a mesma ovação, quase um ritual a ser cumprido pela população e autoridades, que consistia em banda de música, discursos, aclamação, fogos de artifício e cortejos gigantescos pelas ruas da cidade culminando na Praça da Liberdade. O mesmo ocorria com as despedidas, e velórios de figuras importantes da política. A mesma multidão que assistia a chegada, despedia entusiasmada e emocionada. Foi assim com os reis belgas em visita a cidade em 1920:


“A chegada de suas majestades à capital foi no dia 2 de outubro de 1920, em trem especial da Estrada de Ferro Central do Brasil. (...)
O comboio real que trazia os ilustres visitantes constava das seguintes peças: um carro salão; um carro de fumar, um carro dormitório do Rei e outro da Rainha; um carro para o Presidente da República e seus convidados e mais um carro de administração e outro de expediente e bagagem.
A chegada foi pela manhã, aguardada por grande multidão que se espalhava pela Praça da Estação e trajeto dos carros que conduziam os reis e a comitiva.
(...)
Na gare, esperavam os ilustres hóspedes: o Presidente Artur Bernardes, senhora e filha; Dr. Afonso Pena Junior e senhora; General Setembrino de Carvalho; o Prefeito Afonso Vaz de Melo; Dr. Júlio Otaviano e senhora; Desembargador Artur Ribeiro e senhora; cônsules, oficiais, representantes da imprensa e outras personalidades.
Ao desembarcar o casal de soberanos, foram feitas as apresentações de estilo, tendo a seguir, o Sr. Prefeito oferecido à Rainha um ramalhete de flôres naturais, com suas saudações.
O povo que enchia a Praça da Estação, ovacionou os soberanos agitando bandeiras belgas e brasileiras. A artilharia deu uma salva de 21 tiros em honra dos augustos hóspedes e do Sr. Presidente da República.
A brigada de Infantaria apresentou armas, sendo tocado a “Brabanconne” – Hino Nacional belga e o Hino Nacional brasileiro. D.M. o Rei Alberto prestou, então continência às bandeiras. (MOURÃO. 1970. p. 281,283)


Os jardins bem cuidados, em 1907 receberam vários bancos idênticos aos do Parque Municipal e o coreto sofreu reformas para receber bandas de música. Quanto a iluminação, ampliou-se o número de lâmpadas de arco existentes em toda a extensão dos jardins . Neste ano, 1907, foi implantada uma linha de bonde que ligava a Estação ao restante da cidade.

Nas imediações da praça começaram a surgir edificações imponentes, como o prédio que hoje abriga o Centro Cultural, localizado à avenida Santos Dumont, n.º 174, esquina com rua da Bahia. Construído por volta de 1906, foi inicialmente um hotel, depois quartel do 2º batalhão da Brigada Policial e a partir de 1911, sede da Escola Livre de Engenharia e depois Instituto de Eletrotécnica da EEUFMG. Mais tarde, 1920, surgiu o prédio do Instituto de Química da Escola de Engenharia, o edifício Aurélio Lobo, atual Hotel Sul Americano, construído em 1928 e o pavilhão Mário Werneck, construído em 1948.

A cidade em seu nascedouro ainda oferecia poucos atrativos ou espaços de lazer para a crescente população com exceção às retretas musicais que ocorriam nas praças e no Parque:

"Tediópolis: esplêndido nome para esta cidade, pois suas soberbas e largas e desertas e poeirentas ruas são a morada eterna do tédio... Não sei o que seria dos habitantes entediados desta belíssima Belo Horizonte, se não fossem as retretas aos domingos nas praças da Estação, Liberdade e no Parque”. (A CAPITAL, 02 JUL. 1907. P. 2)


A atividade industrial incentivada pelo Decreto n.º 1 516 de maio de 1902 que facilitava a instalação de indústrias na Capital, se concentrou nas imediações da Estação desde os primeiros tempos. O Conde de Santa Marinha foi o pioneiro ao instalar seus galpões do “Empório Industrial” à beira da linha férrea, transformando a área em verdadeira escola de trabalho, com serrarias, oficinas de carpintaria, ferraria, moinhos. Em seguida surgiu a “Industrial Serraria Souza Pinto”, de Antônio Garcia Paiva e Augusto de Souza Pinto, instalada em 1903 e atualmente dinâmico espaço cultural da cidade. Em 1908, Belo Horizonte já se encontrava em segundo lugar no Estado como centro de produção têxtil, perdendo apenas para Juiz de Fora. Contava a essa época com 4 empresas empregando 407 trabalhadores e 270 teares. Alguns anos depois, em 1912, a capital passou a contar com um parque industrial com 91 estabelecimentos, destacando-se dentre estas a Cia Industrial de Belo Horizonte instalada na Praça da Estação, em 1906, que possuía 500 trabalhadores. Esta sólida indústria têxtil acompanhou o crescimento da cidade até os anos 90, quando encerrou suas atividades. No entanto, o prédio ainda mantém a atividade comercial de vendas de tecidos, sendo uma referência para os belorizontinos. A maioria das empresas no entanto, contava com 20 a 50 funcionários. Das 91 indústrias instaladas, 26 eram alimentícias; 11 empresas no ramo de minerais não metálicos; 7 empresas madeireiras; 36 de vestiários e outras 11 de diversos ramos . Outro importante estabelecimento a se enraizar nas redondezas da Estação, foi o “Estabelecimento Industrial Mineiro”, fundado em 1909 pelo italiano Paulo Simini. Esta indústria fabricava alimentos massas, licores, águas minerais, vinhos, chocolate, doce, cerveja e até mesmo charutos, cerâmicas e confetes. Em sua dependências empregava cerca de 40 funcionários . A Crise que ocorreu entre os anos 1914 a 1918, interrompeu por algum tempo o dinâmico crescimento da cidade, devido a dificuldade de se obter materiais de construção. Neste período a prefeitura municipal passou por séria crise financeira obrigando a diminuir os incentivos à indústria como a concessão de lotes e energia elétrica.

Com relação às atividades comerciais, em 1913 a Avenida do Comércio já concentrava grande atividade atacadista, contendo inúmeras fábriquetas, pensões, hotéis, barbearias, botequins, alfaiatarias, casas de modas, confeitarias, casas de bilhar, etc. Já a esta época existia uma Escola de Comércio, destinada a ministrar conhecimentos práticos relacionados à atividade, com cursos que duravam dois anos .

Todas esta atividade industriais aliadas às atividade comerciais da redondeza davam à Praça da Estação o caráter de quase Centro, onde a economia chegava, nascia e consolidava. Operários transitavam em meio às novidades e assistiam a transformações dos espaços urbanos. O esboço de uma cidade se transformava em realidade.

“ No fim da Segunda década deste século Belo Horizonte parece constituir, economicamente, um centro regional de alguma importância, comparável a outros como Juiz de Fora na Zona da Mata, Barbacena no Campo das Vertentes e Uberlândia no Triângulo. Seu raio de influência, no entanto, não ultrapassa a região imediatamente ao norte, onde ao lado da pecuária, se desenvolvia a cotonicultura e a indústria têxtil”.(MOURÃO, 1970. P. 310, 311.).


Em 1910, aconteceu a inauguração provisória do primeiro trecho da linha da Oeste de Minas ligando Belo Horizonte à Estrada de Ferro Goiás, trecho: Belo Horizonte - Henrique Galvão .

“No ramal da capital mineira para oeste, depois das estações suburbanas da Floresta (antigas officinas do Conde de Santa Maninha), no km. 0, do Prado de corridas, no Km. 4, da Fazenda da Gameleira (Instituto João Pinheiro), no Km. 7, vem a estação de Contagem das Abóboras.” (SENNA, 1909:p. 177).

A Praça da Estação, nas primeiras décadas do novo século recebeu novos adornos como o busto da heroina Anita Garibaldi inaugurado em 21 de setembro de 1913. Prevista para o dia anterior, a festa foi transferida devido às chuvas que caíram durante todo aquele dia:

“Realizou-se ante-hontem, às 3 horas da tarde, com grande solenidade, a inauguração do busto em bronze da heroina brasileira Anita Garibaldi, erigido na praça da Estação.
O acto este concorridíssimo, a elle comparecendo o exmo. Sr. Julio Bueno Brandão, presidente do Estaddo, acompanhado de sua exma. Família e dos srs. Dr. Bueno Brandão Filho e tenente-coronel Vieira Chiristo, official de gabinete e ajudante de ordens da Presidencia; os srs. Drs. Delfim Moreira, Arthur Bernardes e José Gonçalves,secretarios do Interior, Finanças e Agricultura; o sr. Dr. Americo Lopes, chefe de Policia; o sr. Dr. Olyntho Meireles, prefeito da Capital; representantes de associações, familias e pessoas de todas as classes sociaes, além da colonia italiana, ficando literalmente cheia a vastissima praça. (...)” (Minas Geraes, 22 e 23 set. 1913. p. 8.)


No ano seguinte, em 4 de setembro de 1914, a praça conhecida como da Estação recebeu a nova denominação: ”Praça Cristiano Otoni” .

“ A Praça da Estação acha-se entre a rua Bahia, Avenida Amazonas, rua Caethés, Avenida Commercio, rua Guaycurús, rua da Estação e rua Sapucahy.
Bellissimo Jardim com bancos publicos, todo grammado e onde se pode admirar bellas flores da rica Flora Brasileira.
Aformosea a Praça, o rio Arrudas, correndo placido e espelhando em suas aguas christalinas as verdejantes e frondosas arvores do Jardim.
No centro da Praça foi construído um primoroso coreto de ferro.” (VERAS. 1913. P. 300-301.)



Em 1916, iniciaram-se os trabalhos de remodelação da Estação em todas as suas dependências “tendo em vista o arejamento das mesmas por meio de abertura de portas para plataforma e o irrephehensivel aceio que se nota nesta importante repartição” .

Nas proximidades da Estação Central , os srs. Marchiorlatti & comp. Inauguraram no dia 11 de março de 1916 a Serraria Mármore , Companhia à serraria a vapor Garcia de Paiva & Pinto instalada já há alguns anos nas imediações da Praça. Ainda naquele ano de 1916, ocorreu uma concorrência para a construção de muros no pátio da Estação.

As transformações não cessaram de acontecer no ambiente: Um novo restaurante foi instalado nas dependências da Estação em 1917, inaugurado com grande recepção pelo seu proprietário, Coronel Manoel dos Santos Bittencourt.


Três anos depois do início das obras na Estação, em 1919, inaugurou-se a bitola larga unindo Joaquim Murtinho à Capital. Este melhoramento iniciado em 1914 e introduzido por André Gustavo Paulo de Frontin, diretor da Central foi elogiado em matéria da revista carioca, “Tank”:

“...Alem disso, não lhe escapou a circustancia de Bello Horizonte, pela sua posição geográphica, vir a tornar-se em futuro quiçá breve o centro ferro-viario do Brasil e talvez a capital da republica.
Nestas condições, mister se fazia uma estrada de grande bitola que puzesse a cidade em comunicação rapida e commoda com o Rio, sem os inconvenientes da baldeação que o tempo se fazia em Burnier ou Lafayette.
Ainda há pouco inaugurou-se a esta capital festivamente a bitola larga de Joaquim Murtinho a esta capital, e a elle se deve, na maior parte, a realização desse velho sonho dos horizontinos. Foi, o incançavel labutador que, quando pela segunda vez occupou o cargo de director da Central (1910-1914), teve a ideia de construir esse trecho, mandando proceder aos respectivos estudos.
Não lhe passou despercebido que uma linha de caminho de ferro pelo Valle do Rio Paraopeba teria, além de outras e obvias vantagens, enorme importancia para o abastecimento da nosssa capital, de vez que a zona atravessada pela bitola estreita antes de chegar aqui é pauperrima em productos que possam servir áquelle abastecimento”



IV – Os anos Vinte, a afirmação da cidade como Centro Regional


“Dada a grandeza do seu traçado toda gente pensava que Bello Horizonte nunca passaria de uma cidade sem vida, com edificios esparsos.
Mas esse precentimento foi dissipado. Bello Horizonte, agora mais que nunca, desenvolve-se da zona urbana ao ponto mais afastado, uma febre intensa de construções.”(Minas Geraes, 8 março 1912. P. 4)


A capital mineira iniciou a década de 1920 como importante centro regional, tornando-se eixo econômico e comercial das regiões que antes estavam ligadas ao Rio de janeiro e à São Paulo. O crescimento urbano gerou o isolamento da população de baixa renda na áreas além da avenida do Contorno, em bairros e loteamentos que não se articulavam com o traçado da área central. Paul Singer ao analisar a capital na nova década comenta:


“Em 1920, Belo Horizonte já perdera a condição de uma economia essencialmente dependente de suas funções de capital do Estado. Sua indústria adquiria certa expressão, como pode ser verificado pelos dados do Censo daquele ano”. (SINGER, 1968. p. 233).

Nos anos 20, Belo Horizonte assistiu a alterações em seu papel na economia de Minas Gerais, devido instalação de indústrias siderúrgicas em municípios vizinhos, e a expansão da rede viária, ligando a capital a várias regiões. Destaque para a inauguração do ramal de bitola larga da Central do Brasil em fins dos anos 10, com a construção das estações da Gameleria, Jatobá, Barreiro e Calafate, pertencentes a Belo Horizonte . Nos anos 20 a ligação com Divinópolis representou um importante passo a caminho do interior. Em 1930 ocorreu o prolongamento do ramal Belo Horizonte–Santa Bárbara, que permitiu o escoamento da produção para o porto de Vitória, integrando a região do vale do Rio Doce. Esta expansão do sistema ferroviário ligou Belo Horizonte a diversas regiões do Estado alcançando as cidades com produção têxtil: Sete Lagoas, Paraopeba, Curvelo, Pitangui; as cidades com indústrias siderúrgicas: Sabará, Caeté, Barão de Cocais, João Molevade, Rio Piracicaba; e as cidades do sul do Estado e suas indústrias têxteis, de mineração e siderurgia.

Com relação a atividade comercial, a cidade contava em 1923, com 72 hotéis e pensões, 680 casas comerciais, 7 cinemas e 1 teatro .Em termos culturais, a cidade assistiu ao surgimento de novidades como o lançamento da publicação modernista “A Revista”, do grupo de Carlos Drumond de Andrade e a criação da Universidade de Minas Gerais encampando as faculdades de direito, de Medicina, as escolas de Engenharia, Odontologia e Farmácia .

A primeira Estação, logo se mostrou insuficiente para o fluxo de movimento. Com apenas 22 anos de existência, em 1920 iniciou-se a sua demolição tendo como objetivo a construção de novo e amplo prédio. A cidade precisava de uma estação mais ampla, mais condizente com a sua condição de capital em processo vertiginoso de crescimento:

“Prossegue activamente a demolição do edificio da estação da Central, construido há 22 anos para em seu logar ser construido um outro de grandes dimensões, que melhor attenda os serviços da mesma via-ferea, dado o grande desenvolvimento da cidade e consequentemente de todos os serviços que correm por aquella repartição.
O armazem de encomendas soffreu algumas modificações para servir de estação provisória”. ( Minas Geraes, 22 maio1920. p. 5).


As inovações no sistema de transporte e o aumento do fluxo do ramal ligando Belo Horizonte ao Rio de Janeiro favoreceram a renovação urbanística e arquitetônica da praça. Com a necessidade de desafogar e agilizar o tráfego ferroviário, duas obras estavam em andamento em 1920:


A demolição da Estação Central e a Construção da Estação da Oeste de Minas.

Esta ultima, construída pelo engenheiro A.G. Gravatá foi finalizada em 3 de outubro daquele ano em terreno adquirido ao Sr. Francisco Beltrão . A inauguração da Estação Oeste de Minas veio suprir as necessidades da Oeste de Minas que antes possuía apenas um abrigo de carros e locomotivas adaptado para estação de passageiros e mercadorias.

Sua inauguração contou com a presença do Presidente da República, Epitácio Pessoa; dr. Pires do Rio, ministro da Viação; Dr. Raul Soares, Ministro da Marinha; Dr. Clodomiro de Oliveira, Secretário da Agricultura e outras tantas autoridades e representantes da sociedade mineira .A muralha com sua balaustrada, entre a Estação da Oeste de Minas e a rua Sapucaí foi construída à época.

“A nova estação da Oeste é um dos edifícios sumptuosos de Bello Horizonte e uma das construcções mais perfeitas que nós temos solidez sobriedade e qualidade de materiaes empregados.
Ella faz honra a Empreza Schnoor, que possue, actualmente um apparelhamento completo para construcção civis e de estradas de ferro.
A construcção da grande muralha, encimada por sólida e bella balaustrada, veio tornar o ponto do novo palácio da Oeste um dos pontos mais pitorescos da cidade.
A illuminação da via de automóveis, privativa estrada, e de grande effeito, como também a do interior, principalmente dos grandes salões de espera em que se destaca, no tecto, uma decoração de ornatos de fino gosto artístico”. (DIÁRIO DE MINAS, 30 Set. 1920. p. 1.)


Quanto a Estação Central, demolido o antigo prédio, foi construído um novo, projetado por Caetano Lopes, engenheiro-chefe da construção, com desenho do arquiteto Luiz Olivieri. O projeto original sofreu modificações propostas pelo Chefe da Seção de Construção, Pires e Albuquerque sem contudo perder as características iniciais .

A pedra fundamental do novo edifício foi lançada em 7 de agosto de 1920, com a presença do Presidente do Estado Arthur Bernardes, o dr. João Luiz Alves, Secretário das Finanças e do chefe da construção , Dr. Pires e Alburquerque.

A obra durou pouco mais de dois anos, sendo inaugura em 11 de novembro de 1922.

“(...) será hoje inaugurada a nova estação de Bello Horizonte, edificada no mesmo local da antiga e projectada pelo dr. Caetano Lopes, quando engenheiro-chefe da construção, sendo o desenho do architecto Luiz Oliviéri.
É um edificio de grandes proporções, onde todos os serviços que correm por alli passam a ter condigna installação.
Obedecendo ao estylo romano, a nova estação impressiona agradavelmente pela harmonia de suas linhas architectonicas.
No primeiro pavimento estão a sala para o agente e destinada às senhoras, decoradas com muito gosto, existindo outras para o telegrapho e restaurante, tambem decoradas a caracter, tendo as paredes revestidas de azulejo.
O grande e sumptuoso hall, com suas columnas de granito envernizado, é a principal dependencia do edificio, destacando-se os trabalhos de decoração e de estucamento.
O serviço de água, luz e sanitario é perfeito.
Fiscalizou, a princípio, o serviço de construção, por parte do dr. Pires e Alburquerque, o engenheiro Leônidas dos Santos Damazio, auxiliado pelo engenheiro Henrique Gustavo Tamm”. (MINAS GERAES, 12 nov. 1922. P. 7).


Inicialmente fiscalizadas pelo engenheiro Leônidas Damazio, as obras foram entregues à responsabilidade do engenheiro Waldemar Machado de Mendonça a partir do mês de junho de 1922. O engenheiro e industrial Antônio Gravatá, conduziu a construção, cabendo a parte elétrica ao engenheiro Ildeu Ramos de Lima.

A inauguração da nova Estação contou com a presença do Dr. Raul Soares, Presidente do Estado; Dr. Cristiano Machado, Oficial de Gabinete; Fernando Mello Vianna, Secretário do Interior; Alfredo Sá, Chefe de Polícia; Dr. Flávio dos Santos, Prefeito de Belo Horizonte; dr. Ismael de Souza, Diretor da Rede Sul Mineira; D. Antônio dos Santos Cabral, Bispo da Diocese e tantas outras autoridades .


No ano seguinte, 1923, foram iniciados e concluídos os trabalhos de construção da ponte de concreto armado logo em frente a Estação em substituição à ponte metálica David Campista existente no local e transferida para a rua Guaicurus A nova ponte construída pela “Cia. Constructora de Cimento Armado” deveria ser concluída em 4 meses, possuindo 18 metros de largura, 10 metros a mais que a antiga . Neste ano, a praça recebeu novo nome: “Rui Barbosa” em homenagem ao grande jurista.

Fonte da Imagem:Curral del Rey.com  - Viaduto de Santa Terez em construção 


Paralelamente, em fins dos anos 20 iniciou-se a construção do Viaduto de Santa Tereza. Marco importante para a engenharia civil, o projeto de construção sob a direção do Dr. Andrade Pinto, subdiretor da 6ª divisão da Estrada de Ferro Central do Brasil, veio facilitar o acesso ao bairro Floresta .

Quanto aos jardins, estes sofreram remodelações motivadas pelo avanço de 14 metros da construção do novo prédio da Estação, o que implicou na supressão do jardim em frente e a retirada de algumas árvores. O projeto de remodelação, do arquiteto e desenhista Magno de Carvalho, foi iniciado no lado direito do rio Arrudas, em setembro de 1924 . As obras prosseguiram pelo ano seguinte quando foram concluídos o calçamento “a macadame betuminoso”, reparados o calçamento e os paralelepípedos de alguns pontos perto da fábrica de tecidos (atual 104). O Arrudas por sua vez, teve toda a margem revestida de pedra e cercada por balaustres no trecho que atravessa a Praça.

Os jardins na margem esquerda do Arrudas continuaram em obras até 1925. Seguindo o projeto, foram construídos nos jardins, dois lagos e duas pérgulas, calçamento feito em mosaico português ao redor dos jardins e instaladas quatro estatuetas e quatro leões de mármore de autoria do escultor Folini. Em março de 1925 foi concluída a iluminação da Praça Rui Barbosa com a instalação de novos postes de bronze com quatro grandes focos elétricos cada um, sendo reforçados os focos dos antigos postes . O busto de Anita Garibaldi, inaugurado em 1913 foi transferido para o Parque Municipal. Todas as obras foram inauguradas em 6 de setembro de 1926 .

