PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL



BLOG VOLTADO PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL - 16 ANOS NO AR

quarta-feira, 31 de julho de 2013

CONCEITOS: CENTRO HISTÓRICO, NÚCLEO HISTÓRICO E CONJUNTOS

"CONSIDERAÇÕES SOBRE CENTRO HISTÓRICO, NÚCLEO HISTÓRICO E CONJUNTO URBANO"

"O conceito do centro histórico adquiriu uma abrangência evolutiva, partindo da noção de monumento histórico até atingir a idéia dinâmica do sítio no qual guarda o fazer cultural de uma sociedade / população bem como suas manifestações.

A designação de centro histórico permeia aquelas localidades em que congregam o valor simbólico adquirido; considera-se o espaço da localidade em que recebeu os valores agregados ao longo da história, o legado do povo. O centro histórico, ampliando, concentra as funções urbanas bem definidas: o poder público, o administrativo, o civil; essas se sustentam. E, espacialmente, há a hierarquia dos assentamentos e processos arquitetônicos construtivos.

Enquanto que para o núcleo histórico, adota-se a idéia daquelas localidades que guardam as características da ocupação urbana, das primeiras fases da ocupação, dos primeiros sistemas construtivos, porém, é desprovido das funções públicas e administrativas; essas são exercidas pelo centro histórico polarizador mais próximo.

Já para o conjunto urbano, tem-se a idéia daquele que congrega uma heterogeneidade no espaço, sendo os fragmentos de história dentro do espaço urbano maior, do território urbano mais abrangente.

Ao analisar as cartas internacionais as quais abordam os bens culturais no âmbito urbano: centro histórico, núcleo histórico, conjunto urbano, verifica-se que ocorre o aprimoramento dos conceitos no que tange a conservação, gestão do patrimônio cultural dos centros históricos / cidades históricas.
 
É válido consultar as seguintes : Carta de Quito de 1967; Carta de Veneza de 1964; Carta de Restauro de 1972; Resolução de São Domingo de 1974; Declaração de Amsterdã de 1975; Declaração de Nairobi de 1976; Carta de Washington de 1986; Carta de Petrópolis de 1987."
Fonte: Rosana de Souza Marques - Arquiteta - IEPHA/MG.

_______________________________________________________________

Definição de “Centro Histórico”


"Desde tempos imemoriais que as cidades são produto das sociedades que as fisicamente
construíram e culturalmente edificaram, num processo contínuo e intemporal. De facto, as cidades,
desde as pequenas aglomerações urbanas da antiguidade às actuais metrópoles globais, sempre
polarizaram importantes funções sociais, económicas, patrimoniais e cívicas, constituindo-se um
legado das sociedades passadas e, uma plataforma para as vindouras, sendo um espaço de transição por excelência. Todo esse conjunto de actividades económicas e sociais, funções cívicas, habitacionais e patrimoniais, que se constituem o motor da vida urbana, desempenhadas pelas cidades tinham o seu eixo gravitacional nos seus centros históricos, a sua origem e área mais central. Segundo Teresa Barata

Salgueiro (2005: 259), os centros históricos para além de serem “as partes mais antigas da cidade”,
constituem-se como uma “sucessão de testemunhos de várias épocas, monumento que nos traz vivo o passado, nos dá a dimensão temporal com a sequência dos factos que estruturam as identidades”.

O centro histórico de uma cidade é, regra geral, a área mais antiga que se tornou progressivamente o centro da cidade moderna, e que coincide normalmente “com o núcleo de origem do aglomerado, de onde irradiaram outras áreas urbanas sedimentadas pelo tempo, conferindo assim a
esta zona uma característica própria cuja delimitação deve implicar todo um conjunto de regras
tendentes à sua conservação e valorização” (DGOTDU; 2005, 128). Apesar da delimitação de centro histórico não ser linear, esta é “facilitada no caso das pequenas cidades, que se tenham expandido pouco ou onde o desenvolvimento moderno é periférico” e, mais difícil no caso das “cidades grandes, formadas por períodos históricos múltiplos, e onde os conjuntos urbanos do século XIX podem ser legitimamente considerados como históricos” (Cavém; 2007, 15)."

FONTE: II Parte – Enquadramento temático e metodológico -
Capítulo II – Centros Históricos - Disponivel na Internet: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/3862/8/igotul000916_tm_3.pdf . Acessado em 31 de julho de 2013.

________________________________________________________________


MAIS REFERÊNCIAS:
 
 
 
 



 







 



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário