PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL



BLOG VOLTADO PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL - 16 ANOS NO AR

quarta-feira, 6 de abril de 2016

PATRIMÔNIO MUNDIAL - GESTÃO DE BENS CULTURAIS - DOCUMENTOS

Documentos sobre Patrimônio Mundial estão disponíveis para o público




CONCEITOS:
“(...) A definição de patrimônio foi ampliada de forma significativa no último meio século. Os bens considerados patrimônio tendiam a ser monumentos individuais e edifícios, como locais de culto ou fortificações, e muitas vezes eram vistos isoladamente, sem nenhuma relação com as paisagens que os rodeavam. Hoje, reconhece-se que o ambiente como um todo é afetado por sua interação com a humanidade e, por isso, pode ser reconhecido como patrimônio. Torna-se ainda mais necessário fazer julgamentos sobre o que tem significado e o que não tem.
Inevitavelmente, essa expansão do conceito de patrimônio significou, por sua vez, uma enorme expansão na gama das estruturas e locais tratados como patrimônio. A Convenção do Patrimônio Mundial reconhece que podem ser considerados patrimônio “monumentos, grupos de edifícios e sítios”. Na prática, desenvolveu-se um amplo conjunto de tipologias que inclui centros urbanos, sítios arqueológicos, propriedades industriais, paisagens culturais e rotas de patrimônio. Com o expressivo aumento da gama de lugares e paisagens que devem ser geridos, passou-se a exigir dos gestores de patrimônio outras habilidades. Aumentaram muito também os tipos e o número de ameaças que podem ter efeito adverso sobre locais considerados patrimônio. Além das ameaças diretas ao tecido ou a seus componentes, o patrimônio é afetado por acontecimentos adversos em seus arredores. Nessas circunstâncias, decisões tomadas com base em benefícios econômicos ou sociais mais amplos devem ser compatíveis com o bem-estar do patrimônio.
Diante do reconhecimento de que os locais considerados patrimônio não são isolados, seus arredores passaram a ser vistos tanto como ambientes físicos e também como espaços passíveis de ameaças e oportunidades sociais, econômicas e ambientais (...). O que acontece nesses arredores pode ter impacto sobre o patrimônio e seu significado. Isso significa que os indivíduos envolvidos em um sistema de gestão de patrimônio devem ter a capacidade de interferir nas decisões a ele relacionadas (...). Mudanças nos arredores provavelmente são inevitáveis, mas não devem prejudicar os valores (no caso de um bem do Patrimônio Mundial, o VUE) do patrimônio. (negrito nosso).”



GESTÃO DE BENS CULTURAIS:
“A ampliação do escopo do patrimônio levou muito mais atores ou interessados a se envolver com sua gestão. Quando os locais de patrimônio eram principalmente monumentos ou edifícios sob controle público, o gestor do bem podia agir de maneira relativamente livre nos limites do sítio. Não é mais o que ocorre. Mesmo que um local de patrimônio seja de propriedade e gestão públicas, o gestor terá de atuar em parceria com interessados e as autoridades envolvidas na área em torno do sítio. Para bens de patrimônio mais difusos, a posse será muito mais espalhada. Em uma cidade patrimônio, por exemplo, a maior parte dos edifícios históricos será de propriedade privada, e muitos serão usados para propósitos alheios ao patrimônio. Áreas de grandes sítios rurais também serão de propriedade privada, e poderão ser utilizadas para agricultura ou para criação de gado. Pode ser que o meio de vida das comunidades locais dependa de tais usos benéficos de locais de patrimônio. Os gestores do patrimônio terão de contar com uma grande diversidade de autoridades públicas para tratar de questões como o planejamento espacial e as políticas de desenvolvimento econômico.
Isso quer dizer que os gestores do patrimônio não podem agir de maneira independente. É essencial que os organismos responsáveis pelo patrimônio atuem o máximo possível em parceria com outros interessados, a fim de desenvolver uma visão compartilhada e implementar políticas para a gestão de cada local de patrimônio considerando seu contexto físico e social mais amplo. Dessa maneira, o trabalho colaborativo assume papel crucial, assim como o completo e transparente envolvimento dos interessados, conforme recomendado pelas DO. Em qualquer sistema de gestão, incluindo o desenvolvimento e a implementação de um plano de gestão, precisa-se levar isso em consideração. (NEGRITO NOSSO).(...).
O aumento da participação é necessário para tratar desses múltiplos objetivos: a maior complexidade exige avanços nas práticas de gestão. Não se deve supor, no entanto, que uma abordagem de cima para baixo seja a única forma de lidar com múltiplas questões. O termo “gestão” tem sido usado de maneira muito ampla no setor de patrimônio: como as questões se tornaram mais complexas, é necessário ser mais preciso. As abordagens de gestão devem acomodar a mudança (muito recente em várias partes do mundo) em direção a uma abordagem mais ampla e inclusiva da gestão de patrimônio e a uma ênfase maior na participação comunitária.

Fonte: Gestão do Patrimônio Mundial cultural. – Brasília : UNESCO Brasil, Iphan, 2016, p. 16 A 18.






Fonte: Gestão do Patrimônio Mundial cultural. – Brasília : UNESCO Brasil, Iphan, 2016. 163 p.



Nenhum comentário:

Postar um comentário