Deste período de modificações dos jardins e da própria Estação temos a descrição sempre oportuna de Pedro Nava em seu livro de memórias “Beira-Mar” :

“Descendo de Floresta a pé ou de bonde era difícil não passar na Praça da Estação. Para mim como esquecê-la? (...).
“...Voltei ao Jardim da Praça da Estação (mesmo caminho de pedra e cacos para meus pés). Fui até ao busto de Anita Garibaldi que se me afigurou enomenorme sobre sua coluna. Esfinge estilita. Não me propôs adivinhações. Arrastei meus passos aos pórticos da Avenida do Comércio e entrei no Éden para afogar as mágoas bailando com putas...”
“Saímos dali para o restaurante da Estação da Central. Depois assistimos ao levantar do dia e emendamos o de ontem com o de hoje.
Estação da Central, Jardim da Praça da Estação... Imagens indissoluvelmente ligadas à do Ribeirão Arrudas. Lembro dele, de minhas andanças nas suas ribas. Quando suas águas passavam sobre o dorso Bahia-Januária, parecia um riacho de roça. Para os lados da estação ele aparecia canalizado, suas margens ligadas por pontes de cimento. Nelas me debrucei muitas vezes em noites de solidão total, deixando pender a cabeça, ficando em pontas de pés, empurrando todo o peso do corpo para a frente, peitoril agora na virilha (só largar, esticar os braços e o equilíbrio será rompido) – vamos, Pedro! Coragem! Mais um impulso e tudo ficará resolvido lá embaixo apenas um corpo meio mergulhado na água um fio de sangue da cabeça quebrada nos calhaus teus miolos rolando Arrudas Velhas São Franciscoceano...” (NAVA,1985. p. 258-260)

Paralelo às reformas nos jardins da Praça Rui Barbosa, em 1924 começou a construção dos novos armazéns da Central, obra empreendida pela firma “Dolabella & Portella. Este melhoramento era reivindicado pela Associação Comercial de Minas Gerais devido ao grande desenvolvimento do comercio da cidade, considerada à época um dos maiores centros de distribuidores de mercadoria do interior do país, ponto de convergência de estradas de ferro para todo o Estado . Em abril de 1925, as obras dos armazéns construídos perto do palacete do Conde Santa Marinha estavam por concluir.


V- As Décadas de 30 e 40 - Mudanças à vista


Nos anos 30, enquanto o centro de Belo Horizonte se valorizava, apresentando os primeiros arranha-céus, á área suburbana se povoava ultrapassando os limites previstos pelos idealizadores da capital. A indústria de bens de consumo se expandiu, empregando em 1936, 1168 operários . Nesta época iniciou-se a implantação da Cidade Industrial, em Contagem, conseqüência de uma política de industrialização e modernidade do Estado.

“Os sobrados e bangalôs vão dar espaço aos prédios. Os bondes, que encurtavam os espaços e propiciavam o encontro, passam a dividir as ruas com os automóveis. Inicia-se decisivamente a apropriação da féerie geométrica, onde o descer e subir, os altos e baixos transgrediam os arbítrios perspéticos do plano. As esquinas agudas e obtusas são apropriadas pelo transbordamento barroco oriundo de Ouro Preto. Havia um intenso diálogo da arquitetura com as esquinas - lugar privilegiado da conversa. Belo Horizonte encontrou o presente, construiu um lugar.” (LEMOS, 1994. p. 35.)

Em 1931 foram concluídas a Planta Geral da Capital com novos projetos de subdivisão; a Planta de modificação de subdivisão de lotes de grande parte da Zona Oeste da cidade e as plantas cadastrais das ex-colônias Américo Werneck e Bias Fortes .A Avenida Amazonas, com a implantação da Cidade Industrial perto de Contagem se transformou em principal via de ligação externa da cidade, unindo a Estação ao polo industrial e este ao mercado de São Paulo. A cidade tornou-se o mais importante centro industrial, comercial e financeiro do Estado, contribuindo para isto a instalação da indústria siderúrgica incentivada pela política do governo de concessão de incentivos, isenções de impostos e taxas às empresas que se instalassem no município. A Zona Industrial de Belo Horizonte, localizada ao longo do Rio Arrudas, entre o bairro de Carlos Prates e o Matadouro Municipal, recebeu mais de 20 novas empresas atraídas pela proximidade do transporte ferroviário e pelas facilidades para descarga industrial nas águas do rio .

“Entre 1930 e 1945, Belo Horizonte oferece aos seus habitantes um espetáculo de beleza, jovialidade e alegre irresponsabilidade. Poetas e escritores elegem-na musa predileta e única. Há uma necessidade de conspirar, revolucionar, inovar, descortinar novos e inquietantes valores.
Nos bondes, bares, e redações dos jornais prega-se um tempo novo. Uma pequena geração de incendiários talentosos dedica-se a incomodar a mesmice das idéias. A vida é esta: Descer a Bahia e subir Floresta. Para a época, uma vida nada besta” (Welber Braga, Antropólogo).


A Praça da Estação ou Rui Barbosa, começou a nova década com reformas: A essa época, os jardins apresentavam certa desordem de plantas e a administração pública resolveu implementar jardins mais simétricos, conservando e simplificando as roseiras existentes que somavam 250 variedades . Em 15 de julho de 1930 foi inaugurado logo em frente a Estação, o “Monumento à Terra Mineira”, escultura em bronze do artista Julio Starace em homenagem ao 150º aniversário do martírio de Tiradentes.

“Na face lateral direita do mesmo bloco central, figura o martírio de Tiradentes. No centro do tablado, vê-se a imagem do Proto-Martir, algemado, rosto alcandorado, na transfiguração do sonho da liberdade. Ladeia-o um miliciano que procura despir-lhe a camisa para vestir-lhe a alva, preparada sobre o tablado, e um religioso que leva ao alferes o conforto da palavra de Cristo. Ao lado direito, ergue-se o patíbulo, vendo-se perto do mesmo o carrasco que segura a extremidade do baraço, posta ao pescoço do condenado, dispondo-se para a execução.” (MINAS GERAES, 16 JUL. 1930. P. 5-7)

Alguns anos mais tarde, em 1936, outro monumento foi integrado à Praça: a “Fonte Luminosa Independência”. A inauguração deste projeto do Sr. Antônio Corrêa Beraldo deu-se na noite do dia 3 de setembro daquele ano, tendo custado 48:500$. Um novo viaduto foi construído ligando a Avenida do Contorno à Praça da Estação acabando com os acidentes constantes que ocorriam nos trilhos da Central.

A região da Estação, ocupada desde os primeiros tempos pelo comércio atacadista, hotéis e pensões, industrias, ainda mantinha em fins dos anos 30, seu status de Portal de Belo Horizonte, recebendo e despedindo as visitas ilustres ou não. Além de elo com o mundo externo, a Estação era o ponto noturno freqüentado pelos boêmios e intelectuais modernistas. São anos de crescimento em que foram ampliadas as concentrações industriais nas áreas desmembradas do Parque Municipal, tendência que não prevaleceu nos anos que se seguiram.

“A Praça da Estação em Belo Horizonte. Duas vezes a conheci: Antes e depois das rosas. Era a mesma praça, com a mesma dignidade. O mesmo recado para os forasteiros: Esta cidade é uma promessa de conhecimento, talvez de amor.
A Segunda Central, inaugurada por Epitácio. O monumento do Starece, encomendado por Antônio Carlos. São feios? São belos?
São linhas de um rosto, marcadas pela vida. A praça de entrada de Belo Horizonte... Conta pra gente uma história pioneira. De homens antigos criando realidades novas. É uma Praça –
Forma de permanência no Tempo.
E merece respeito...” (Carlos Drumond de Andrade)




CAPITULO II – DE PORTAL A PASSAGEM: A MUTAÇÃO DO ESPAÇO URBANO


O dinamismo da economia moderna “desmancha no ar” o que aparentemente é sólido, aniquilando e ao mesmo tempo recriando instituições, ambientes e idéias que sirvam ao novo estágio de criação do mundo. Não seria diferente com Belo Horizonte, cidade que nasceu compromissada com o progresso e por isso mesmo, sujeita às metamorfoses urbanas impostas por ele.

A década de 40 caracterizou-se por uma mudança do quadro político, social e econômico do país, sobretudo devido à revolução de 1930, ao golpe de Estado de 1937 e a grande transformação mundial deflagrada pela Segunda Grande Guerra. O Estado de Minas Gerais apresentava uma nova conjuntura política, novos partidos e uma maior participação popular nas lutas por conquistas políticas. A industrialização do Estado foi dinamizada com a instalação de setores de bens de consumo duráveis e não duráveis.

