PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL



BLOG VOLTADO PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL - 16 ANOS NO AR

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

PATRIMÔNIO CULTURAL - O HOMEM E A PRODUÇÃO CULTURAL


O HOMEM E A PRODUÇÃO CULTURAL:


“A permanência de um grupo depende da sua cultura, que por sua vez, depende do lugar. Depende da memória de grupo e dos suportes da memória: os lugares que falam. Essa produção cultural de um grupo é uma herança compartilhada. Podemos herdar os bens culturais, mas não herdamos a sua compreensão. Para compreender é preciso aprender, conhecer, vivenciar, apreciar. Aquilo que eu compreendo e conheço, eu respeito.

Onde tem gente tem cultura transplantada, recriada, reconstruída, adaptada, inovada e novamente criada.


Onde tem cultura tem bens culturais: materiais e imateriais produzidos pelo Homem para viver e sobreviver no mundo que o cerca. Então, todo lugar de Homem... De muitos Homens produz cultura. E cada ser humano carrega em si esse seu mundo e sua cultura e é direta e indiretamente transmissor, reprodutor, inovador e criador de cultura.


O que o Homem é está no passado, no presente e nos espaços que o rodeiam.

O Homem é influenciado pelos lugares e pelos outros seres humanos.


O que ele é aprendeu e construiu com os outros e guarda em sua memória e em suportes. É por isso que o Homem guarda coisas. As coisas falam. Fazem com que se lembre do que aconteceu no passado e que precisa para continuar.


Alguns “bens”, falam só para um indivíduo ou para a sua família. Falam de coisas que vivenciou e de coisas e seres que quer lembrar.


Há outros bens que falam para o grupo/comunidade/nação e transmitem o conhecimento que necessitam para que possam sobreviver com dignidade e autoestima.


Esses são os “bens culturais”, produtos do processo cultural de um grupo e que são importantes não por serem históricos artísticos ou arquitetonicamente únicos, mas por que são essencialmente suportes da memória do Homem. O valor de um bem cultural está nessa capacidade de “falar” ao grupo tanto coletivamente como individualmente. Está impregnado de lembranças e dá sentido ao grupo e o diferencia de um outro.


Esse bem só terá sentido para um grupo se for um suporte vivo de lembranças, vivências e significados.


Esse bem precisa estar vivo no cotidiano do grupo para realmente falar a esse grupo.


 ( Carlos Henrique Rangel, Fevereiro de 2018).

Nenhum comentário:

Postar um comentário