PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

PROTEUS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL



BLOG VOLTADO PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL - 16 ANOS NO AR

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

PEÇAS DESAPARECIDAS - IMAGENS ROUBADAS - CONTO - "IMAGENS"

IMAGENS
Autor: Carlos Henrique Rangel
Santo Antônio foi furtado da capela do distrito de Zito Soares, em Santa Cruz do Escalvado. 
Imagem roubada no dia 27 de dezembro de 2014.
 Foto: Paróquia de Santa Cruz/Divulgação


O homem depositou o pacote sobre a mesa e limpou o suor da testa.

-       Está aí. Não foi fácil... Tinha alarme... – Disse homem olhando para o senhor de cabelos brancos que segurava um copo de bebida.

-       O que estou te pagando cobre todo o risco... – Disse o homem de cabelos brancos.

-       Claro senhor Jorge, eu não estou reclamando. – Disse o homem suado.

-       Tome o seu cheque e pode ir.  – O homem suado limpou novamente a testa e partiu.

Jorge rasgou o embrulho e sorriu quando viu a bela imagem de Santo Antônio que havia adquirido. Deu uma volta ao redor da mesa admirando a peça e sorriu novamente.

-       Mestre Piranga... Sim... Tenho certeza... Agora vou te apresentar a sua nova casa. – Disse pegando a imagem. Carregou-a por um corredor e parou na ultima porta a direita. Segurou a imagem entre o braço esquerdo e abriu o pesado cadeado. Era um quarto pequeno com apenas uma janela bem fechada.

Acendeu a luz e sorriu para as várias peças sobre uma grande mesa.

-       Mais uma para a minha coleção...Santo Antônio apresento-lhe seus irmãos. – Disse ajeitando a imagem do santo entre uma Nossa Senhora do Rosário e um São José.

Correu os olhos novamente para o seu acervo e sorriu feliz. Apagou a luz e fechou a porta.

O ruído ele ouviu quando ainda colocava o cadeado sobre o trinco.
Eram vozes.
Parou de mexer na porta e esperou.
Colocou o ouvido na porta e esperou.
As vozes começaram tímidas.

-       Mais um... Como vai Santo Antônio, seja bem vindo ao nosso humilde lar. – Disse a Nossa Senhora ajeitando a coroa.

-       Obrigado Senhora, o prazer é todo meu... Mas... Onde estou? A ultima coisa de que me lembro foi de ter sido enfiado em um saco... – Disse o Santo olhando ao redor, custando a enxergar naquela escuridão.
-       Isto aconteceu com todos nós... – Disse um São João Batista que estava mais no canto ao lado de uma Santa Efigênia.

-       Fui roubado? – Perguntou o Santo assustado.

-       Foi. Todos nós fomos. – Falou uma Nossa Senhora de Lourdes.

-       Até hoje tenho pesadelos por causa daqueles brutos que me tiraram do altar... Olha, quebraram uma de minhas asas... – Falou um anjo mostrando a asa com um grande remendo.

-   Traumatizado, coitado... Nem dorme direito. – Completou a Nossa Senhora do Rosário balançando a cabeça.

-       Eu nunca pensei que isto iria acontecer comigo... Já haviam me falado destas coisas. Mas na minha igreja foi a primeira vez...

-       Ai meu filho, na minha igreja aconteceu tantas vezes... Ai que saudades dos velhos tempos em que éramos tratadas com respeito... Tantos anos... Quase trezentos anos atrás. – Lamentou a Nossa Senhora do Rosário.

-       A senhora esta muito bem... Não parece tão antiga... – Falou o Santo Antônio admirando a Imagem da Senhora.

-       Ah meu filho, tenho alguns probleminhas, uma pequena rachadura, a pintura do meu manto está desgastada...

-       Não se nota. – Disse o Santo.

-       Sou uma boa peça... Acho que todas nos somos. – Completou a Senhora.

-       Aleijadinho?

-       Não... Jorge diz que sim. Mas fui feita pelos ajudantes dele... – Respondeu a Nossa Senhora do Rosário.

-       A senhora faria o maior sucesso na minha igreja. A nossa “Nossa Senhora do Rosário” é pequena e singela – Elogiou o Santo Antônio.

-       Ah meu filho, não quero “pegar” o lugar de ninguém...Queria voltar para a minha Igreja...

-       Eu sou uma peça portuguesa. Vim diretamente do Porto... Chique né? – Falou uma Nossa Senhora da Conceição de mais de um metro.

-       Muito... – Exclamou o Santo Antônio.

-       Eu sou paulista mesmo... Taubaté. E você? – Perguntou o São José.
-       Fui feito por um mestre que trabalhou muito na minha cidade... Mas não posso falar o nome dele... É segredo... – Explicou o Santo Novato.

-       Conheci um Santo Antônio... Ficava no nicho esquerdo do meu altar... Pegou cupim... Uma tragédia... – Lamentou a Nossa Senhora da Conceição.

-       Nossa! E o que aconteceu? – Perguntou o santo curioso.

-       Levaram ele para um ateliê de restauração, voltou lindo.

-       Que bom... Sei de um caso gravíssimo... Epidemia mesmo... Pegou em todo mundo. – Disse o São José pensativo.

-       E aí?