Para seguir a “tradição do novo”, a região central de Belo Horizonte foi remodelada. A cidade tinha que se adaptar às exigências que a modernidade impunha. A Praça Rui Barbosa, concebida e executada não apenas para atender às necessidades econômicas e políticas de uma época, mas, sobretudo para demonstrar ao mundo como a existência moderna seria vivida, não funcionava mais como reflexo, como expressão simbólica de modernidade. A modernidade de então era outra e novos significados estavam brotando.

Começava a “era do automóvel” e a Praça da Estação não seria mais a porta de entrada da cidade. Significativo foi o pesar do então prefeito Juscelino Kubitschek, em 1941, por não poder substituir definitivamente os bondes que serviam a população por automóveis, devido aos problemas trazidos pela Segunda Guerra Mundial. O amor pelas grandes obras e transformações serviu de certa forma, como uma camisa de força que apresentava esse novo mundo como o único mundo moderno possível.

Iniciou-se o processo de verticalização do centro urbano, com a conseqüente valorização do solo e a substituição das antigas edificações nas áreas disputadas pelas indústrias e comércios atacadistas. As ruas e avenidas foram remodeladas pela administração Juscelino Kubitschek de Oliveira que substituiu o paralelepípedo pelo asfalto. No cenário surgiu a Pampulha, projeto que buscava uma nova ordem sócio-cultural e estética.

Belo Horizonte se expandiu para a zona oeste, com a instalação da Cidade Industrial. No impulso modernizante do Prefeito “JK” foram instaladas avenidas radiais destinadas a integrar as regiões afastadas com o centro urbano, impedindo o congestionamento do trânsito.

Uma rodoviária começou a funcionar em 1941, recebendo 105 linhas de ônibus regulares de transporte intermunicipal. É o início da perda de status e de transformação do portal da cidade. Não se chegava mais à cidade apenas de trem. Os passageiros foram aos poucos desaparecendo, permanecendo apenas o movimento de carga.

“Quando o transporte ferroviário foi desprezado em favor do avião, a “Praça da Estação” foi abandonada pelos seus antigos visitantes ilustres. Abandonada também pelo comércio refinado que se transferiu para a Av. Afonso Pena, viu-se aos poucos abandonada pelos poderes públicos, desvalorizados os terrenos e construções das suas margens. Não sucumbiu porém, se transformou. Adaptando-se aos novos tempos se aliou aos humildes habitantes dos subúrbios que continuavam a chegar e partir nos trens, abriga-os nos inúmeros terminais de ônibus e lhes oferece os serviços variados de fotógrafos lambe-lambe, ambulantes e comércio varejista popular.
Assim , assume o caráter de praça do povo como se conhecesse aquele famoso verso de Castro Alves.
Esta é sua importância atual, talvez a única praça de Belo Horizonte verdadeiramente popular. Do povo, no dia a dia, indo e vindo do trabalho e nas suas grandes Festas do natal e do São João.(forró de Belô).
Aí está a motivação maior de sua preservação: A Praça da Estação, com seus jardins, estátuas, edifícios que o cercam e configuram, constitui ainda hoje patrimônio ambiental do povo que a freqüenta e usa. Não é um local de rica história ou de belos monumentos mortos” (CASTRO, José Carlos Laender de. Parecer para Tombamento, 01 jun. 1981.)

A Capital participava de 31% do produto industrial do Estado. Mesmo com os problemas advindos com a situação do pós-guerra a “Belo Horizonte Industrial”, nos anos seguintes, se firmou como o centro do Estado.

“Um grito porém é preciso dar. Até quando viveremos assim, entregues à própria sorte, criança desamparada, sem um plano, uma rota a guiar os nossos passos? Até quando crescerá Belo Horizonte sem um Plano Diretor, sem uma comissão de Técnicos capazes?”. (Sylvio de Vasconcelos, Arquiteto).


Na década de 50, uma nova era se inicia para as Estação Central e sua Praça.

Sinal dos Tempos.

“Belo Horizonte já não tem mais aquele ar de coisa inaugurada, o tempo já patinou a cidade, o aspecto de feira internacional desapareceu. Hoje o forasteiro não vê mais Belo Horizonte, porque a vive. A cidade não é mais um problema de urbanização forçada, que atrai nossa curiosidade a nossa critica. Hoje, Belo Horizonte é uma cidade como as outras e o que ela tem de excepcional, ou de melhor, não são teorias aplicadas – as próprias teorias foram patinadas pelo tempo e desapareceram – mas conquistas profundamente humanas”(Mário de Andrade, Escritor)

Em 1951, pela primeira vez, uma lei (Lei nº 232, de 08 de julho), pretendeu corrigir as deficiências urbanísticas e planejar novos núcleos de habitação’. Esta lei, promulgada pelo prefeito Américo René Gianetti, foi considerada o primeiro Plano Diretor da cidade. Contudo, o crescimento desordenado e a verticalização prosseguiram nas décadas seguintes.

Ainda no início da década de 50 foram implantados os ônibus elétricos para atenderem ao transporte urbano. Belo Horizonte foi a primeira cidade da América Latina a fazer uso dos trolebus. A primeira linha foi instalada na Avenida Afonso Pena, seguida da linha da Praça Rui Barbosa e Praça Raul Soares.

No final dos anos 50, com aproximadamente 350 mil habitantes, Belo Horizonte ultrapassara, em muito, os espaços de ocupação previstos por Aarão Reis. O centro, sufocado pelo tráfego e adensamento populacional assistiu novamente, a transferência do comércio requintado, dessa vez para o bairro dos Funcionários. Para os pequenos comerciantes que não conseguiam se manter no centro a alternativa foi mudar para a região norte.

O desenvolvimento do transporte rodoviário no Estado provocou a mudança no uso e na clientela da Estação Ferroviária, restringindo-o ao transporte de cargas (principalmente) e a alguns poucos trens suburbanos, intermunicipais e interestaduais. O trem foi perdendo a importância como meio de transporte, para o ônibus, o automóvel e o avião.

Novas modificações foram impostas a Praça da Estação, ainda nos anos 50, com o objetivo de melhorar o trânsito. A praça tornou-se o ponto final de diversos bondes e trolebus, além de suportar o tráfego cada vez maior de automóveis e ônibus. Várias árvores foram derrubadas e os passeios foram recortados para colocação de pontos de embarque.

A década de 60 trouxe a duplicação da avenida dos Andradas, que buscou desafogar o trânsito no centro da cidade. Esta obra atingiu diretamente a Praça da Estação pois diminuiu seu espaço físico, eliminou um lago e removeu monumentos, transferidos para outros locais (dois leões e duas estatuetas representando o Inverno e o Outono. Ficaram as duas leoas e as duas ninfas do lago, a ninfa primavera e a camponesa).

A nova política de transporte terrestre adotada pelo Governo Federal transformou definitivamente o transporte nacional. Em 1966, pela portaria nº 385, do Ministro de Viação e Obras Públicas, foi criado um grupo para substituição das ferrovias e ramais considerados “antieconômicos”. O resultado foi a supressão ou substituição de 9.000 km de linhas férreas em todo o país, sendo Minas Gerais atingido em aproximadamente 2.500 km de ferrovias. Os leitos dos trens deveriam ser aproveitados para abertura de rodovias e parte do patrimônio da Rede Ferroviária (edificações, estações, galpões, áreas, trilhos, etc) que não fossem úteis para o serviço ferroviário poderiam ser requisitados por prefeituras para novo uso.

Esta nova política selou o fim definitivo da “era do trem”. Refletindo esta mudança de status, a Praça Rui Barbosa transformou-se de portal de entrada da cidade em mero local de passagem, seu sentido perdido em meio às mutações do espaço urbano.