-       Ah,  perdemos um São João Batista, uma Nossa Senhora do Rosário e uma Santa Rita...- Explicou o São José.

-       Catástrofe! Isto acontece quando a comunidade não cuida direito da igreja...

-       Somos muito bem cuidados aqui. Jorge nos limpa uma vez por semana... – Falou um Cristo que segurava uma grande cruz.

-       Mas isto aqui não é uma igreja... É escuro e pequeno... – Disse o Santo novato.
-       Ai que saudade da minha igreja... As orações, as velas iluminando...O povo e os pedidos do povo... – Lamentou a Senhora do Rosário balançando o terço.

-       Não tem reza aqui? – Espantou o Santo recém-chegado.

-       Não tem nada, só escuridão e a visita do Jorge de vez em quando.

-       E ele reza?

-       Não... Apenas fica admirando...Nada de preces... – Respondeu o São Joaquim que até então apenas ouvia.

-       Mas que coisa egoísta... Na igreja somos adoradas por multidões... E as orações... Adorava ouvir os pedidos e tentar atendê-los...

-       Aposto que eram sobre casamento... – Falou um Menino Jesus deitado em uma manjedoura.

-       A maioria dos pedidos era sobre casamento. – Confirmou o Santo rindo.

-       Ai, e as procissões... Adorava sair pelas ruas no andor. Adorada ver toda a população da cidade... Subindo ladeiras... Perdi a conta de quantas vezes sai pelas ruas... Nunca era igual. Ás vezes as novidades não eram boas. Sentia a falta de uma casa, percebia um prédio novo e feio ocupando o lugar de um sobrado lindo que existia perto da igreja... Uma mudança no ritual... Mudança para pior... – Lamentou a Nossa Senhora do Rosário ajeitando o manto.

-       E os veículos... Quando vi o primeiro automóvel quase desci do andor e sai correndo. – Disse o São José alisando a barba.

-       E os cantos... Na sua igreja tinha música? Na minha igreja cantava-se muito a luz de velas quando eu era uma imagem novinha. O órgão com aquele lindo som do Céu... Depois instalaram luz elétrica e a igreja ficou muito mais clara...- Falou um São Sebastião soltando um dos braços para evitar a cãibra.

-       Adoro a Semana Santa e a decoração das ruas...Saia da minha Igreja e ia para a Igreja de Minha mãe... – Falou o Cristo pensativo.

-       Ai meu Deus que saudades do Congado... – Lamentou novamente a Nossa Senhora do Rosário.

-       Meu povo deve estar muito triste...- Falou o Santo Antônio forçando a vista, tentando enxergar melhor os companheiros.

-       Aposto que sim. – Falou o Menino Jesus balançando as perninhas.

-       E o Jorge que nem reza... – Disse o Cristo ajeitando a cruz no ombro.

-       Moço mais egoísta... – Falou Santa Efigênia.

-       Será que ele não tem olhos para ver o que está fazendo com a gente e com o nosso povo? – Perguntou a Santa Luzia depositando o prato na mesa.

-       Se pelo menos fosse um museu... No museu as pessoas nos visitam... Já pertenci a um museu...- Falou o Cristo.

-       Museu! Deus me livre! Sou uma santa fui feita para ser adorada e louvada. No museu somos objetos de arte. – Reclamou a Santa Rita.

-       Mas é melhor que isto aqui. – Falou o Cristo.

-       Moço egoísta... E pensar que estou aqui há quinze anos... – Lamentou novamente a Santa Efigênia.

No lado de fora Jorge ouvia a conversa e seu coração inicialmente assustado estava agora carregado de tristeza.
A principio pensou que fosse efeito da bebida. Andava bebendo quase todos os dias àquela hora da noite. Depois achou que não. Não era o efeito de bebida. Era uma conversa real. Muito real... E séria.

As lágrimas trasbordavam dos olhos banhando-lhe a face e um grande sentimento de culpa apertava-lhe o peito.
Via os altares vazios e o choro dos fiéis lamentando a perda dos santos de sua devoção. Ouvia o sermão duro do padre pedindo providências. Via os andores vazios... As beatas chorando... As procissões empobrecidas...

Via o quarto com os olhos dos santos: escuro silencioso...Sem preces, sem luz de velas...

As lagrimas agora molhavam sua camisa. Enxugou os olhos e sem querer bateu com a mão no trinco provocando um forte ruído metálico.

A conversa cessou.
Jorge não precisava ouvir mais nada.

Abriu a porta e encontrou o quarto como havia deixado: em silêncio. O Santo Antônio estava lá entre o São José e a falante Nossa Senhora do Rosário.

Parou ao lado da peça de Nossa Senhora do Rosário e acariciou-lhe o rosto. Depois pegou o prato da Santa Luzia que se encontrava na mesa e colocou sobre a  mão estendida da santa.

-       Meus santos e minhas santas, lamento muito o que tenho feito com os senhores e suas comunidades... Lamento do fundo do meu coração... A partir de amanhã providenciarei o retorno de todos às suas igrejas... – Disse ajoelhando no chão frio do quarto e iniciando uma silenciosa oração...
                                                                FIM
 ALGUMAS PEÇAS DESAPARECIDAS:




Nenhum comentário:

Postar um comentário