No final da década de 60 os ônibus a diesel substituíram os trolebus. Noticias sobre o metrô de São Paulo começaram a chegar a cidade e o então prefeito Souza Lima considerou a idéia de construir uma linha ligando a Gameleira ao Horto. Estudos para a implantação do metrô em Belo Horizonte chegaram a ser realizados, detectando-se os eixos de crescimento na cidade e o aproveitamento do leito da antiga Ferrovia Central do Brasil. O projeto não se consolidou e a idéia somente seria retomada nos anos 80.

Um fato ocorrido em 1969 demonstra exemplarmente, a perda de sentido da Praça enquanto monumento evocativo da grandeza e modernidade da “nova” Capital. Nesse ano foram retiradas de seus jardins outras duas estatuetas em mármore (Primavera e uma camponesa), transferidas para o Palácio da Liberdade.

Conforme declarou o engenheiro Miguel de Paiva, responsável pelos jardins do Palácio do Governo, a transferência se justificava pelo fato de na Praça as peças estarem “jogadas no meio de um mal cuidado jardim, sujeitas a chuvas e trovoadas e dilaceradas pelos passantes”, enquanto em seu novo local elas trariam “imponência” ao Palácio.(1- Grillo)

Entre os anos 60 e 70 houve a consolidação do processo de oligopolização da economia, sustentado pelo Estado durante o Regime Militar. Durante o chamado “Milagre Brasileiro”, o governo mineiro passou a ter condições de atrair investimentos estrangeiros e novas industrias se instalaram na região metropolitana de Belo Horizonte, expandindo a cidade para o norte (Venda Nova, Ribeirão das Neves, Vespasiano e Santa Luzia) e oeste (Contagem e Betim). Para atender as exigências destes novos eixos tecnológicos era necessário um sistema viário dinâmico.

Como solução para os problemas de transporte urbano nas grandes metrópoles do país, foi criada, em 1976, a Empresa Brasileira de Transportes Urbanos (EBTU), que atuou primeiramente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A partir do início dos anos 90, voltou-se para Belo Horizonte com o compromisso de modernizar os trens suburbanos e construir o metrô.

No fim dos anos 70 o regime militar iniciou a abertura “lenta e gradual”, com a revogação dos atos institucionais, anistia, convocação de eleições diretas para governos estaduais e a abertura para que diversas lideranças populares e da sociedade civil se inserissem em partidos políticos e interagissem nas diversas instâncias administrativas. O período marca ainda o fim do “milagre” econômico, o início da recessão, do desemprego em massa e a retomada dos espaços públicos pela sociedade civil.

A Praça Rui Barbosa volta a ser palco, durante os anos 80, de manifestações políticas, comícios, passeatas, tornando-se espaço de interlocução entre sociedade civil e governo, revivendo, sob este aspecto, seu período áureo. Sob o ponto de vista físico contudo, continuou ‘abandonada’ pela administração pública, com seus jardins e monumentos abandonados, suas edificações desvalorizadas, fechadas e muitas vezes depredadas.

Durante a década de 80 a cidade viveu reflexos desse processo de crescimento econômico acelerado que não foi devidamente acompanhado por políticas sociais e urbanas. As condições do transporte coletivo tornaram-se cada vez mais precárias: já não existia o bonde, os trolebus também não resolveram o problema e a frota de ônibus era pequena para atender a demanda da população. O metrô surgiu como a solução para o impasse do transporte público.

O plano para a melhoria do sistema viário de Belo Horizonte foi considerado prioritário pela EBTU, uma vez que o metrô de São Paulo e do Rio já estava funcionando. A capital mineira era a terceira capital em desenvolvimento do país e o metrô era a forma de solucionar a questão do estrangulamento do transporte de cargas na região metropolitana e melhorar o transporte de massa na cidade. Retomou-se a idéia de aproveitamento do leito e dos trilhos já existentes para o transporte de cargas e para o trem de subúrbio.

Na proposta, prevista para ser iniciada em 1982, a Praça Rui Barbosa seria mais uma das inúmeras estações do trem metropolitano. O projeto da Geipot/ Metrobel/ EBTU pretendia instalar ali, dezenas de terminais de ônibus, para fazer a integração com o metrô, ameaçando demolir o antigo conjunto arquitetônico.

Tal perspectiva mobilizou grupos de defesa do patrimônio da cidade que, liderados pelo IAB-MG, lançaram uma campanha de conservação e revitalização do Conjunto da Praça Rui Barbosa, transformando-a em um pólo cultural na área.

A polêmica sobre a implantação do metrô na Praça Rui Barbosa foi acirrada. Ainda em 1980 a IAB/MG começou uma campanha na imprensa local pela preservação do conjunto arquitetônico da Praça Rui Barbosa (DT, 08/12/80), ameaçado de descaracterização pelas obras do metrô. O apelo contra a “amnésia cultural” da cidade foi o mais utilizado e o abandono e destruição de outros monumentos e espaços foram citados como exemplos trágicos da busca infindável pela modernidade.

Em agosto de 1981 foi realizado o Encontro pela Revitalização da Praça da Estação, promovido pelo IAB/MG e que contou com a participação de representantes dos poderes públicos que propunham a instalação do metrô e representantes políticos e de entidades civis de proteção do patrimônio cultural.

Além dos debates sobre a importância da preservação do Conjunto da Praça Rui Barbosa, aconteceram exposições fotográficas e projeção de filmes sobre a mesma, com ampla cobertura da imprensa local.

Durante o Encontro foram discutidas formas de preservar, valorizar e difundir a memória histórica evocada pelo Conjunto da Praça Rui Barbosa, palco de diversos “fatos políticos, vivências coletivas e tradições culturais” (fala do Secretário M. Cultura George Norman Kutova, 12/08/81).

No Encontro, foi solicitada imediata suspensão do projeto do Geipot para o Conjunto da Praça Rui Barbosa. Durante o evento foi anunciado projeto de lei municipal para criação do Conselho Municipal de Tombamento e solicitado o tombamento imediato do Conjunto da Praça Rui Barbosa pelo IEPHA/MG.

Diversas das moções aprovadas durante o encontro refletiram uma reação da sociedade frente à destruição da memória histórica da cidade, representada pela Praça Rui Barbosa. A reabilitação da Praça era a reabilitação da história e da memória de Belo Horizonte, uma vez que era vista como parte vital da identidade de seus habitantes.

Redescobrir a Praça Rui Barbosa era descobrir novo significado e potencialidade nas ‘velhas coisas e formas de vida’. Espelhando esse movimento foram aprovadas as seguintes moções:

- Solicitação ao prefeito para institucionalização de uma COMISSÃO com o objetivo de definir as linhas básicas de uma política de preservação para o município, considerando aspectos relativos ao seu patrimônio histórico, cultural e artístico, começando pelo conjunto da praça da estação;
- Acompanhamento de todos os processos de intervenção em áreas de interesse de preservação por parte da Comissão, que funcionaria como uma Câmara Consultiva;
- Realização de ajustes e acertos à Lei de Ocupação e Uso do Solo de BH para a área do Conjunto da Praça Rui Barbosa e seu entorno, considerando o cadastro das edificações e espaços de interesse histórico para preservação.
- Exigência ao poder público de colocar em discussão junto à sociedade civil todos os projetos e obras em áreas de interesse de preservação, antes que fossem detalhados tecnicamente;
- Comprometimento do poder público municipal quanto a sua competência sobre o uso do solo urbano, coordenando os diversos projetos dos órgãos estaduais e federais que possam interferir neste uso e levando-os ao conhecimento da população para que ela possa se manifestar sobre eles;
- Realização de um concurso público nacional para elaboração de plano de reurbanização, em nível preliminar, para a região da atual Praça Rui Barbosa e de implantação de terminal do metrô, uma vez que o atual projeto desfigurava o Conjunto da Praça;
- Preservação dos prédios, na medida do razoável e seu aproveitamento para atividades culturais;
- Realização do paisagismo da Praça apenas com espécies nativas;
- Aceleração do processo de regulamentação da lei municipal que instituiria a Fundação Municipal de Cultura;
- Constituição imediata da Comissão Municipal de Tombamento sob a presidência do Secretário Municipal de Cultura, Turismo e Esportes. (Citar livro e pág. 39-40).

Apenas um ano depois, no entanto, a IAB voltava a denunciar o não cumprimento dos acordos firmados durante o Encontro de 1981. Em reportagem do Estado de Minas datada de 03 de janeiro de 1982, cobrava-se o tombamento do Conjunto da Praça, ainda pendente e denunciava-se plano da Metrobel de construir na Praça um terminal de embarque com nada menos que 35 pontos de ônibus, em frente ao prédio da antiga Estação, projeto que não se realizou contudo.

Em julho do mesmo ano o IAB mais uma vez correu em defesa do Conjunto da Praça, denunciando a burocracia no processo de tombamento levado a cabo pelo IEPHA/MG. Órgão responsável pelo tombamento, o IEPHA/MG não sabia dar informações sobre o mesmo, uma vez que este havia sido encaminhado para a Secretaria de Planejamento para aprovação. Como a própria reportagem ressaltou, este fato era inédito, uma vez que o órgão nunca precisou de autorização de outro para tombar um bem. Com ceticismo era encarada também a liberação por parte do Governo Estadual de verba de 300 milhões de cruzeiros para a criação, na Praça, do Centro de Cultura Popular, o que de fato, não aconteceu.

O ano de 1983 começa com novas denúncias contra as obras do metrô, que derrubaram, em maio, parte de antigo armazém que serviu de oficina ao Conde de Santa Marinha, construído em 1896, para a passagem das linhas do metrô. Ainda neste ano o Conjunto da Praça Rui Barbosa sofreu mais um revés. Durante as obras de canalização do rio Arrudas, foi colocada uma murada de concreto às margens do rio e retirada a antiga ponte construída em 1896 na rua Guaicurus, empobrecendo esteticamente o conjunto.

Em novembro de 1983, o vereador Arutana Coberio Terena encaminhou à Câmara Municipal um projeto de lei estabelecendo o Conjunto da Praça Rui Barbosa como área de urbanização restrita. Junto com o projeto de lei foi encaminhada proposta para revitalização da área, transformando-a em um espaço cultural.

O atraso na homologação do tombamento estadual do Conjunto da Praça Rui Barbosa por parte do IEPHA/MG tornou mais difícil evitar a descaracterização do local pelas obras de construção do trem metropolitano. Em dezembro de 1985, reportagem do Jornal de Casa denunciou as modificações levadas a cabo no local, mesmo diante de tombamento provisório do IEPHA. Eram lembradas com pesar derrotas sofridas pela população e pelos preservacionistas como o Cine Metrópole (1983), o Palacete dos Guimarães na Av. João Pinheiro e a área junto ao Bemge na Praça Sete (1984) além da então recente descaracterização do Cine Brasil (1985).

Na luta pela preservação dos bens culturais da cidade, IAB e a Associação de Estudos do Patrimônio Cultural (AEPAC) foram, durante a década de 80, os principais agentes preservacionistas da época, denunciando à imprensa e exigindo medidas dos órgãos e instituições públicas responsáveis.

Depois de muita briga, o metrô acabou usando o leito das ferrovias e os prédios das antigas estações da Central do Brasil e da Rede Mineira de Viação se transformaram em um ponto de parada. Embora, do ponto de vista arquitetônico, o Conjunto da Praça Rui Barbosa tenha sido preservado, sua necessária revitalização, principalmente de uso, não aconteceu.

O metrô entrou em operação comercial em agosto de 1986, no trajeto ligando a estação da Lagoinha à do Eldorado. O trecho Lagoinha- Estação Central só foi inaugurado em março de 1987 e logo depois as obras do metrô foram paralisadas por falta de verbas.

O uso do metrô como solução para o problema viário foi frustrado pela falta de obras complementares que possibilitassem sua integração com o sistema de ônibus. O isolamento de algumas estações e a falta de segurança levou a população a optar preferencialmente pelos ônibus.

O ano de 1987 foi marcado pela campanha em prol da preservação do prédio da antiga Serraria Souza Pinto, ao lado do Viaduto Santa Tereza, então transformado em estacionamento e oficina mecânica. Em julho, o prédio foi adquirido pelo Governo estadual e um projeto de restauração começou a ser elaborado, prevendo sua transformação em um Centro Cultural, fato que só se concretizou em 1997.

Finalmente, em 15 de março de 1988, através do Decreto nº 27.927, foi homologado o tombamento estadual do Conjunto Paisagístico e Arquitetônico da Praça Rui Barbosa e, logo após, foi iniciado o processo de restauração do antigo prédio da Estação Ferroviária da Central do Brasil e dos armazéns da Rede Ferroviária, ficando a obra concluída em 1989.

Em abril de 1989 foi inaugurado o Centro Cultural da UFMG, sediado no prédio da antiga Escola de Engenharia. Em julho do mesmo ano a Rede Ferroviária Federal inaugurou, no Casarão do Conde de Santa Marinha, o Núcleo Histórico Ferroviário. Tais realizações evocaram e pareceram anunciar que o antigo sonho de transformar o Conjunto da Praça Rui Barbosa em um “corredor cultural”, integrando as diversas edificações estava para se concretizar.

Durante a década de 80, a Praça Rui Barbosa passou a ser utilizada pelo poder público como espaço de promoção de festas populares e shows musicais. A população por sua vez, desde o final da década de 70 apropriou-se do local para manifestações políticas.

Durante a campanha presidencial de 1989 a Praça Rui Barbosa serviu de palco de diversos comícios. Contudo, cotidianamente, a Praça continuou tendo um papel marginal em relação à cidade, comparativamente ao que tinha nos anos 20 e 30. No local, continuaram se concentrando pontos de ônibus e camelôs. Seus jardins reduzidos e mal cuidados, seus poucos bancos, eram utilizados muitas vezes, como abrigo para mendigos e menores de rua.

Em dezembro de 1998 o Conjunto Urbano da Praça Rui Barbosa e adjacências foi reconhecido pelo município através do instituto do tombamento.

A Praça de hoje não lembra o lugar agradável dos primeiros anos da Capital. O crescimento da cidade mudou seu projeto inicial. Contudo, ela não está morta e neste movimento dialético valorização – degradação, a Praça Rui Barbosa segue, corajosamente, lembrando aos belorizontinos que somente mantendo vivos seus laços com a “modernidade do passado” poderão criar um presente verdadeiramente moderno e um futuro no qual não percam o que têm de essencial, significativo e real.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


1. A CAPITAL. Belo Horizonte, 02 JUL. 1907. P. 2)
2. A TRIBUNA. São João Del Rei, Ago. 1931.
3. BARRETO, Abílio. Belo Horizonte e sua História. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1937.
4. BARRETO, Abílio. Resumo Histórico de Belo Horizonte (1701-1947). Belo Horizonte: Imprensa oficial, 1950.
5. BARRETO, Abílio. Belo Horizonte Memória Histórica e Descriptiva – História Média. Belo Horizonte; Edições Livraria Rex, 1936.
6. BARRETO, Abílio. Memória Histórica e Descritiva – História Antiga e História Média. Belo Horizonte: Fundação João pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1995. 2v.
7. BELO HORIZONTE.PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Relatório Apresentado aos membros do Conselho Deliberativo da Capital Pelo prefeito Dr. Corneliio Vaz de Mello. Setembro de 1915. Belo Horizonte: imprensa Official do Estado de Minas Geraes, 1908.
8. BELO HORIZONTE. PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Relatório Apresentado aos membros do Conselho Deliberativo da Capital Pelo prefeito Flavio Fernandes dos Santos. Setembro de 1923. Belo Horizonte: imprensa Official do Estado de Minas Geraes, 1923.
9. BELO HORIZONTE. PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Relatório Apresentado ao Prefeito Luis Barbosa Gonçalves Penna, pelos Directores e Chefes de Serviço da Prefeitura de Bello Horizonte em out. de 1930. Belo Horizonte: imprensa Official do Estado de Minas Geraes, 1931.
10. BELO HORIZONTE. PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Relatório da Directoria de Obras Relativo ao ano de 1931, Apresentado ao Prefeito Luis Penna. Belo Horizonte: imprensa Official do Estado de Minas Geraes, 1931.
11. BELO HORIZONTE. PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Relatório DE 1937 Apresentado ao S. Excia o Sr. Governador Benedicto Valladares Ribeiro pelo Pefeito de Belo Horizonte, Octacilio Negrão de Lima. Belo Horizonte: Gráfica Queiroz Breyner Ltda., 1937.
12. BELO HORIZONTE: Espaço e Tempos em Construção /cood. Por Roberto Luís de Melo Monte-Mór – Belo Horizonte: CEDEPLAR/PBH, 1994.
13. BH VERSO E REVERSO. Belo Horizonte: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Educação, março 1996.
14. CALDEIRA, Jorge. Mauá: Empresário do Império. São Paulo: Companhia das
Letras, 1995. 557 p.
15. DIÁRIO DE MINAS, Belo Horizonte, 28 Set. 1920. p. 1.
16. 100 ANOS da indústria em Belo Horizonte/ Federação das Indústrias de Minas Gerais. Belo Horizonte: FIEMG/SESI. 1998. 96 p.
17. DIÁRIO DE MINAS, Belo Horizonte, 4 Out. 1920. p. 3.
18. Disponível na Internet em http://www.ferrovia.com.br/fer1.htm.
19. DIRECTORIA DE AGRICULTURA, COMMERCIO, Terras e Colonização. Relatório Apresentado ao Exm. Sr. Dr. Manoel Thomaz de Carvalho Britto Secretário Interino das Finanças Pelo Engenheiro Carlos Prates Director de Agriculatura, Commercio e Colonização Referente ao anno de 1907. Belo Horizonte, Imprensa official do Estado de Minas Geraes, 1908.
20. INSTITUTO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE MINAS GERAIS. Belo Horizonte Re-vista: 1897/1997. Belo Horizonte, 1997.
21. INSTITUTO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE MINAS GERAIS. Superintendência de Documentação Histórica. Acervo Fotográfico.
22. LINS, Alcides. A Função das Estradas de Ferro nos Meios de Comunicação e Transporte no Brasil.
23. LINS, Alcides. A Central do Brasil. Rio de Janeiro: Jornal do Commércio, 1926.
104 p.
24. LINS, Alcides. A Central do Brasil. Artigos em Resposta ao “Estado de São
Paulo” por Alcides Lins. Rio de Janeiro: Jornal do Commércio, 1926. 104 p.
25. LIMA, Joaquim Ramos de. Almanack da Cidade de Minas. Bello Horizonte: Imprensa Oficial, 1900. p. 24-25.
26. MEMÓRIA Econômica da Cidade de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Banco de Minas Gerais, 1987.
27. MINAS GERAES. COMISSÃO CONSTRUTORA DA NOVA CAPITAL. Revista Geral dos Trabalhos. Rio de Janeiro: H. Lombaerts & Cia. Anno I , abr. 1895.
28. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 7 set. 1895. p. 4-6.
29. MINAS GERAES, 20 Ago. 1896. p. 6.
30. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 12 ago. 1898. p. 8.
31. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 21 ago. 1898. p. 4.
32. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 17 ago. 1898. p. 7.
33. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 29 ago. 1898. p. 6.
34. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 31 ago. 1898. p. 4.
35. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 8 maio. 1899. p. 4.
36. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 11 maio. 1899. p. 3.
37. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 14 dez. 1899. p. 4.
38. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 1 jan. 1900. p. 3.
39. MINAS GERAES. Belo Horizonte, 13 maio 1902. p.1.
40. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 13 nov. 1902. p. 3.
41. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 7 jul. 1904. p. 7.
42. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 12 ago. 1909. p. 6.
43. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 25 ago. 1910. p. 5.
44. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 28 ago. 1910. p. 5.
45. MINAS GERAES, 8 Março 1912. P. 4.
46. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 21 set. 1913. p. 8.
47. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 22,23 set. 1913. p. 8.
48. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 4,5 jun. 1913. p. 8.
49. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 25,26 set. 1916. p. 1.
50. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 17 ago. 1916. p. 7.
51. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 14 set. 1916. p. 6.
52. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 12 março 1916. p. 2-3.
53. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 18,19 jun. 1917. p. 4.
54. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 22 maio. 1920. p. 5.
55. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 11 nov. 1922. p. 3.
56. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 12 dez. 1922. p. 7.
57. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 2 dez. 1923. p. 6.
58. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 13 dez. 1923. p. 3.
59. MINAS GERAES, Belo Horizonte, 20,21 abr. 1925. p. 12.
60. MORETTI, antônio. VERAS, Felippe. Guia de Bello Horizonte – Indicador da Capital. 1912.
61. MOURÃO, Paulo Kluger Correa. História de Belo Horizonte de 1897 a 1930. Belo Horizonte: Imprensa Oficial. 1970.
62. MUSEU Ferroviário de São João Del Rei.
63. NAVA, Pedro. Beira-Mar: Memórias IV. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
64. OMNIBUS: uma história dos transportes coletivos em Belo Horizonte/fundação João Pinheiro. Centro de Estudos Históricos e Culturais. – Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro. Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1996. 380 p.
65. PENNA, Octávio. Notas Cronológicas de Belo Horizonte. 1711- 1930. Belo Horizonte: Estabelecimentos Gráficos Santa Maria, 1950. p. 73.
66. PINTO, Raymundo Alves e PONTES, Tito Lívio. Álbum de Belo Horizonte. São Paulo: s.e. 1911.
67. SALGUEIRO, Heliana Angotti. O Ecletismo Em Minas Gerais: Belo Horizonte 1984-1930 -–In.: Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo: Nobel, Editora da USP. 1987.
68. SALGUEIRO, Heliana Angotti. Engenheiro Aarão Reis: O Progresso Como Missão. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro – Centro de Estudos Históricos e Culturais / Sistema Estadual de Planejamento. 1997.
69. SILVEIRA, Victor. Minas Geraes 1925. Bello Horizonte: Imprensa Official de Minas Geraes, 1926.
70. RAMOS, Heloísa Maria dos Santos. A Implantação da Função Comercial em Belo Horizonte: Uma leitura da avenida Santos Dumont. Belo Horizonte: UFMG, 1986. Monografia (especialização em Urbanismo). Escola de Arquitetura, UFMG, 1986.
71. Revista Tank. Belo Horizonte, ago. 1919. n.º 6. Anno I. p. 115.
72. Revista Vida de Minas, 15 fev. 1915, ano I, n. 4.
73. Revista Minas Gerais. Belo Horizonte, Imprensa Oficial , fev. 1990. N.º 23.
74. Veras, Felippe. Almanack Guia de Bello Horizonte. Anno II. 1913.
75. Revista Fon Fon. Rio de Janeiro, 28 ago. 1920. Ano XIV, n.º 35.
76. Revista Geral dos Trabalhos. Publicação Periódica, Descriptiva e Estatística, feita com autorização do Governo do Estado sob direcção do Engenheiro Chefe Aarão Rei. Rio de Janeiro, H. Lombaerts & C. abril de 1895.